INTERNET

Ação da Google no STF será parâmetro para casos de responsabilidade do provedor

Da Redação* ... 10/04/2012 ... Convergência Digital

Uma ação movida pela Google junto ao Supremo Tribunal Federal servirá de parâmetro para todos os processos relacionados à responsabilidade dos provedores de conteúdo sobre o que foi publicado por terceiros. Por decisão do Supremo, o caso terá repercussão geral.

Trata-se de uma ação (ARE 660861) movida pela Google contra decisão do Tribunal de Justiça de Minas Gerais que obrigou a empresa a indenizar em R$ 10 mil uma vítima de ofensas na rede de relacionamentos Orkut – além de retirar do ar a comunidade onde as ofensas ocorreram.

“O tema em análise trata do dever de empresa que hospeda sites na Internet fiscalizar o conteúdo publicado e de retirá-lo do ar quando considerado ofensivo, sem intervenção do Judiciário”, explica o STF. Para o relator, ministro Luiz Fux, “a matéria pode atingir inúmeros casos submetidos à apreciação do Poder Judiciário”.

“Não há como exigir da Google a tarefa de emitir juízo de valor sobre o conteúdo lançado no site, de modo a impedir a veiculação de determinado conteúdo”, alegam os advogados da empresa no processo. Para a Google, a decisão do TJMG equivale a censura prévia, vedada pela Constituição.

O ministro relator entende que a análise do tema permitirá definir, na ausência de regulamentação legal da matéria, se a incidência direta dos princípios constitucionais gera, para a empresa hospedeira de sítios na internet, o dever de fiscalizar o conteúdo publicado nos seus domínios eletrônicos e de retirar do ar as informações denunciadas como ofensivas, sem necessidade de intervenção do Judiciário.

* Com informações do STF


Google muda práticas na Itália para atender autoridade de dados

Empresa concordou com as exigências do Garante, o regulador italiano sobre privacidade de dados, e entre as medidas só poderá usar as informações com consentimento prévio. 

Demi Getschko segue no comando operacional, mas governo faz ajustes no NIC.br

Maximiliano Martinhão - secretário de Política de Informática (Sepin) será o presidente do Conselho de Administração, onde também entra Luiz Fernando Castro.

Entidades dizem que mudanças no CGI.br são 'ataque à governança'

Dezessete organizações da sociedade civil reagirm, por meio de um manifestam, ao que acreditam ser uma movimento para aumentar a força das operadoras de telecomunicações no Comitê Gestor da Internet.

Governo sugere backdoor no WhatsApp para quebra da criptografia

Congresso já tem pelo menos sete projetos de lei que buscam de alguma forma impedir a suspensão total do serviço no Brasil, mas o Ministério da Justiça promete uma nova proposta, “que permita tecnologicamente que a empresa forneça as informações”. 

Para Justiça, criptografia do WhatsApp é desacato a autoridade

Revista Abranet 17 . Julho/Agosto 2016
Veja a Revista Abranet nº 17 A Internet que temos no Brasil é a que podemos ter. Planejamento é a melhor estratégia para sobreviver à crise. ISPs: ataques de negação de serviço entre os mais comuns, mas não os únicos.
E mais...
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2016 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G