INTERNET

YouTube usa Câmara e Senado para recomendar canais de ‘fake news’

Luís Osvaldo Grossmann ... 28/01/2020 ... Convergência Digital

Um estudo com base em 241,88 mil vídeos postados entre 2009 e 2019 pela Câmara dos Deputados, Senado Federal e por assembleias legislativas estaduais no YouTube indica que a plataforma parte dos canais considerados “verificados”, ou seja, com credibilidade, para recomendar conteúdos considerados de disseminação de informações falsas, apelidadas de ‘fake news’. 

“Coisas que não poderiam acontecer estão acontecendo, questão de regras que não estão sendo respeitadas. Percebemos que o sistema de recomendação que o YouTube coloca na linha de reprodução automática inclui canais que estão muitas vezes envolvidos na divulgação de notícias falas. Ou seja, coloca na mesma linha de credibilidade desses canais institucionais”, afirma o pesquisador João Guilherme Bastos dos Santos, do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Democracia Digital. 

O estudo avaliou dados de 21,3 mil vídeos da Câmara dos Deputados, 73 mil do Senado e 147 mil de 24 assembleias estaduais. No caso do Congresso Nacional, os 94 mil vídeos somam 19,3 mil horas de conteúdo, com mais de 56 milhões de visualizações, até novembro de 2019. 

“Não é só uma indicação. O padrão do YouTube é a reprodução automática e esses canais de disseminação de informações falsas estão nessa lista. A própria CPI das ‘fake news’ é enviada para um canal que contesta a legitimidade do Congresso. É relevante, uma vez que a audiência estimada do YouTube no Brasil é de 120 milhões de pessoas. Então qualquer viés de direcionamento de audiência tem efeito muito grande”, aponta o pesquisador. 

Na prática, a audiência da plataforma faz do YouTube o segundo “canal” mais assistido no país. A estimativa é que o YouTube detém 15% do share de audiência, atrás apenas da TV Globo, com 18%, e muito acima de qualquer outra plataforma, rede social ou canais abertos, todos abaixo de 6%. 

Segundo Santos, a pesquisa, que foi apresentada ao Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br), busca discutir como dar melhor tratamento à questão. “As TVs da Câmara e do Senado e vários outros sites institucionais são diferentes de canais comerciais, por serem sites institucionais verificados, portanto de fato canais das instituições e espera-se um tratamento diferente para quem subscreveu.”

“A gente sabe que em geral tendem a ser privilegiados vídeos polêmicos. Mas em outros países isso leva a uma série de problemas, como o crescimento de canais terraplanistas nos Estados Unidos. Mas lá houve uma reação forte e, por exemplo, canais antivacina foram retirados do Youtube. Aqui críticas aconteceram, mas não tirou. E enquanto o Facebook baniu uma série de páginas no processo eleitoral, o YouTube não fez o mesmo. Então canais migraram.”


Revista Abranet 30 . fev-mar-abr 2020
Veja a Revista Abranet nº 30 A matéria de capa enfatiza a relevância do engajamento ao mostrar que uma internet mais segura depende da ação conjunta de todos os atores do ecossistema. Tratamos também do leilão das frequências do 5G. Veja a revista.
Clique aqui para ver outras edições

TJ de São Paulo libera intimação pelo WhatsApp

Exceção vale para medidas protetivas de urgências, desde que autorizadas no boletim de ocorrência.

Mesmo maioria, mulheres ganham menos que homens como influenciadoras digitais no Brasil

Pesquisa aponta que nos segmentos de tecnologia, as mulheres ganham, em média, metade do que os influenciadores masculinos. No Sudeste, disparidade média é de 33%. 

Coronavírus: Justiça do Recife celebra casamento por videochamada na Internet

Cerimônia foi realizada por uma chamada de vídeo por celular do juiz da 1ª Vara de Família e Registro Civil da Capital do Recife, Clicério Bezerra.

YouTube e Netflix aderem à redução de qualidade de vídeos no Brasil

YouTube vai passar vídeos apenas em resolução SD no País. Já a Netflix, vai repetir a estratégia da Europa: reduzirá em 25% a quantidade de dados trafegados.

Demonizar a Internet não resolve a falta de educação

O Brasil precisa de mais diálogo e educação na Internet e entender que a rede é um meio. "A falta de civilidade digital é um retrato da nossa sociedade", afirma Caio Almeida, da Safernet.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G