Home - Convergência Digital

Falta de espectro e de harmonização ameaçam 5G na América Latina

Convergência Digital - Carreira
Ana Paula Lobo e Rodrigo Pahim - 18/10/2018

A falta de radiofrequências disponíveis é a maior barreira para que os países avancem para a nova geração da telefonia móvel. Como alerta o diretor da 5G Americas para a América Latina e o Caribe, Jose Otero, enquanto o Brasil se encontra em posição privilegiada, a realidade para a imensa maioria dos demais países é de escassez de espectro.

“O principal problema na América Latina e Caribe é a falta de espectro em vários mercados. Enquanto no Brasil o espectro destinado às operadoras supera os 600 MHz, a média da região é de apenas 300 MHz, sendo que na América Central é de ainda menos, 200 MHz. Ou seja, não há espectro suficiente para serviços de segunda ou terceira geração e já estamos falando da quinta geração, que precisa suportar maiores quantidades de tráfego porque haverá muito mais dispositivos conectados”, afirmou Jose Otero durante o Futurecom 2018, evento realizado de 15 a 18 de outubro, em São Paulo.

Ele lembrou que, no caso brasileiro, a Anatel já indicou que pretende destinar as faixas de 3,5 GHz e 26 GHz, por exemplo, para o 5G. “Brasil, Colômbia e México estão mais adiantados que o resto da região. O que foi apresentado pela Anatel está muito à frente da grande maioria dos países latino-americanos/caribenhos. Não temos, portanto, como falar em harmonização na região quando temos três países trabalhando fortemente, participando da UIT, da Citel, e sendo voz ativa sobre como entendem a harmonização, enquanto os outros 32 países não estão fazendo isso. O resto deve se agrupar nas frequências que esses países escolherem.”

O diretor da 5G Americas destacou também que, diferentemente de outras ondas tecnológicas, a quinta geração exige um perfil diferente de espectro. “Enquanto 2G, 3G e 4G exigiam especialmente bandas mais baixas, abaixo de 3 GHz, em 5G estamos falando de bandas médias, como 5,8 GHz, ou bandas altas, como 26 GHz no caso do Brasil. Em bandas baixas, os blocos designados são de 20 MHz, como é o caso dos 700 MHz. Quando tratamos de bandas altas, os blocos são muito mais extensos. Por exemplo, na licitação de novembro nos Estados Unidos, são três blocos na banda de 28 GHz, de 425 MHz cada um. Depois será a banda de 24 GHz, com sete blocos de 100 MHz cada um. São mais extensos para serem capazes de suportar todo o tráfego adicional."

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

22/03/2019
Oi testa 5G na faixa de 3,5GHz em Búzios, no Rio de Janeiro

21/03/2019
Anatel incluiu a faixa de 26GHz no leilão do 5G

11/03/2019
4G da Oi leva Internet e comunicação à estação brasileira da Antártica

11/03/2019
Para Ericsson, 5G vai fazer acontecer, de verdade, a indústria 4.0

07/03/2019
5G vai gerar 15 milhões de novos empregos até 2025

07/03/2019
Preço alto e falta de celulares levam Coreia a adiar lançamento do 5G

01/03/2019
Korea Telecom: 5G reconstrói os negócios com o mercado B2B

01/03/2019
Mais que frequência, 5G exige muita fibra e muita nuvem

27/02/2019
5G em faixa milimétrica trará pelo menos R$ 37 bilhões ao Brasil até 2024

27/02/2019
Anatel agenda leilão do 5G para março de 2020

Destaques
Destaques

Para Ericsson, 5G vai fazer acontecer, de verdade, a indústria 4.0

Presidente da fabricante para a América do Sul, Eduardo Ricotta, diz que uma operadora com 50 Mhz a 80 Mhz terá espectro para oferecer bons serviços, especialmente, o da banda larga fixa móvel. "Há cidades no Brasil, com menos de 100 mil habitantes, com conexões de 2 Mbits. O 5G vai chegar oferecendo bem mais", observa.

5G vai gerar 15 milhões de novos empregos até 2025

O ecossistema 5G está em ebulição e demandará muita mão de obra, afirma o diretor da Huawei, Carlos Roseiro. Segundo ele, vão surgir aplicações, muitas ainda inimagináveis, nos próximos seis anos. "O 5G começa hoje. A frequência virá para dar mais capacidade", observa o especialista.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Desvende 10 mitos sobre os cartões biométricos

Por Cassio Batoni*

Como toda nova tecnologia, os questionamentos sobre a sua segurança e e a sua confiabilidade ainda existem e são compreensíveis, mas ela veio para ficar. A impressão digital surge como a confirmação principal de que o usuário é quem diz ser.


Copyright © 2005-2019 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site