Clicky

Sanções dos EUA derrubam Huawei de primeira para sexta fabricante de celulares

Luís Osvaldo Grossmann ... 28/01/2021 ... Convergência Digital

As sanções dos Estados Unidos contra a Huawei fizeram efeito no desempenho da fabricante chinesa, pelo menos no que se refere ao mercado de aparelhos. A empresa que chegou a tomar temporariamente o posto de maior fornecedor global de celulares, ultrapassando a Apple e até a Samsung, terminou o ano em sexto lugar – considerando-se o quarto trimestre de 2020. No ano, o tombo foi de 22% nas vendas. 

“A Huawei recuou dramaticamente na maioria dos mercados como resultado das sanções dos EUA”, afirma Amber Liu, a analista de pesquisa da consultoria de mercado Canalys, de Cingapura, que divulgou um balanço sobre o desempenho das vendas de aparelhos em âmbito global. Segundo ela, “a decisão de vender a Honor pode ser vital, já que a marca não está sujeita às mesmas restrições e o fornecimento de componentes está sendo retomado”. No entanto, ela adianta que diante da necessidade até de redefinição da marca, “não se espera que a Honor retome uma participação substancial de mercado no curto prazo”.

No quarto trimestre de 2020, as remessas mundiais de smartphones chegaram a 359,6 milhões de unidades, uma queda de 2% com relação ao ano anterior. A Apple vendeu seu maior número de iPhones em um único trimestre, com 81,8 milhões de unidades, um aumento de 4% em relação ao mesmo período de 2019. A Samsung ficou em segundo lugar, vendendo 62 milhões de unidades, recuo de 12%. Xiaomi, Oppo e Vivo completam as cinco primeiras, com cada uma apresentando ganhos sobre a Huawei (incluindo Honor). 

A Xiaomi cresceu 31% para 43,4 milhões de unidades, a Oppo cresceu 15% para 34,7 milhões, enquanto a Vivo despachou 32,1 milhões de unidades, um crescimento de 14%. 

A Huawei, ainda incluindo a vendida Honor, ficou em sexto lugar no quarto trimestre de 2020 com 32 milhões de smartphones vendidos, quantidade 42% inferior ao mesmo trimestre de 2019. É a primeira vez em seis anos que a fabricante fica fora dos cinco maiores fornecedores globais de aparelhos. 

No cômputo geral de 2020, a Samsung manteve-se em primeiro com 255,6 milhões de smartphones embarcados, seguida pela Apple, com 207,1 milhões e pela própria Huawei, com 188,5 milhões, contando-se aí também os celulares da marca Honor, vendida em novembro. A Xiaomi embarcou 149,6 milhões de smartphones e a Oppo 115,1 milhões. No total, o mercado mundial de celulares registrou a venda de 1,26 trilhão de aparelhos, quantidade 7% abaixo de 2019. 


Internet Móvel 3G 4G
Na China, 5G impulsiona receita, mas gasto com eletricidade acende sinal vermelho

China Mobile revelou ter 189 milhões de clientes 5G no primeiro trimestre de março, multiplicando por seis a base de 2020. Mas advertiu que há questões a serem pensadas: a depreciação da rede e a elevação considerável com os gastos ligados ao consumo de energia.

Wi-Fi 6E Brasil 2021 - Cobertura especial - Editora ConvergenciaDigital

Wi-Fi 6E: o futuro da infraestrutura do Wi-Fi

As faixas de 2,4 GHz e de 5 GHz estão congestionadas no Brasil e torna-se urgente ter mais frequência por mais capacidade e eficiência, afirma o chefe de Tecnologia da CommScope para Caribe e América Latina, Hugo Ramos.

Veja mais matérias deste especial

Oi reconvoca AGE para o dia 30 de abril

A Assembleia Geral Extraordinária convocada para esta segunda-feira, 19 de abril, não atingiu o quórum necessário. A assembleia será online, com participação mínima presencial por conta da Covid-19.

Oi lança carteira digital via WhatsApp

Parceria com Conta Zap, serviço permite pagar contas, fazer recarga de celular, enviar e receber dinheiro. Ideia é permitir crédito por mensagens também. 

Por casa conectada, Vivo negocia opção de ser acionista minoritária na CDF

A CDF é um marketplace de solulções de assistência residencial e tecnológica e que já é parceira na oferta do Vivo Guru. Os novos serviços serão lançados em breve, mas um deles será voltado para a instalação e  configuração de dispositivos inteligentes.

Huawei: é cedo para dizer quem está dentro ou fora da rede privada do governo

“Existe uma portaria, mas os requisitos ainda não estão completamente claros”, afirma o diretor de cibersegurança da fabricante chinesa, Marcelo Motta.




  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G