INOVAÇÃO

Vivo reduz em 36% suas emissões de CO2

Da redação ... 03/06/2019 ... Convergência Digital


A Telefônica, com a marca Vivo no Brasil, vê na redução de emissões dos gases causadores do efeito estufa seu principal desafio relacionado aos temas ambientais para 2019. A meta está entre os objetivos globais de mudanças climáticas da Telefônica, voltados à diminuição de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE), que incluem a redução de 50% do consumo de energia por unidade de tráfego e de 30% em emissões diretas e indiretas em termos absolutos até 2020. De acordo com o Relatório de Sustentabilidade da empresa, recém-publicado, a Vivo diminuiu em 36% suas emissões absolutas diretas e indiretas e  em 47% as emissões por unidade de tráfego em 2018, indo de 13,4 para 7,1 toneladas de CO2e  .

Ainda segundo o relatório, a empresa cumpriu 93,7% dos indicadores definidos em seu Plano de Negócios Responsáveis em 2018, com destaque para a aquisição de energia renovável, iniciativa que contribui diretamente para a redução de emissões no Brasil. Desde outubro de 2018, 100% do consumo de energia da Vivo passou a ser proveniente de fontes renováveis, a partir da contratação de energia incentivada com atributo renovável no mercado livre, além de energia gerada por pequenas centrais hidrelétricas sob contratos de geração distribuída e da aquisição de garantias de origem renovável para o restante do consumo. No acumulado de 2018, 44% da energia consumida pela Vivo foi renovável. A iniciativa influencia de modo direto na redução de emissões de CO2e, que deve ser 70% menor este ano.

Para a diminuição das emissões diretas, a empresa mantém iniciativas como a frota sustentável, que com  a substituição de gasolina para etanol em um frota de aproximadamente 3 mil carros em São Paulo. A Vivo também implantou uma normativa para redução de emissões de gases refrigerantes usados em ar condicionados e combustíveis usados em geradores com a Instrução de Compras de Baixo Carbono, proibindo a compra de equipamentos de gases com alto potencial de aquecimento global e incentivando o uso de equipamentos elétricos mais eficientes.


Cloud Computing
CADE aprova compra da Red Hat pela IBM sem restrições, mas ainda avalia prática de gun jumping

Tribunal do órgão regulador descartou impacto na concorrência, mas ainda vai analisar se houve eventual prática de gun jumping – quando uma operação é consumada sem a autorização prévia do órgão antitruste. Multa, nesse caso, varia de R$ 60 mil a R$ 60 milhões.

Brasil monta centro para dados, IoT e industria 4.0 com Fórum Econômico Mundial

Sede será instalada no Instituto de Pesquisa Tecnológica de São Paulo e deverá entrar em operação no primeiro semestre de 2020.

Economistas lançam livro sobre Inovação associada à economia do compartilhamento

Paulo Bastos Tigre e Alessandro Maia Pinheiro analisam o impacto dos novos negócios, sob a ótica da academia, na economia digital.

ANAC faz consulta pública sobre futuro dos drones

Órgão regulador da aviação civil quer ouvir a opinião da sociedade sobre como conduzir a operação das aeronaves não tripuladas no País. Consulta irá até o dia 05 de fevereiro de 2020.

Iluminação inteligente é uma das apostas da NEC com Internet das Coisas

O gerente de soluções da engenharia da NEC do Brasil, Eduardo Ribeiro, diz que a fornecedora- que atua como orquestradora de soluções- criou uma plataforma multisegmento, baseada em inteligência artificial, para acelerar a adesão dos serviços inteligentes nos municípios brasileiros.

Desconexão entre Academia, governo e empresas trava inovação no Brasil

Em Israel, afirma o co-fundador e CEO da IBI-Tech, Daniel Skaba, a sinergia do ecossistema de Inovação foi crucial para impulsionar os negócios.
 



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G