Home - Convergência Digital

Anatel diz ao CADE que compra da Nextel pela Claro respeita limite de espectro

Luís Osvaldo Grossmann - 05/12/2019

A Anatel respondeu ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica que a compra da Nextel pela Claro não viola os limites de espectro que cada operadora móvel pode concentrar no Brasil. Ou seja, que do ponto de vista técnico, a operação está dentro das regras de mercado. 

Órgão antitruste reabriu análise do negócio depois que a TIM criticou a concentração de radiofrequências pelo concorrente. A tele alega que a compra da Nextel, por R$ 3,47 bilhões, deixa a Claro em posição concorrencial indevida na pela concentração de espectro e pede “medidas para limitar, ainda que de forma temporária, a vantagem competitiva que a Claro deterá após a operação”. 

O Cade entendeu que a bronca pode mesmo ter impacto concorrencial e quis saber da agência como se dá a concentração de espectro para faixas de radiofrequência abaixo de 1 GHz e entre 1GHz e 3 GHz, alvos de uma mudança regulatória aprovada ainda no fim de 2018. 

A revisão das regras ampliou os limites e diferenciou-os caso se trate de frequência abaixo de 1 GHz e para aquelas entre 1 e 3 GHz. Nas mais baixas, o limite de concentração passa de 29% para 35% - ou seja, uma mesma operadora pode concentrar até 35% do total de espectro disponível, chegando até a 40% mediante condicionantes que poderão eventualmente ser adotadas. 

Para as faixas do espectro entre 1 GHz e 3 GHz, o limite de concentração passou de 21% para 30%, sendo que da mesma forma será possível autorizar mais, entre 35% e 40%, a depender das circunstâncias. Para as radiofrequências acima de 3 GHz não foi definido limite, ficando essa decisão a critério dos respectivos leilões de espectro.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

10/07/2020
Claro e Banco PAN unem acesso à internet e conta digital para cliente pré-pago

08/07/2020
5G da Claro será na faixa de 2,6 GHz

07/07/2020
Anatel assina com TIM primeira troca de multa por investimentos

02/07/2020
Algar corta TAC pela metade e acordo de multas com Anatel cai para R$ 45 milhões

02/07/2020
Faixa de 1,5 GHz também pode ser destinada ao 5G para uso privado

02/07/2020
Depois da TIM, Vivo e Claro também são multadas em R$ 800 mil

02/07/2020
Anatel abre pregão de R$ 11 milhões para serviços de TI e aposta em novo modelo

02/07/2020
Claro traz 5G com compartilhamento de frequência para o Brasil

24/06/2020
Bloqueado por BC e CADE, WhatsApp quer entrar no PIX, o pagamento instantâneo

22/06/2020
Anatel publica novo regulamento de arrecadação de tributos

Destaques
Destaques

Tempo é um luxo que o Brasil não tem para fazer o 5G

Pesquisa da Omdia, ex-Ovum, em parceria com a Nokia, mostra que, nos próximos 15 anos, o 5G vai gerar R$ 5,5 trilhões para o País, sendo o governo beneficiado com o adicional de quase R$ 1 bilhão em receita com os serviços 5G.

Covid-19 fez smartphone virar agência bancária com 41% das transações financeiras

As transações bancárias feitas por pessoas físicas pelos canais digitais foram responsáveis por 74% do total de operações analisadas em abril, revela a Febraban.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Uma escolha de Sofia no leilão de 5G

Por Juarez Quadros do Nascimento*

Em um país democrático, como o Brasil, sem análise estratégica, não daria para arriscar em dispor, comercial e tecnologicamente, de “uma cortina de ferro ou uma grande muralha” para restringir fornecedores no mercado de telecomunicações.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site