INOVAÇÃO

Intel: Brasil fica fora dos mercados de IA, IoT e 5G se olhar apenas para o 'próprio umbigo'

Ana Paula Lobo ... 28/11/2017 ... Convergência Digital

A Intel está reconstruindo a sua estratégia e busca se redimir dos erros do passado para abrir suas frentes de negócios e ir além dos PCs, que seguem o carro-chefe das receitas. Entram no radar, datacenters, onde a empresa já reúne 30% do market share, Internet das Coisas, 5G e a velha e boa memória para processamento. "Quem acha que memória é produto do passado está muito enganado. Vai se precisar de mais e mais memória para consumir os dados. Há uma tremenda oportunidade pela frente", observou o diretor-geral da Intel Brasil, Maurício Ruiz, em entrevista ao portal Convergência Digital.

Indagado se esse boom por memória poderia, enfim, trazer uma unidade fabril da Intel para o Brasil, Ruiz foi taxativo: Com as atuais regras do jogo, não há como. "Uma fábrica não é feita para atender a demanda de um país. Ela tem de ser global. E o ambiente de negócios no Brasil é muito desafiador. Está na hora de rever a Lei de Informática. O Brasil pode escolher ficar apenas como consumidor de tecnologia, mas deixará de ser um ator do primeiro time. A produção de tecnologia para a exportação é absolutamente necessária", pontuou o executivo.

Há um ano e meio à frente da Intel Brasil e há quase 18 anos na empresa, Maurício Ruiz sabe que a fabricante precisa reparar os erros estratégicos cometidos em telecomunicações para assegurar um lugar de protagonista nos mercados de Internet das Coisas e 5G. "Estamos fazendo a lição de casa. IoT e 5G são cruciais na nossa estratégia na produção de modems e outros dispositivos", afirmou o diretor-geral da Intel. A Olimpíada de Inverno, em 2018, em Seul, em parceria com a SK Telecom, é o desafio da vez no 5G.

Os carros autônomos também são uma iniciativa da Intel. A fabricante participa de várias implantações de carros autônomos, entre eles, o Waymo, da Google. No Brasil, o cenário do carro autônomo está mais distante, mas Ruiz lembra que a maior parte dos carros está saindo das fábricas já L2 e L3. Para ser autônomo, precisa ser L5. "Vai ser mais devagar, mas é uma tecnologia que chegará", projeta o executivo.

A menina dos olhos é a Inteligência Artificial. "Estamos nesse jogo para vencer", decretou Ruiz. Segundo ele, a meta é fazer com que os sistemas se aproximem o máximo possível do ser humano. Questionado se o Brasil está atrasado em Inteligência Artificial, Ruiz disse que decisivamente não. Mas que será necessária uma política de Estado para incentivar Pesquisa e Desenvolvimento no país. "Somos ávidos consumidores de tecnologia. Temos que ir além e fazer tecnologia. Temos a agricultura para crescer. Mas pensamos em soluções de século 20. Já é mais do que hora de virar para o século 21. O Estado tem que ter política pública para as novas tecnologias", completa o executivo. Nesta segunda-feira, 27/11, a Intel promoveu o Intel Press Summit 2017, em São Paulo.


Cloud Computing
BIC faz transformação digital com Salesforce

Multinacional reescreve relacionamento com cliente e obteve um aumento de 90% na velocidade de entrada de pedidos, tempo entre o vendedor registrar o pedido no sistema e ele ser faturado, resultando em uma queda de 24h úteis para apenas 2 horas.

Laura, a IA nacional que já salvou 12 mil vidas, entra no combate ao Coronavírus

Tecnologia será disseminada em todo o Brasil, depois de um acordo com o governo federal. Em setembro do ano passado, no Rio Info 2019, o Convergência Digital entrevistou um dos idealizadores da Laura.

Brasil precisa formar massa crítica de empreendedores para inovação

A posição é defendida pelo CEO da Fábrica de Startups, Hector Simões, que tem como meta se tornar o maior hub de inovação do Rio de Janeiro.

Investimentos em fintechs disparam para R$ 7,6 bilhões no Brasil

Aportes triplicaram puxados pela injeção de R$ 1,9 bilhão no Nubank e R$ 1,6 bilhão no Banco Inter.  Brasil ocupa o quinto lugar entre os maiores centros de captação de fundos de fintechs no mundo.

Governo seleciona entidades para compor GT de propriedade intelectual

Grupo Interministerial de Propriedade Intelectual, originalmente parte da Camex e agora sob tutela do Ministério da Economia, terá 10 representantes da sociedade civil. 

BC cria grupo de trabalho para implantar open banking até novembro

GT será formado por representantes do próprio BC, por associações de Internet como Abranet e Câmara-e.net, Febraban (grandes bancos); Abecs e Abipag (empresas de pagamentos); ABBC (bancos médios); OCB (cooperativas), ABCD e ABFintech (fintechs).



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G