Home - Convergência Digital

Teles não podem repetir 4G e serem engolidas pelas OTTs no 5G

Luís Osvaldo Grossmann - 08/11/2019

O 5G ainda começa a desabrochar em alguns países, com as primeiras aplicações em curso com as expectativas, focadas na maior capacidade de rede, e as operadoras buscando monetizar esse novo investimento. Se o retorno virá com a multiplicação de serviços ou surgirá uma aplicação matadora, é cedo para dizer. Mas o tamanho do sucesso depende da capacidade de inovar e oferecer a nova onda. 

“Vender simcard e cobrar por volume vai levar a um forte prejuízo. A única maneira de monetizar o IoT é ser dona do serviço, dona da plataforma e dona do conteúdo. Senão vem o ‘Spotiot’, o ‘Iotflix’”, acredita o consultor de telecomunicações da Claro, Carlos Alberto Camardella. 

Com disse durante o Workshop 5G no Brasil, realizado em Brasília pela Network Eventos, “a partir do iPhone ninguém mais queria voz e SMS, mas banda larga, com franquia menor, a preços menores. Perdemos mais de 30% do mercado. Hoje o consumo de dados já passa de 70% da receita. E quem ganha com isso são as OTTs, porque estamos vendendo simcard, não estamos vendendo o serviço”. 

“A gente não pode perder o bonde da aplicação como aconteceu com aplicações na nuvem das over the top como Netflix, Spotify, Google, Youtube, a gente acabou virando um provedor de conectividade e quem rentabiliza na verdade são as OTTs. Então temos que aproveitar que o 5G é um ambiente de cloud, todo o 5G é baseado em cloud computing, com integração fácil com ambientes de Edge Computing e com ambiente de desenvolvimento de aplicações. De forma que você participe da cadeia de faturamento do que vai prover para o cliente lá na ponta. Senão vamos ser vendedores de tubos. E os tubos pequenininhos para o IoT têm monetização mais complexa ainda.”

Isso envolve participar do desenvolvimento do que ainda nem se sabe o que é. “O que a gente tem são previsões de produtos e serviços que podem aproveitar tudo de bom que o 5G vai proporcionar, todos os automatismos, baixa latência, grande capacidade, milhares de dispositivos conectados numa única célula. Mas a aplicação mesmo a gente ainda não sabe o que vem. Do mesmo jeito que o iPhone foi uma coisa disruptiva, que o vídeo foi disruptivo com o 4G, pode aparecer outra coisa disruptiva, como aplicação ou como tecnologia. Nada do que está sendo previsto vai explodir, vai ser a killer application. Pode ser que a gente tenha varias aplicações pequenininhas que no todo vão levar à glória, ou pode vir uma que ninguém está imaginando ainda.” Assista a entrevista com o consultor de telecomunicações da Claro, Carlos Alberto Camardella.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

14/08/2020
Venda da Oi Móvel não impede Oi no leilão 5G

14/08/2020
Justiça dos EUA dá vitória à FCC para implantação ágil de small cells para 5G

14/08/2020
Amdocs compra Openet por negócios 5G

13/08/2020
EUA banem empresas que usam produtos da Huawei das compras governamentais

11/08/2020
Edital do 5G vai ao mercado com ou sem venda da Oi Móvel

11/08/2020
Anatel prepara dois editais do 5G à espera de filtros para antenas parabólicas

10/08/2020
EUA vão vender 100 MHz para impulsionar 5G

10/08/2020
Huawei dá o troco e Qualcomm alerta para o risco dos EUA perder muito dinheiro

06/08/2020
Huawei não pode ser usada para atrasar ainda mais o leilão 5G

06/08/2020
Se Anatel quiser, redes privadas não precisam esperar o leilão 5G

Destaques
Destaques

Edital do 5G vai ao mercado com ou sem venda da Oi Móvel

"Não vou submeter um processo de política pública, como é o edital 5G, a uma fusão e aquisição", afirmou o presidente da Anatel, Leonardo de Morais.

Venda de smartphones piratas dispara 135% no 1ºtri no Brasil

Tombo no primeiro trimestre foi de 8,7% - e chegou a 22,4% entre os aparelhos mais simples. Alta do dólar e a falta de componentes impactaram a venda dos dispositivos no país.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Uma escolha de Sofia no leilão de 5G

Por Juarez Quadros do Nascimento*

Em um país democrático, como o Brasil, sem análise estratégica, não daria para arriscar em dispor, comercial e tecnologicamente, de “uma cortina de ferro ou uma grande muralha” para restringir fornecedores no mercado de telecomunicações.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site