INOVAÇÃO

Atraso para entrega de patentes no Brasil está em 6,6 anos

Convergência Digital* ... 14/11/2019 ... Convergência Digital

O Instituto Nacional da Propriedade Industrial (Inpi) admitiu que existe um estoque de patentes pedidas ainda na fila de espera. O atraso médio, hoje, é de 6,6 anos, diz o presidente do instituto, Claudio Furtado. Segundo ele, com os novos modelos de atuação, os processos já levam, em média, oito meses para serem avaliados.

O acumulo aconteceu, de acordo com Furtado, devido a falta de investimentos em tecnologia e um crescimento no número de pedidos acima da capacidade que o órgão tinha. Para contornar o problema, as avaliações estão sendo feitas levando em consideração os registros feitos em outros países. “Um uso de pesquisas relevante sobre patentes que já estão depositadas e foram concedidas no exterior. Nós não precisamos fazer retrabalho, fazer coisas de novo aqui”, explicou o presidente do instituto. De acordo ainda com o INPI, em 2018, foram depositados 27,4 mil novos pedidos de patentes, sendo que desses, 7,4 mil eram de brasileiros.

Furtado informou ainda que foi mudado até o regime de trabalho dos avaliadores, usando o trabalho remoto, como forma de aumentar a produtividade. “Foram 20 mil casos solucionados em aproximadamente três meses de trabalho”, disse Furtado. A meta é que a partir de 2021 o prazo médio para processamento dos pedidos de patentes seja de dois anos.

As declarações do presidente do INPI aconteceram na assinatura de um termo de cooperação para agilizar os registros de patentes com a Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii). O termo vai priorizar os pedidos feitos pelos núcleos de pesquisa do sistema Embrapii.

Na avaliação do presidente da Embrapii, Jorge Guimarães, a cooperação deve aumentar o interesse das empresas em desenvolverem tecnologias com as unidades credenciadas pela Embrapii. “Isso é uma oferta espetacular para as empresas”, ressaltou após a assinatura do termo. A empresa tem 42 núcleos de pesquisa credenciados no país que recebem fomento para desenvolver pesquisas em parceria com empresas.

O modelo da Embrapii, em que as empresas se tornam proprietárias das patentes, também aumenta a aplicação das tecnologias desenvolvidas, na avaliação do presidente do Inpi, Cláudio Furtado. “Para que patente se torne efetivamente um bem econômico, ela tem que ser explorada. Não é apenas o registro da patente no Inpi. [É] Isso que o modelo Embrapii está solucionando, fazendo com que as empresas sejam as proprietárias das patentes, porque aí elas já tem aplicação imediata”, disse.

Em seis anos, a Embarpii apoiou cerca de 800 projetos que resultaram em 300 pedidos de registro de propriedade intelectual, com R$ 1,3 bilhão em investimentos. A expectativa é que o acordo aumente esse volume. “O acordo que foi firmado hoje tem uma grande importância porque vai ser um gerador de propriedade intelectual”, disse Furtado.

*Reportagem da Agência Brasil


Cloud Computing
IA Carol, da TOTVS, liderou força-tarefa por soluções no combate à Covid-19

A ferramenta de inteligência artificial  da empresa de ERP foi usada para desenvolver soluções emergenciais como registro de ponto remoto e de entrega de alimentação pelos apps, conta o VP da companhia, Marcelo Eduardo Cosentino. Sobre a LGPD, o executivo diz que a tarefa mais complexa é mudar o tratamento do dado nas companhias.


Indústria de semicondutores reage à liquidação da Ceitec

Em nota, associação nacional do setor indica “preocupação” com a medida. “Liquidação distanciará ainda mais o Brasil do conhecimento de ponta.”

OBr.Global promove bootcamps Live sobre empreendedorismo

Aceleradora, especializada em internacionalização das empresas, ensinará técnicas adotadas no Vale do Silício, nos EUA.

Política de informática foi feita para o hardware, mas deu certo com o software

Para Sílvio Meira, a estratégia que o Brasil quer desenhar para Inteligência Artificial precisa desafiar à produção nacional para trazer os resultados pretendidos.

Open Banking faz XP ir às compras no Brasil

XP anunciou a aquisição de participação majoritária na fintech Fliper, responsável, hoje, por mapear R$ 7 bilhões lem investimentos na sua plataforma.

Software livre venceu e desapareceu. Agora tudo é serviço.

Como lembrou o cientista e professor Sílvio Meira, ao participar do Convergência Digital em Pauta, até o Windows passou a rodar sobre fundação Linux.  O mundo, hoje, é de quem tem o serviço como diferencial de concorrência.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G