INTERNET

Google reforça ações contra ‘fake news’ nas eleições, mas só dos EUA

Luís Osvaldo Grossmann ... 03/02/2020 ... Convergência Digital

A Google anunciou nesta segunda, 3/2, reforço em medidas para combater a disseminação de informações falsas em suas plataformas, como Google Ads, Google Play e no YouTube em ano eleitoral. O anúncio, publicado no blog da empresa pela vice-presidente de ‘Confiança e Segurança’ Kristie Canegallo, vale só para as eleições dos Estados Unidos. Para o Brasil, onde igualmente é ano de ir às urnas, mas para eleições municipais, não há nada no horizonte. 

Segundo a postagem da VP, o grupo “desenvolveu políticas que proíbem práticas enganadores e abusivas, como supressão de eleitores e deturpação, em nossos produtos, incluindo Google Ads, YouTube ou Google Play”. Procurada por esta Convergência Digital, a representação da Google no Brasil respondeu que “o anúncio está limitado às eleições americanas. Não temos nada para anunciar em relação às eleições no Brasil por enquanto”. 

De acordo com o anúncio, o YouTube removerá conteúdo que tenha sido tecnicamente manipulado ou engane o usuário sobre o processo de votação ou faça alegações falsas sobre um candidato.

Segundo a agência Reuters, o YouTube também proíbe certos tipos de declarações falsas em anúncios, como informações incorretas sobre procedimentos eleitorais, elegibilidade de candidato político com base na idade ou local de nascimento ou alegações incorretas de que uma figura pública morreu.


Revista Abranet 30 . fev-mar-abr 2020
Veja a Revista Abranet nº 30 A matéria de capa enfatiza a relevância do engajamento ao mostrar que uma internet mais segura depende da ação conjunta de todos os atores do ecossistema. Tratamos também do leilão das frequências do 5G. Veja a revista.
Clique aqui para ver outras edições

Convenções partidárias para Eleições 2020 podem ser feitas por videoconferência

TSE decidiu que os partidos têm autonomia para utilizarem as ferramentas tecnológicas que entenderem mais adequadas para suas convenções.

Latinos desconfiam de censura em dados sobre a Covid-19

No Brasil, 47% acreditam em controle nas mídias e redes sociais. Abaixo de Espanha (54%), México (59%) e Colômbia (61%). Aqui, a TV teve a preferência para acesso à informação. Nas redes sociais, o Facebook e o WhatsApp empataram com 34%.

STF: Fachin diz que bloqueio do WhatsApp passa pela Autoridade de Dados

Assim como Rosa Weber, que relata a ADI 5527, Edson Fachin defendeu o direito ao uso da criptografia. Julgamento foi suspenso.

MP de Brasília abre inquérito para apurar venda de dados pessoais

Empresa na mira do Ministério Público do Distrito Federal e Territorios (MPDFT) é a Procob S.A. De acordo com a denúncia, essa empresa comercializa relatórios contendo informações como endereço, telefones, e-mails e outros.

TJSP começa com grupo Itaú projeto de citação eletrônica de pessoas jurídicas

Segundo oTribunal, informações técnicas para a participação foram enviadas a diversas instituições, mas por enquanto  somente o grupo financeiro respondeu. 



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G