TELECOM

Telefônica: TAC levará internet rápida para 1,5 milhão de lares

Luís Osvaldo Grossmann ... 19/12/2017 ... Convergência Digital

Anatel e Telefônica defenderam nesta terça, 19/12, os termos do acordo que converte R$ 3 bilhões em multas por cerca de R$ 5,5 bilhões em novos investimentos, especialmente na implantação e ampliação de redes móveis e de fibra óptica. 

O assunto foi objeto de uma audiência pública na Câmara dos Deputados, repleta de críticas a parte das obrigações negociadas, que prevê a instalação de redes de fibra até a casa (FTTH) em 105 municípios – sendo a escolha dessas cidades o pomo da discórdia desde que o caso passou pelo crivo do Tribunal de Contas da União. 

“Nessas 105 cidades há 5,3 milhões de domicílios, 3 milhões deles não possuem banda larga. Dos que possuem, apenas 1% tem banda larga acima de 12 Mbps. Portanto, a questão não é pegar as 105 cidades e ver se tem internet ou não, mas avaliar se estão satisfeitas ou querem mais. E o TAC propõe fazer muito mais”, defendeu o presidente da Telefônica, Eduardo Navarro. 

O assunto já saiu politizado do TCU, onde a aprovação do acordo por unanimidade não dispensou uma enxurrada de críticas em relação aos critérios de escolha dos municípios que receberão os investimentos. Elas foram novamente trazidas por parlamentares que participaram da audiência e se concentram no fato de serem cidades mais para remediadas do que pobres. 

O curioso nesse ponto foi a atuação das concorrentes – a Claro em especial – ao municiar os parlamentares com posições críticas ao termo de ajustamento de conduta. Gente do mercado (não só da Telefônica) fez muxoxo por temer que a cisma entre elas enfraqueça a defesa do uso dos TACs em geral como solução para as multas. 

“Vamos judicializar e debater por 10 anos o conjunto de multas que, se vier a ser pago, vai para os cofres públicos, ou vamos fazer uma revolução na internet brasileira”, insistiu o presidente da Telefônica. 

Em outra frente, provedores regionais de internet reclamaram que o acordo prevê o uso de recursos públicos (as multas) para financiar redes que serão usadas em regiões onde já existe oferta de serviço, especialmente por empresas pequenas que serão prejudicadas

O presidente da Anatel, Juarez Quadros, apontou que “a empresa está sendo obrigada a fazer investimentos muito superiores às multas aplicadas”. Já o secretário de telecomunicações do MCTIC, André Borges, lembrou que o atendimento não é pleno. 

“O debate é sobre uma competição subsidiada com recursos da agência, mas entendemos que a análise concorrencial deve avaliar a devida granularidade. Porque uma população relevante ainda não é atendida e deve contar com recursos da política pública”, afirmou. 


Internet Móvel 3G 4G
Indústria de TICs brasileira sinaliza apoio à Huawei

Embora procurem evitar falar oficialmente, a maior parte dos fornecedores diz que vai defender a fabricante  caso o governo Bolsonaro decida seguir a política do governo Trump e decida excluir a empresa chinesa das redes nacionais. "No Brasil, teríamos problemas sérios de infraestrutura. A Huawei está em todas as operadoras", disse um empresário.

Painel Telebrasil 2019
A 63ª edição do principal encontro institucional de lideranças do setor de telecomunicações e TICs acontecerá entre os dias 21 e 23 de maio de 2019, em Brasília. Saiba mais em paineltelebrasil.org.br
Veja o vídeo

Arbitragem resolve conflitos, mas não é para todo tipo de empresa

“A arbitragem é muito boa para resolução de conflitos para questões de grande dimensão econômica, com cifras milionárias, e alta complexidade técnica”, advertiu Gustavo Schmidt, SLK Advogados.

Claro faz piloto com roteadores de baixa latência

Carlos Camardella, consultor da operadora, diz que iniciativa terá duração de seis meses e é voltada para sincronizar os equipamentos de forma a garantir o melhor serviço ao consumidor.

Anatel já bloqueou 103 mil celulares ‘piratas’ só em Brasília e Goiás

A partir de sábado, 8/12, sistema começa a desativar das redes aparelhos sem registro em mais 10 estados do país. São considerados irregulares os aparelhos sem IMEI, o código internacional que identifica cada aparelho, adotado como registro que supostamente garante que um aparelho não é falsificado ou teve o código adulterado.

TV paga: ou muda ou fica pequena no Brasil

Sangria de assinantes continua permanente, muito por conta da massificação dos serviços de streaming, que propõem um novo modelo de relação com o consumidor. Claro/Net, Vivo e Sky registraram queda na base. Oi foi a única que registrou adições positivas.



Painel Telebrasil 2017 - Cobertura Especial ConvergênciaDigital


Clique aqui e acompanhe a cobertura completa do Painel Telebrasil 2017

  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G