INTERNET

Justiça manda YouTube remover ofensas a Marielle Franco, mas nega varredura

Luís Osvaldo Grossmann ... 25/09/2018 ... Convergência Digital

A 47ª Vara Cível do Rio de Janeiro confirmou liminar que obrigava o YouTube a remover vídeos sobre a vereadora Marielle Franco (Psol), assassinada em março deste 2018. Como resultado, a plataforma foi obrigada a retirar os vídeos difamatórios indicados. Mas a Justiça negou pedido de monitoramento constante contra novos conteúdos ofensivos.

“Não obstante o reconhecimento da importância e densidade dos argumentos das autoras (...) não há como reconhecer o dever jurídico da ré de atuar previamente para impedir futuros ataques à pessoa de Marielle e ao honroso trabalho realizado por ela enquanto viva. (...) O Marco Civil da Internet estabelece expressamente a atuação ‘a posteriori’ dos provedores, ao exigir a identificação da URL e a ordem judicial para exclusão de seu conteúdo”, conclui a juíza Marcia Correia Hollanda, em decisão datada de segunda, 24/9.

Anielle Franco e Mônica Benício, irmã e companheira de Marielle Franco, pediram à Justiça que o YouTube removesse vídeos que associavam a vereadora assassinada a Marcinho VP, condenado por tráfico de drogas. Segundo indicaram no processo, a partir do recebimento de denúncias elas mapearam 40 vídeos com conteúdos criminosos, que totalizaram 13,4 milhões de visualizações na plataforma.

Ainda em liminar, o TJRJ acatou o pedido e determinou a exclusão de vídeos indicados pelas autoras do processo. Mas elas pediram, adicionalmente, que o Google fosse obrigado a criar um link específico a ser apresentado em todos os resultados de buscas que envolvessem o nome da vereadora e do traficante. E também pleitearam que fossem removidos futuros eventuais vídeos com calúnias contra Marielle Franco.

A estes pleitos a juíza não atendeu. De um lado, considerou que “grupos de apoio à vereadora, seus familiares e milhares de amigos conseguiram se organizar e mostrar de forma bastante eficaz, sem auxílio do Poder Judiciário, as inverdades que foram veiculadas, desacreditando-as absolutamente”. Também apontou, como, já visto, que não é possível determinar o monitoramento prévio de conteúdos.

Lembrou, porém, “que o réu tem o poder de estabelecer políticas internas para a utilização de seus serviços e deve, sempre que verificada sua violação, atuar administrativamente para a exclusão do conteúdo, sob pena de responsabilização por falha na prestação do serviço se comprovada sua omissão, tudo através de demanda própria”.


Empresa americana, dona do Bolsomito 2k18, comunica à Justiça o fim da venda do game

O game tinha o então candidato à presidência, Jair Bolsonaro. O personagem ganhava pontos ao espancar e matar mulheres, negros, parlamentares e integrantes de movimentos sociais e da comunidade LGBT.

Dados Pessoais: Google recebe punição máxima de 50 milhões de euros na França

A Regulação de Proteção Geral de Dados (GDPR), em vigor desde maio do ano passado na União Europeia, vira pesadelo para as companhias de Internet.

Anatel impõe ofertas obrigatórias de conexão em apenas seis PTTs

Pontos de troca de tráfego escolhidos são os de São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Fortaleza, Curitiba e Brasília. A decisão afeta Oi, Telefônica, Claro, TIM e Algar.

Perícia digital: Disputa judicial exige mais prazo de armazenamento de dados

"Conflitos judiciais levam mais tempo que o exigido das empresas para armazenamento das informações. Com dados, não há anonimato na Internet", observa João Alberto Matos, do Pio Tamassia Advocacia. Fake News e perfis falsos nas redes sociais mobilizam a maior parte das perícias digitais.

MPF investiga Facebook por prestar informação falsa e descumprir ordem judicial

Para o Ministério Público, “a atitude mostra desrespeito aos Poderes da República Federativa do Brasil". Facebook tem 30 dias para dar esclarecimentos.

Revista Abranet 26 . nov-dez 2018 / jan 2019
Veja a Revista Abranet nº 26 Estudo da Abranet revela a existência de um universo díspar entre os prestadores, o que impõe desafios à regulamentação mínima necessária para manter o mercado estruturado e o limite aceitável para a sobrevivência das empresas.
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G