Home - Convergência Digital

Igualdade de gênero é uma mentira. Mulheres vão levar 202 anos para ganhar igual aos homens

Convergência Digital* - 08/03/2019

Não há muito o quê comemorar, do ponto de vista profissional, neste 08 de março, Dia Internacional da Mulher. A diferença salarial entre mulheres e homens “é tão grande que levará 202 anos para ser completamente sanada”, segundo informa o Fórum Econômico Mundial (FEM). Ao redor do mundo, as mulheres recebem em média 63% do salário dos homens pelo mesmo trabalho. Apesar dessa disparidade ter diminuído de 2017 para 2018, o ritmo de mudança ainda está “muito lento”, diz a entidade. “O quadro geral é de que a igualdade de gênero estagnou. O futuro do nosso mercado de trabalho pode não ser tão igual quanto pensávamos em nossa trajetória”, disse Saadia Zahidi, diretora das agendas sociais e econômicas do FEM.

Como mostra o relatório divulgado em dezembro, não existe um único país no mundo em que as mulheres sejam pagas com o mesmo salário dos homens. Dos 149 países, o Brasil ocupa a 92ª posição no ranking de igualdade salarial. Aqui, em média, as mulheres recebem 26% a menos que os homens (74% do salário), segundo o levantamento. Em termos de participação política, o Brasil recebeu nota 0,1, correspondente ao 112° lugar no ranking. Apenas 17 dos 149 países possuem uma mulher como chefe de estado. Segundo o Fórum Econômico Mundial, essa diferença levará cerca de 107 anos para ser sanada.

O IBGE confirma os dados globais. Além de terem mais dificuldade de conseguir emprego, as mulheres ainda recebem salários mais baixos do que os homens no mercado de trabalho. A renda média de um trabalhador adulto do sexo masculino é 26% maior do que o de uma mulher na mesma faixa etária. Os dados são do Estudo Especial sobre Diferenças no Rendimento do Trabalho de Mulheres e Homens nos Grupos Ocupacionais com base nas informações levantadas pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), apurada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

No ano de 2018, o rendimento médio das mulheres ocupadas com idade entre 25 e 49 anos foi de R$ 2.050, o equivalente a 79,5% da remuneração recebida pelos homens, de R$ 2.579. Dependendo da profissão escolhida, as mulheres chegam a receber menos da metade, como é o caso de engenheiros de minas, metalúrgicos e afins, em que homens recebem um salário médio de R$ 11.922,40, contra uma remuneração média de R$ 5.000 recebida pelas mulheres na mesma profissão. A diferença é ainda maior no caso de engenheiros eletrônicos, com salário médio de R$ 12.218,80 para homens e R$ 4.000 para mulheres no mesmo cargo.

Entre os Profissionais das ciências e intelectuais, as mulheres tinham participação majoritária, 63,0% deles, mas recebiam apenas 64,8% do rendimento dos homens no mesmo cargo. As mulheres são a maioria na população em idade de trabalhar no Brasil, 52,4% das pessoas nessa faixa etária no quarto trimestre de 2018, mas se mantiveram como a maior parte da população que estava fora da força de trabalho (64,7%).

*Com Info Money e IGBE

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

08/07/2020
Programa brasileiro de capacitação digital para a economia 4.0 abre inscrições

07/07/2020
Empresa de transformação digital abre 200 vagas para seu Programa de Estágio 2021

02/07/2020
Startup oferece 20 mil bolsas de estudos gratuitas para computação em nuvem

29/06/2020
DELL Technologies oferece três mil vagas para cursos online gratuitos por EaD

26/06/2020
Empresa de cibersegurança oferece cursos on-line gratuitos no Brasil

15/06/2020
IGTI tem mais de seis mil bolsas subsidiadas para TI

08/06/2020
Covid-19: Brasil sabe fazer software para 'jogar o jogo' global do digital

08/06/2020
LABData-FIA lança Pós-Graduações e MBAs de Big Data e Inteligência Artificial totalmente online

05/06/2020
Emprasa de TI cria trilhas online gratuitas para certificação Microsoft

03/06/2020
TOTVS abre 10.900 vagas para aulas 100% online e gratuitas

Recrutadores e a dura tarefa de contratar cientistas de dados

O maior gargalo é encontrar profissionais adequados às demandas das empresas e o Brasil, hoje, é um exportador de talentos para outros países.

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Seis dicas para formar uma equipe de trabalho resiliente

or Craig Mackereth*

Formar uma equipe ou força de trabalho resiliente não é tarefa que se execute da noite para o dia. Tampouco é possível tornar uma equipe verdadeiramente resiliente se isso ainda não estiver integrado ao DNA da empresa.

Destaques
Destaques

Teletrabalho: medo de perder emprego cria obrigação de ficar 100% online

Pesquisa do LinkedIn aponta que 68% dos brasileiros têm trabalhado de uma a quatro horas a mais por dia por conta de estarem em home office. Maior parte reclama de ansiedade e estresse. Maioria também reclama da ausência dos colegas de trabalho, mas 43% se sentem mais produtivos com o trabalho remoto.

TST suspende demissões na Dataprev enquanto durar crise da Covid-19

Trabalhadores alegaram que os prazos acordados no fim da greve não terão como ser integralmente cumpridos diante da situação emergencial com a epidemia do coronavírus. 

TST: Teletrabalho tem de respeitar os contratos vigentes

Corte aponta, no entanto, que em situações emergenciais, como a atual crise da Covid-19, a adoção da jornada online temporária prescinde formalização, mas deve respeitar leis trabalhistas. 

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site