INTERNET

Multissetorialidade é consenso, mas não há acordo sobre operação do CGI.br

Ana Paula Lobo ... 17/11/2017 ... Convergência Digital

Sem a presença do responsável pela Consulta Pública - Maximiliano Martinhão, agora, à frente da Telebras, e com um governo mais ouvindo do que participando, a audiência pública sobre as diretrizes da governança da Internet no Brasil reiterou as diferenças existentes entre os segmentos participantes do Comitê Gestor da Internet.

Sociedade Civil, Empresas, Governo e Comunidade Científica mantiveram suas posições e a proposta apresentada pela Associação Brasileira da Internet (Abranet) despontou como um caminho para se chegar ao consenso a ser encaminhado ao Governo, pelo próprio Comitê Gestor da Internet. A proposta da Abranet destaca cinco pontos:

1. Multissetorialismo, com a participação significativa de todos os setores.
2. Lógica bottom-up no funcionamento da estrutura e na formulação de políticas e posicionamentos.
3. Abertura das comunidades constituintes para todos os interessados.
4. Transparência e accountability de todas as comunidades constituintes.
5. Consenso como regra de operação em todas as instâncias decisórias.

O texto da Abranet estrutura o Comitê Gestor em três instâncias. Na base, cada um dos setores (governo, empresas, Terceiro Setor e academia) organiza sua própria composição de ‘membros associados’. O caráter é amplo mesmo, de forma a criar um canal permanente das comunidades com o CGI.

Em seguida, em uma camada intermediária, conselhos setoriais (de cada um dos quatro) funcionariam como instâncias deliberativas para as questões surgidas na base, cuidando de coordenar os trabalhos de sua respectiva comunidade.  A ideia aqui é que esses conselhos tem de 12 a 15 membros, no máximo. 

Finalmente, o que a Abranet chama de ‘Conselho Superior’ do CGI.br. Ou seja, aquilo que é mais ou menos o comitê gestor de hoje viraria esse ‘Pleno’ ou ou instancia decisória. A ideia é mudar um pouco o desenho atual, passando a 5 representantes por setor, em um total de 20 membros.

A Coalização Direitos na Rede, formada por entidades da sociedade civil, até concorda com parte da proposta da Abranet, mas defende a escolha do pleno do CGI.br por meio de eleição direta. A ideia de uma transição de 12 meses foi bem-recebida pela Coalização, que também defende um CGI.br com participação paritária, ou seja, todos com a mesma quantidade de representantes.

Os jovens do programa Youth@ForumBR cobraram mais transparência do CGI.br, com transmissão ao vivo das reuniões do Comitê Gestor. Também cobraram participação efetiva dos representantes. Por meio de dados abertos, o Observatório da Juventude, por exemplo,comprovou, por exemplo, a ausência do Ministério da Industria e Comércio de 19 das 29 reuniões realizadas.

Para Flávia Lefrèvre, da Proteste e do Terceiro Setor no CGI.br, a realização de uma audiência pública aberta no 7º Fórum da Internet é referência. “A consulta pública nasceu da necessidade de mudar. Essa audiência pública está ouvindo parcela significativa da sociedade. Esperamos que o Governo ouça e leve em conta o que foi debatido”, completou.


Europa busca consenso para taxar gigantes da Internet

Uma nova proposta costurada por Alemanha e França reduz o escopo da cobrança para mirar apenas nas receitas com publicidade.

5G exige rediscussão imediata da neutralidade de rede

"Serão novas e tão diferentes aplicações, e algumas até podem fazer a diferença entre a vida e a morte. A questão da neutralidade precisa ser encarada agora no mundo e aqui no Brasil", sustenta o diretor da 5G Americas e de Relações com o Governo da Ericsson Brasil, Tiago Machado.

Serviço de streaming de esporte chega ao Brasil e usa YouTube e Facebook

A DAZN inicia oferta comercial em março do ano que vem e terá exclusividade da Copa Sul-Americana de 2019. Modelo de negócio é por curto prazo e por partida transmitida. Empresa, especializada em esportes, tem atuação na Europa, EUA e Ásia

Associação de OTT quer Autoridade de Dados tratada na transição do governo Bolsonaro

Associação Brasileira de OTT diz que a criação da autoridade poderá ficar prejudicada após a intensa mudança de quadros no Executivo e Legislativo o que poderá prejudicar a aplicação efetiva da Lei de Dados Pessoais em 2020.

Só 27% dos que usam smartphones se sentem no controle dos dados pessoais

Pesquisa em 10 países, inclusive no Brasil, aponta que os sucessivos casos de vazamentos e novas leis de proteção da privacidade despertaram a preocupação com dados pessoais e 76% tentam protegê-los.

Revista Abranet 26 . nov-dez 2018 / jan 2019
Veja a Revista Abranet nº 26 Estudo da Abranet revela a existência de um universo díspar entre os prestadores, o que impõe desafios à regulamentação mínima necessária para manter o mercado estruturado e o limite aceitável para a sobrevivência das empresas.
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G