INTERNET

FCC derruba neutralidade de rede e EUA se preparam para guerra judicial

Luís Osvaldo Grossmann ... 14/12/2017 ... Convergência Digital

Sem surpresas, os três votos Republicanos na Federal Communications Commission garantiram a maioria para a proposta do presidente da agência, Ajit Pai, de revogar o regulamento adotado em 2015 que obrigava provedores de conexão a respeitar a neutralidade de rede. Mas nem bem a votação terminou na tarde (ainda manhã em Washington) desta quinta, 14/12, e promotores nos EUA já anunciaram que agora começa a guerra judicial contra a medida. 

O primeiro anúncio veio do procurador geral do estado de Nova York, Eric Schneiderman, que prometeu “liderar uma batalha multi estadual contra a FCC”. De fato, pelo menos 19 procuradores gerais estaduais nos Estados Unidos já tinham se manifestado contrariamente à proposta de Ajit Pai. Mas eles dificilmente serão os únicos. Entidades de direitos civis, como a ACLU, ou de direitos digitais, como a EFF, já indicaram disposição de ir ao Judiciário para manter as regras adotadas em 2015. Além deles, empresas também deverão participar. 

“Estamos desapontados com a decisão de estripar as proteções à neutralidade de rede que garantiram uma era sem precedentes de inovação, criatividade e engajamento civil. Este é o começo de uma longa batalha legal”, tuitou imediatamente a Netflix, assim que a decisão, transmitida pela internet, foi consumada. “Essa é uma decisão equivocada”, completou. 

De fato, sobram argumentos para a briga. A começar pelo próprio processo de tramitação da proposta do presidente da FCC. Há sérios indícios de que houve pelo menos 2 milhões de contribuições falsas à consulta pública sobre a proposta, inclusive de pessoas mortas. E os pedidos de informações à respeito encaminhados pelo Ministério Público americano foram solenemente ignorados pela FCC. 

Mas como destacam especialistas no assunto, mesmo as argumentações que embasam a proposta de Ajit Pai são duvidosas – ou mesmo completamente falsas. O presidente da FCC sustenta que as regras de 2015 representaram uma mudança radical na forma como a agência americana tratava do tema. E que a volta a uma regulação “leve” fará ressurgirem investimentos em rede que teriam recuado desde então. “O que fizemos hoje foi retornar à liberdade que existia desde que a internet foi criada”, afirmou Pai. 

Só que isso não é exatamente verdade. Na prática, a FCC defende a neutralidade de rede há décadas, mesmo em gestões Republicanas. E as normas adotadas na gestão Democrata de Barack Obama foram uma consequência de medidas tomadas anteriormente, especialmente a partir da gestão Republicana de Bush pai. E vale lembrar que foi somente durante o governo de Bush filho, em 2002, que a FCC efetivamente classificou a oferta de acesso a internet como ‘serviço de informação’, o que acabou servido mais tarde usado como motivo para a Justiça americana negar a competência legal para a agencia dos EUA adotar regras de neutralidade. 

O outro pilar dos argumentos de Ajit Pai é que as regras de 2015 provocaram quedas nos investimentos em rede nos Estados Unidos. Mas não existem sinais de que isso realmente aconteceu. Ao contrário, os presidentes das maiores empresas do setor, Comcast, AT&T e Charter, já anunciaram publicamente que as regras de neutralidade de rede não mudaram em nada os investimentos. “A reclassificação [para serviços de comunicação] não alterou nossa abordagem de investir significativamente em rede para oferecer serviços de ponta”, disse há pouco mais de um ano o CEO da então Time Warner Cable (hoje Charter), Tom Rutledge. 

Para completar, a medida sequer é tecnicamente sólida e se baseia em conceitos confusos como a ideia de que os provedores de conexão são responsáveis pelo conteúdo trafegado. Ou, como coloca uma carta subscrita por 21 pioneiros da internet do calibre de Vint Cerf e Tim Berners Lee, que a proposta de Pai “é baseada em entendimento falho e tecnicamente impreciso da tecnologia da internet”.

No fim, como para acentuar a imagem de uma decisão tomada em linhas partidárias, as duas representantes Democratas na FCC são mulheres que votaram contra a proposta. As empresas “terão o poder de bloquear websites, de degradar o serviço e de censurar conteúdo online, terão o poder de discriminar e favorecer tráfego de empresas com quem tenham acordos comerciais”, pontuou Jessica Rosenworcel em seu voto. Mignon Clyburn emendou que a FCC está “entregando as chaves da internet para um punhado de corporações bilionárias”. E concluiu com o que se tornou palavra de ordem entre os americanos que discordam da decisão: “A luta pela neutralidade da internet não acaba hoje”.


Europa busca consenso para taxar gigantes da Internet

Uma nova proposta costurada por Alemanha e França reduz o escopo da cobrança para mirar apenas nas receitas com publicidade.

5G exige rediscussão imediata da neutralidade de rede

"Serão novas e tão diferentes aplicações, e algumas até podem fazer a diferença entre a vida e a morte. A questão da neutralidade precisa ser encarada agora no mundo e aqui no Brasil", sustenta o diretor da 5G Americas e de Relações com o Governo da Ericsson Brasil, Tiago Machado.

Serviço de streaming de esporte chega ao Brasil e usa YouTube e Facebook

A DAZN inicia oferta comercial em março do ano que vem e terá exclusividade da Copa Sul-Americana de 2019. Modelo de negócio é por curto prazo e por partida transmitida. Empresa, especializada em esportes, tem atuação na Europa, EUA e Ásia

Associação de OTT quer Autoridade de Dados tratada na transição do governo Bolsonaro

Associação Brasileira de OTT diz que a criação da autoridade poderá ficar prejudicada após a intensa mudança de quadros no Executivo e Legislativo o que poderá prejudicar a aplicação efetiva da Lei de Dados Pessoais em 2020.

Só 27% dos que usam smartphones se sentem no controle dos dados pessoais

Pesquisa em 10 países, inclusive no Brasil, aponta que os sucessivos casos de vazamentos e novas leis de proteção da privacidade despertaram a preocupação com dados pessoais e 76% tentam protegê-los.

Revista Abranet 26 . nov-dez 2018 / jan 2019
Veja a Revista Abranet nº 26 Estudo da Abranet revela a existência de um universo díspar entre os prestadores, o que impõe desafios à regulamentação mínima necessária para manter o mercado estruturado e o limite aceitável para a sobrevivência das empresas.
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G