Home - Convergência Digital

Quem são os novos CIOs, CDOs e CTOs na TI brasileira?

Convergência Digital - Carreira
Convergência Digital* - 06/05/2019

A carreira executiva em TI está ganhando maior projeção e importância por conta da transformação digital. O mercado, observa o headhunter da da Yoctoo, Diego Barbosa, precisa de profissionais para gerenciar os processos tecnológicos, que entendam a relevância da tecnologia para a operação da empresa e que também saibam liderar pessoas. Essa visão estratégica com perfil executivo e liderança não são características facilmente encontradas nos profissionais da área, tornando o recrutamento desses profissionais uma demanda para consultorias especializadas.

No mercado nacional, sustenta Barbosa, existem três diferentes cargos executivo na área de tecnologia. Cada um deles exige perfis diferentes e são demandados por um tipo de empresa. Entenda a diferença entre CIOs, CDOs e CTOs.

CIO - Chief Information Officer: Esse profissional é o head na área de tecnologia em empresas tradicionais, ou seja, as organizações que ainda não possuem uma estrutura ágil para o negócio. São empresas que utilizam a tecnologia como ferramenta em alguns processos, mas que ainda não assimilaram a digitalização em todos os níveis, muito menos implementaram metodologias ágeis aos processos da empresa. São empresas onde a tecnologia é uma ferramenta importante, mas não se aproxima do core business.

Para quem respondem: O CIO responde diretamente para a presidência e, portanto, precisa ter visão estratégica de longo prazo e profundo conhecimento sobre o mercado de atuação da empresa e sobre o negócio.

Principais habilidades: Liderança também é uma habilidade básica para esse profissional, já que a gestão de pessoas é uma tarefa constante dele. E, mesmo não sendo um cargo recente, o CIO está ganhando muita projeção nos últimos anos. O profissional dessa área se diferencia pela real capacidade de penetrar o negócio, discutir com os pares de alta gerência de maneira estratégica e pela real capacidade de tornar-se um business partner.

CDO - Chief Digital Officer: Esse profissional é líder de transformação digital em empresas tradicionais, ou seja, aquelas que não possuem a tecnologia no core business, mas estão buscando internalizar as metodologias ágeis nos processos do negócio. Ele tem uma missão transformacional de fazer a tecnologia e seus conceitos permearem toda a empresa. Promover essa mudança é o grande desafio e, à medida que isso se torna uma realidade, o executivo ganha ainda mais responsabilidades e relevância para a organização.

Para quem responde: O CDO responde diretamente para a alta gerência. Ele tem responsabilidade sobre o resultado da área e, muitas vezes, é o responsável pelo desenvolvimento de novos canais da empresa. Lançamento de um e-commerce, canais interativos com o usuário, criação de aplicativos, entre outras frentes tecnológicas. É um profissional que precisa transitar entre a área de negócios e tecnologia de maneira muito natural e ágil.

Principais habilidades: Uma habilidade muito importante é o poder de influência, pois ele tem que defender novos projetos em um board de executivos com um mindset tradicional. Outra habilidade inerente é a capacidade analítica dos dados, bem como a capacidade de tomar decisão.

Esse é um cargo muito recente, que tem entre 5 e 10 anos. Está crescendo em um ritmo acelerado, já que cada dia mais as empresas estão atentas à necessidade de se digitalizar. O profissional dessa área se diferencia pela sua capacidade consultiva, por sua resiliência em transitar de negócios para tecnologia e por seu profundo conhecimento em cultura ágil.

CTO - Chief Technology Officer: Esse profissional é head da área de tecnologia em empresas onde o core business é digital, ou seja, empresas que já nasceram dentro do conceito de startup, que tem estruturas mais horizontais e são exponenciais. O papel desse profissional é garantir que a atividade core da empresa esteja funcionando de maneira constante e com excelência, além de ter responsabilidade de aprimorar as funcionalidades e evoluir o produto.

Para quem responde: O CTO responde diretamente para a presidência. Essa proximidade e sinergia com o business torna esse profissional tão importante quanto o CEO.

Principais habilidades: Liderança é a soft skill mais importante desse profissional. O profundo conhecimento técnico e a vivência de carreira nas áreas de desenvolvimento são inerentes ao perfil. Geralmente, são profissionais que construíram uma carreira linear em tecnologia, principalmente em desenvolvimento/engenharia de software. Essa profissão nasceu junto com as startups e a demanda do mercado por profissionais com esse perfil cresce com o aumento de empresas com base tecnológica. São profissionais que se diferenciam por sua carreira técnica, visão de negócios, capacidade analítica, visão de dono e liderança.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

13/06/2019
Senai faz acordo com AWS para ensinar tecnologia a 2,5 milhões de alunos

10/06/2019
Plataforma gratuita CODE-IoT da Samsung qualifica mais de 50 mil pessoas no Brasil

16/05/2019
Assespro é contra a regulamentação da profissão de TICs

10/05/2019
Startup de Curitiba cria plataforma gratuita com mais de 77 cursos diferentes

06/05/2019
Quem são os novos CIOs, CDOs e CTOs na TI brasileira?

02/05/2019
São Paulo, Santa Catarina e Rio Grande do Sul lideram a busca por profissionais de TI

18/04/2019
Ciência na Escola terá R$ 100 milhões para formar cientistas

12/04/2019
O profissional do futuro de TI é alguém que ninguém conhece

09/04/2019
TICs podem formar 1 milhão a cada quatro anos com recursos já existentes

01/04/2019
Inteligência emocional faz a diferença na escolha do profissional de TIC

Veja mais artigos
Veja mais artigos

O futuro do trabalho colocado à prova

Por Luiz Camargo*

Novas profissões exigem também novas habilidades para acompanhar a revolução digital. Os novos empregos certamente irão demandar habilidades analíticas, matemáticas e digitais, com um toque de neurociência.

Destaques
Destaques

Falta de mão de obra qualificada espanta investidores no Brasil

Mais de 50% dos jovens brasileiros podem ficar fora do mercado de trabalho por falta de qualificação e de habilidades digitais. A advertência foi feita por especialistas que debateram sobre educação e capacitação digital no Painel Telebrasil 2019.

Assespro é contra a regulamentação da profissão de TICs

Entidade das empresas de TI se posiciona contrária ao PLS 317/17. que passa a exigir diploma de profissões como Analista de Sistemas, desenvolvedor, engenheiro de sistemas, analistas de redes, administrador de banco de ados, suporte e profissões correlatas.

Mais de meio milhão de brasileiros trabalham com TICs

Raio-X do mercado de trabalho nos últimos 10 anos, feito pela Softex, mostra que o salário médio de R$ 6 mil.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site