GESTÃO

Petrobras adota satélite de baixa órbita para reduzir tempo de transmissão de dados

Convergência Digital* ... 03/07/2020 ... Convergência Digital

A Petrobras trocou um satélite geoestacioário pelo uso de satélites de órbita média terrestre para a troca de informações entre as plataformas e os centros de comando da Petrobras serão mais rápidas. A mudança permitirá uma redução de 75% no tempo de transmissão, de 600 para 150 milissegundos, um intervalo menor do que um piscar de olhos.A novidade, já instalada nas plataformas P-68 e P-66, no pré-sal da Bacia de Santos, será estendida a outras plataformas do pré-sal até fevereiro/21.

A redução do RTT (Round Trip Time), nome técnico para o tempo de transmissão, agiliza o uso de aplicações digitais em tempo real, como chamadas de voz, videoconferências ou elementos operacionais, como telas de automação. Páginas da Internet e sistemas corporativos também são carregados mais rapidamente. Com o novo serviço, a companhia consegue, ainda, transmitir dados de maior qualidade, como fotos ou vídeos de alta resolução para análise remota de válvulas ou bombas de uma unidade, por exemplo.

Para obter a redução do RTT em 75%, a Petrobras começou a conectar-se com suas unidades por meio de satélites que orbitam o planeta em altitude média - cerca de oito mil quilômetros - em vez de satélites geoestacionários situados em uma altitude de cerca de 36 mil quilômetros, prática comum até então no mercado. É como se o dado transmitido fosse do Rio de Janeiro até Madri, na Espanha, e voltasse para o município fluminense.

No método tradicional essa viagem representaria quase duas voltas na Terra pela linha do Equador para fazer o trajeto completo entre plataforma, satélite e centro de comando. O uso dos satélites de órbita média terrestre será implementado em outras oito plataformas da Petrobras, instaladas nos campos de Búzios, Lula, Berbigão e Atapu.



Governo busca interesse dos órgãos federais em postos para carros elétricos

Acordo entre o governo federal e o governo do Distrito Federal já prevê a instalação de seis ‘eletropostos’, mas demanda pode aumentar esse número.

Governo chega à marca de 1 mil serviços públicos digitalizados

Desempenho mantém em curso a meta de digitalização total de 3,8 mil serviços até 2022. 

Intelit: LGPD não é um único software que vai resolver tudo

A governança do processo de dados é crucial para uma boa implementação da legislação, sustenta o CEO da Intelit, Lincoln dos Santos Pinto. Segundo ele, o atraso da grande parte das empresas decorre da falta de dinheiro e da incerteza sobre a vigência da lei.

Intelit: Compras públicas têm de abrir espaço à inovação e às startups

O CEO da prestadora de serviços de TI, Lincoln dos Santos Pinto, observa que um processo de compra pública leva em torno de seis meses, o que atrasa a inovação. Sobre a venda do Serpro e Dataprev, lembra da LGPD e defende o Estado como tutor dos dados pessoais do cidadão.




  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G