INTERNET

Com medo dos EUA, Europa adia planos de imposto para internet

Convergência Digital* ... 06/11/2018 ... Convergência Digital

Os governos da União Europeia estão divididos sobre um plano de taxar o volume de negócios de gigantes de internet como Google, da Alphabet, e Facebook, temendo retaliações dos Estados Unidos, e podem adiar sua aplicação até que um acordo global seja alcançado, disseram autoridades na terça, 6/11.

Pela proposta apresentada em março pela Comissão executiva da UE, os países-membros cobrariam uma taxa de 3% sobre as receitas digitais de grandes empresas acusadas de evitar impostos, direcionando seus lucros para países do bloco com impostos mais baixos. Mas o plano, que exige o apoio de todos os 28 Estados da UE, é combatido por um grande número deles.

O esforço da Comissão para criar um sistema para garantir que as empresas de internet paguem uma taxa adequada está sendo executado paralelamente a um estudo sobre o assunto pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), buscando uma abordagem multilateral.

“É muito difícil ver um acordo sobre o imposto digital porque muitas questões técnicas ainda não estão resolvidas”, disse o ministro das Finanças dinamarquês, Kristian Jensen, a repórteres durante uma reunião com seus pares do bloco.

Ele acrescentou que o imposto proposto pela UE foi criado de uma maneira que atingisse principalmente as empresas norte-americanas e, portanto, atrairia retaliações dos EUA. “É claro que haverá uma reação dos EUA”, disse ele, dizendo que o imposto “não é uma boa ideia para a Europa”.

Suas declarações ecoaram comentários feitos por diplomatas de vários estados da UE, incluindo Alemanha, Suécia, Irlanda e Malta, em uma reunião na semana passada, de acordo com funcionários da UE.

A França, que por muito tempo tem sido a principal apoiadora do imposto, sugeriu nesta terça-feira que poderia apoiar um prazo maior para implementar um novo sistema tributário, para que a OCDE possa concluir sua análise.

Estados da UE estão discutindo duas opções colocadas na mesa pela Comissão Europeia. O plano mais ambicioso implicaria um movimento unilateral da UE e é rejeitado por vários membros do bloco europeu. A segunda opção, que até agora foi marginalizada, revisaria as regras tributárias para que as taxas pudessem ser impostas às empresas com base em sua “presença digital” em cada Estado. Esta opção levaria mais tempo para ser aplicada e estaria alinhada com o trabalho da OCDE.

* Da Reuters


Europa busca consenso para taxar gigantes da Internet

Uma nova proposta costurada por Alemanha e França reduz o escopo da cobrança para mirar apenas nas receitas com publicidade.

5G exige rediscussão imediata da neutralidade de rede

"Serão novas e tão diferentes aplicações, e algumas até podem fazer a diferença entre a vida e a morte. A questão da neutralidade precisa ser encarada agora no mundo e aqui no Brasil", sustenta o diretor da 5G Americas e de Relações com o Governo da Ericsson Brasil, Tiago Machado.

Serviço de streaming de esporte chega ao Brasil e usa YouTube e Facebook

A DAZN inicia oferta comercial em março do ano que vem e terá exclusividade da Copa Sul-Americana de 2019. Modelo de negócio é por curto prazo e por partida transmitida. Empresa, especializada em esportes, tem atuação na Europa, EUA e Ásia

Associação de OTT quer Autoridade de Dados tratada na transição do governo Bolsonaro

Associação Brasileira de OTT diz que a criação da autoridade poderá ficar prejudicada após a intensa mudança de quadros no Executivo e Legislativo o que poderá prejudicar a aplicação efetiva da Lei de Dados Pessoais em 2020.

Só 27% dos que usam smartphones se sentem no controle dos dados pessoais

Pesquisa em 10 países, inclusive no Brasil, aponta que os sucessivos casos de vazamentos e novas leis de proteção da privacidade despertaram a preocupação com dados pessoais e 76% tentam protegê-los.

Revista Abranet 26 . nov-dez 2018 / jan 2019
Veja a Revista Abranet nº 26 Estudo da Abranet revela a existência de um universo díspar entre os prestadores, o que impõe desafios à regulamentação mínima necessária para manter o mercado estruturado e o limite aceitável para a sobrevivência das empresas.
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G