NEGÓCIOS

Associações comerciais se unem para baratear custo da certificação digital

Luís Osvaldo Grossmann ... 12/03/2012 ... Convergência Digital

As associações comerciais do país estão se transformando em Autoridades de Registro com o objetivo de disseminar o uso do certificado digital entre as micro e pequenas empresas do país. O principal trunfo é a oferta de certificados por valores abaixo dos praticados no mercado.

Segundo a Confederação das Associações Comerciais e Empresariais do Brasil (CACB), o movimento também é importante para a própria sustentação econômica das entidades, na forma da prestação de serviços.

“Temos o sistema computacional, temos a legislação. Falta a certificação digital conquistar os corações e mentes dos brasileiros”, sustentou o presidente do Instituto Nacional de Tecnologia da Informação (ITI), Renato Martini. Segundo ele, as associações rapidamente poderão virar os principais emissores da identidade digital.

Para isso, a CACB firmou um convênio com a Certisign para a emissão de certificados a pessoas físicas (e-CPF) e jurídicas (e-CNPJ). Os valores cobrados nesses certificados, com prazo de 12 a 18 meses, variam de R$ 160 e R$ 189.

Nesta segunda-feira, 12/3, representantes dos 27 estados foram a Brasília para mais um treinamento e restou evidente que ainda sobram dúvidas sobre a utilidade da ferramenta. Em alguns casos, acredita-se que o certificado digital poderia substituir todos os demais documentos.

O objetivo, de acordo com o coordenador nacional do Programa de Geração de Receitas e Serviços da CACB, Luiz Antônio Bortolin, é a formação de uma rede de 2,3 mil associações comerciais capazes de prestar esse tipo de assistência aos empresários, como a própria emissão do certificado.


Soluções de Segurança para a Sociedade
Olhou. Gostou. Pagou!

Tecnologia de reconhecimento facial como meio de pagamento está sendo testada no Japão.

TICs em Foco - TRANSFORMAÇÃO DIGITAL
Prever. Prevenir. Detectar e Responder

Essas são a exigência da remodelagem da gestão de riscos e da segurança organizacional nas corporações.

Abinee: Indústria já reclama de recuo do dólar frente ao Real

Segundo a entidade, queda de 22% das exportações de eletroeletrônicos em julho – e de 13,4% no primeiro semestre – “decorre da falta de confiança das empresas em vender seus produtos no mercado externo, face à instabilidade do real frente ao dólar”. Patamar médio do dólar passou de R$ 3,70 para R$ 3,20.

Indústria de eletroeletrônicos dá sinais de reação

Junho apresentou o quarto mês consecutivo de aumento da produção, mas Abinee ainda calcula redução de 7% em 2016. 

Mais da metade das empresas de eletroeletrônicos vende menos que esperado

Nova sondagem de conjuntura da Abinee aponta alguma melhoria nas expectativas dos empresários, com fabricantes de bens de informática e celulares apostando em vendas melhores no segundo semestre.

Despesas mundiais com TI não crescem em 2016

Segundo levantamento do Gartner, depois de recuo de 0,5% no último trimestre, tendência é de que investimentos no setor permaneçam estáveis este ano, em relação a 2015, mantendo-se em cerca de R$ 11 trilhões. 



  • Copyright © 2005-2016 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G