SEGURANÇA

Sem governança, corporações pecam no combate aos cibercriminosos

Da redação ... 02/03/2012 ... Convergência Digital
Os crimes na Web provocam sérios danos de reputação e financeiro as corporações mundialmente, mas o controle das ações dos cibercriminosos segue sendo falha nas empresas, revela pequisa Carnegie Mellon CyLab Governance 2012 sobre como presidentes e executivos de alto escalão gerenciam riscos cibernéticos mostram que estes não têm dado a atenção necessária ao assunto. A pesquisa, patrocinada pela RSA, divisão de segurança da EMC, é a terceira realizada pelo CyLab Carnegie Mellon e a comparação com os resultados de 2008 e 2010 revelam as recorrentes falhas na governança corporativa.

Baseada na lista Forbes Global 2000, a pesquisa de 2012 representa a primeira análise de governança cibernética de grandes corporações ao redor do mundo. Uma das descobertas mais importantes é que presidentes e altos executivos ainda não estão engajados em atividades chaves de supervisão, tais como definir políticas de alto nível e revisar o orçamento destinado a proteção para minimizar violações e perdas financeiras. Embora existam algumas melhorias nas principais práticas regulares de governança, menos de um terço dos entrevistados indica que seus superiores realizam funções básicas de governança cibernética.

Mesmo com os avanços mostrados na formação do grupo de integrantes dos comitês de risco e equipes organizacionais dentro das empresas, quase metade dos entrevistados disse que suas companhias não possuem pessoas exclusivas nas funções de segurança e privacidade e 58% disseram que os responsáveis não revisam a cobertura do seguro contra riscos cibernéticos.

Para ajudar as empresas a melhorarem a privacidade e a segurança da governança corporativa, as mais avançadas descobertas da pesquisa incluem recomendações para que as companhias realizem atividades de governança, tais como:

Estabelecer as prioridades de privacidade e segurança dentro das políticas de alto nível.

Revisar funções e responsabilidades de privacidade e segurança e certificar que elas estão nas mãos de profissionais altamente qualificados e que os riscos e as responsabilidades são devidamente divididos com toda a organização.

Assegurar um fluxo contínuo de informação para os responsáveis sobre privacidade e riscos, incluindo acidentes cibernéticos e violações.

Rever anualmente a verba destinada à segurança e privacidade de TI, separada da verba do CIO.

Conduzir revisões anuais do programa de segurança da empresa e a eficácia dos controles, revisar os resultados e garantir a abordagem de lacunas e deficiências. e:

Avaliar a adequação do perfil da cobertura do seguro cibernético contra riscos.


São Paulo e Rio lideraram ataques cibernéticos na Olimpíada

Mais de 10 milhões de malware foram bloqueados no Brasil durante o período dos Jogos. Governo foi alvo máximo dos hackers.

Brasil fica entre os países mais afetados pela extorsão online

Os golpes de e-mails corporativos já superam a casa dos US$ 3 bilhões. Pedidos de resgates também aumentam e acendem o sinal amarelo nas empreass.

Trojan brasileiro usa boleto falso de operadora para atacar internautas

Batizado como Windows PowerShell, o malware não ataca apenas o Internet Explorer. Ele também atinge outros navegadores como o Chrome e o Firefox. O Brasil é um dos países mais afetados por trojans bancários no mundo.

Governo abandona auditoria de software como medida contra espionagem

A decisão de exigir uma cláusula nos editais de licitação para a realização de auditorias no código-fonte de software praticamente não foi cumprida pelos gestores públicos.



  • Copyright © 2005-2016 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G