Home - Convergência Digital

Fim do subsídio dos smartphones provoca estrago e chinesa Xiaomi desiste do Brasil

Ana Paula Lobo* - 30/05/2016

O megalançamento, realizado em junho passado, não trouxe o resultado esperado. Menos de um ano depois, a chinesa Xiaomi jogou a toalha e descontinuou a fabricação de smartphones no país - tinha um acordo de terceirização com a Foxconn. Fabricante decidiu ainda que não vai mais lançar novos aparelhos e transferiu boa parte da equipe para a China.

O brasileiro e VP Internacional da Xiaomi, Hugo Barra, no entanto, diz que a decisão não é um 'abandono' do mercado brasileiro. Em entrevista ao Android Pit, ele admite que a empresa vai manter a atuação com dois  modelos de entrada Redmi 2 e Redmi2 Pro. Não haverá o lançamento de novos terminais.

E a decisão se apoia, segundo Barra, em duas decisões governamentais: “as mudanças constantes nas regras de fabricação e na tributação para as vendas via e-commerce no Brasil no final de 2015”. Segundo ainda o executivo, a Xiaomi iniciará um programa beta junto aos consumidores brasileiros com a intenção de receber feedback para decidir quais serão os próximos lançamentos da empresa por aqui.

As duas versões do Redmi 2 continuarão sendo vendidas no país, mas de maneira totalmente diferente do que previa o modelo da empresa quando chegou por aqui, que privilegiava apenas a venda direta pela sua loja on-line. Em vez disso, os dispositivos ficarão disponíveis por meio das parcerias locais da Xiaomi, que inclui a Vivo e uma variedade de redes de varejo.

A decisão envolveu ainda a transferência dos setores de Marketing e Social Media do Brasil para Pequim, a Xiaomi ficará basicamente apenas com uma presença virtual em nosso país com a manutenção das seguintes áreas: e-commerce, suporte ao cliente, assistência técnica, logística, finanças e gerência geral.

Mas é fato também que a Xiaomi acreditou que replicaria no Brasill o seu modelo - sem participação das teles e com venda direta pela Internet- sem dificuldades. E isso não aconteceu. A venda pela Internet foi conturbada - os parceiros tiveram dificuldades de infraestrutura e muitos usuários reclamaram da lentidão. E ficar fora do varejo e das operadoras não deu certo. A Xiaomi recapitulou e fechou acordos comerciais. Mas o projeto ficou abalado.

*Com agências internacionais

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

23/09/2020
No Brasil, 86,3% dos streamings são vistos em smartphones

08/09/2020
Mercado celular despenca 30,7% no 2º trimestre

03/03/2020
Smartphones: Huawei abre distância da Apple e se aproxima da Samsung

07/02/2020
Apple é multada por reduzir desempenho de iPhones antigos

14/01/2020
Mercado cinza de celulares dispara 537% no Brasil

05/12/2019
Mercado cinza de smartphones explode e cresce 500% no Brasil

22/10/2019
Chinesa Xiaomi promete lançar 10 celulares 5G em 2020

25/09/2019
Celulares mais simples vendem como nunca no 2º trimestre

28/08/2019
Smartphones receberam seis tentativas de ataques por minuto na América Latina

01/08/2019
Brasileiro elege o smartphone como meio digital para fazer transação bancária

Destaques
Destaques

Conexão no campo pode render até R$ 50 bilhões em dois anos

Estudo do Ministério da Agricultura e Pecuária (MAPA) revela que, hoje, faltam quase 15 mil antenas e torres para ofertar o serviço necessário para a digitalização do agronegócio. Os números foram revelados no Painel Telebrasil 2020.

Vitor Menezes, Minicom: Vamos brigar por um leilão 5G não arrecadatório

O Ministério das Comunicações sinalizou às operadoras que trabalha para convencer os colegas de Esplanada a concentrar os valores envolvidos no leilão do 5G em compromissos de cobertura, minimizando o preço a ser pago ao Estado, afirmou o secretário de Telecomunicações, Vitor Menezes, ao participar do Painel Telebrasil 2020.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Internet 5G traz disrupção para Telecomunicações até no modelo de negócio

Por Eduardo Grizendi*

Na RNP, estabelecemos um objetivo estratégico ambicioso – o de prover uma ciberinfraestrutura, segura, de alto desempenho e disponibilidade e, ao mesmo tempo, ubíqua, onipresente, em qualquer lugar e a qualquer hora, para nossas comunidades de educação, pesquisa e inovação.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site