INCLUSÃO DIGITAL

Brasil contabiliza 213.473 mil orelhões, maior parte deles na região Sudeste

Ana Paula Lobo* ... 06/08/2019 ... Convergência Digital

Ao divulgar os dados da telefonia fixa no mês de junho, a Anatel divulgou um balanço dos números de orelhões existentes no País: são 213.473 mil, sendo que 94.687 mil na região Sudeste, onde há maior número de linhas móveis ativadas; 55.777 mil na região Nordeste, 29.949 mil na região Sul, 16.559 na região Centro-Oeste e 16.401 mil nas região Norte. Não há informação do órgão regulador se esses orelhões estão ativos ou são contabilizados, mas não funcionam.

Em 2011, última pesquisa sobre os orelhões (TUPs) pouco mais da metade estavam funcionando. Os orelhões são sustentados pelo atual marco regulatório das telecomunicações, que prevê os investimentos em telefonia. Em abril, o presidente da Anatel, Leonardo Morais, afirmou que, entre 2015 e 2018, foram gastos pelas operadoras R$ 1,1 bilhão com orelhões.

Em abril, o presidente da Anatel, Leonardo Morais, afirmou que, entre 2015 e 2018, foram gastos R$ 1,1 bilhão com orelhões. O executivo também deixou claro que a telefonia era uma bomba-relógio para o Estado brasileiro.Acho difícil que em 2025 encontremos um concessionário disposto a manter o serviço de telefonia fixa, e ainda poderá haver indenização pelos bens detidos pelas operadoras. Teremos então que destinar alguns bilhões no orçamento para a prestação da telefonia”, pontuou.

Os dados sobre o momento da telefonia fixa comprovam a preocupação do órgão regulador. Em junho, a sangria continuava para autorizadas e concessionárias. O País registrou 35.650.458 linhas ativas. Em relação ao mês anterior (maio de 2019), houve uma redução de 214.478 linhas e, nos últimos 12 meses, foram desativadas 3.037.305 linhas fixas. Em junho, havia 15.870.682 linhas fixas registradas pelas autorizadas no país e 19.779.776 linhas pelas concessionárias. Em 12 meses, as autorizadas tiveram redução de 955.436 linhas e as concessionárias tiveram perda de 2.081.869 linhas.

Entre as autorizadas (regime privado), no mês de junho, a Claro registrou a maior participação de mercado (63,39%) com 10.060.346 linhas fixas no país, em segunda posição ficou a Telefônica (Vivo), com 3.831.510 linhas (24,14%), e em terceira posição ficou a TIM, com 986.982 linhas (6,22%). Em relação às concessionárias (regime público), a Oi registrou o maior volume de linhas fixas, foram 10.982.976 linhas (55,52% do mercado), seguida pela Telefônica (Vivo), com 7.944.054 linhas fixas (40,16% do mercado).





Carreira
Déficit de mão de obra na América Latina será de 570 mil profissionais em 2020

Empresas da região vão investir nas tecnologias da terceira plataforma - cloud, analytics, Inteligência Artificial - e vão requisitar cada vez mais especialistas em programação e desenvolvimento, projeta estudo da IDC América Latina.

Huawei: nação digital é o último estágio da transformação digital

Conceito ainda é muito novo, mas engloba o uso e a análise dos dados para retroalimentar produtos e processos, conta o diretor de Comunicação e Relações com o Governo da Huawei Brasil, Juelinton Silveira.

Audima cria ferramenta para levar conteúdo aos analfabetos digitais

A partir da própria dor, uma vez que tem dislexia, Paula Pedrosa criou a Audima, uma startup que transforma palavras em áudios. "O império da visão exclui muita gente. Nosso desafio, hoje, é mostrar que inclusão monetiza", observa a executiva.

Domicílios com Internet chegam a 67% no Brasil, mas desigualdade permanece

TIC Domicílios 2018, do CGI.br, revela que as classes D e E elegeram o smartphone como o meio preferencial de acesso.

Nas favelas, há jovens ávidos para aprender e trabalhar com TICs

O projeto Vai na Web já formou 200 jovens em linguagem de programação, mas, agora,busca recursos para ensinar as profissões do futuro como Inteligência artificial e internet das coisas.

Anatel aprova consulta para aumentar potência do Wi-Fi

Além de permitir o uso de equipamentos WiFi na faixa de 60 Ghz, para o WiGig, que promete conexões de até 7 Gbps, agência prevê aumentar a potência atual dos aparelhos na faixa de 5 GHz.  

Anatel quer saber se há interesse em investir em satélites no Brasil

Consulta pública sobre o tema recebe contribuições até 7 de setembro. Ideia é saber se há empresas que queiram prover serviço ininterrupto de capacidade satelital por cinco anos a partir de 1 de janeiro de 2021.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G