INTERNET

Austrália sustenta veto à Huawei em plano de banda larga

Da redação ... 29/03/2012 ... Convergência Digital
A primeira-ministra da Austrália, Julia Gillard, aprovou a decisão de proibir a fabricante chinesa Huawei de concorrer a grandes contratos do governo, mesmo depois de Pequim ter se mostrado preocupada com o tratamento às empresas do país.

O governo proibiu a fabricante de equipamentos para telecomunicação de participar das concorrências para a criação da rede australiana de banda larga de alta velocidade (NBN, em inglês), um projeto de 38 bilhões de dólares, devido a preocupações de segurança não especificadas.

Gillard disse a jornalistas que manterá a decisão, que segundo ela não contraria as regras do comércio internacional; a premiê mencionou as regras que a própria China impõe para investimento no setor de telecomunicações."Tomamos decisões em defesa do interesse nacional. Tomamos decisões que é nosso direito tomar", disse Gillard.

"Qualquer acusação de que elas representam violação das normas comerciais simplesmente não procede", afirmou. "Sei que a China mesma tem posições estabelecidas quanto ao seu setor de telecomunicações e ao ingresso de estrangeiros, além de adotar uma abordagem especial quanto a permitir investimento estrangeiro nessa área", disse.

A Huawei negou que seja um risco de segurança tecnológica e afirmou que ainda tem esperança de conquistar contratos relacionados à NBN.Nesta quarta-feira, 28/03, o Ministério do Exterior chinês pediu ao governo australiano que concedesse acesso justo de mercado às companhias da China.

"Esperamos que as autoridades australianas ofereçam às companhias chinesas um ambiente de mercado justo e livre de discriminação, em vez de obstruírem as operações normais de empresas chinesas na Austrália em nome de uma suposta segurança", disse o porta-voz do ministério, Hong Lei.

O secretário do Tesouro australiano, Wayne Swan, declarou a repórteres que o problema com a Huawei não prejudicaria as relações com o maior parceiro comercial do país. A Huawei, por sua vez, informou que suas operações australianas continuavam a operar normalmente, depois da decisão de excluí-la do projeto NBN. "Não temos indicação de que outros projetos tenham sido analisados", disse o porta-voz da companhia no país, Luke Coleman, à Reuters.

*Fonte: Agência Reuters


Europa e EUA reagem ao uso de dados do WhatsApp pelo Facebook

Para o grupo do Artigo 29, que reúne as autoridades europeias de proteção de dados, “o que está em jogo é o controle dos dados por grandes atores da internet”. Nos EUA, entidade diz que mudança nos termos do Whatsapp fere compromisso feito quando a rede social comprou o app. 

Câmara rejeita projeto de Eduardo Cunha sobre ‘direito ao esquecimento’

Proposta caiu na Comissão de Defesa do Consumidor, que privilegiou o PL 215/15, que já está no Plenário da Câmara e trata do mesmo assunto. “É tema extremamente polêmico”, ressaltou o relator, José Carlos Araújo (PR-BA).

Google muda práticas na Itália para atender autoridade de dados

Empresa concordou com as exigências do Garante, o regulador italiano sobre privacidade de dados, e entre as medidas só poderá usar as informações com consentimento prévio. 

Demi Getschko segue no comando operacional, mas governo faz ajustes no NIC.br

Maximiliano Martinhão - secretário de Política de Informática (Sepin) será o presidente do Conselho de Administração, onde também entra Luiz Fernando Castro.

Entidades dizem que mudanças no CGI.br são 'ataque à governança'

Dezessete organizações da sociedade civil reagirm, por meio de um manifestam, ao que acreditam ser uma movimento para aumentar a força das operadoras de telecomunicações no Comitê Gestor da Internet.

Revista Abranet 17 . Julho/Agosto 2016
Veja a Revista Abranet nº 17 A Internet que temos no Brasil é a que podemos ter. Planejamento é a melhor estratégia para sobreviver à crise. ISPs: ataques de negação de serviço entre os mais comuns, mas não os únicos.
E mais...
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2016 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G