TELECOM

Com 34 milhões de clientes, Oi Móvel acirra a disputa entre Vivo, TIM e Claro

Ana Paula Lobo ... 26/03/2020 ... Convergência Digital

A Oi fechou 2019 com 34 milhões de assinantes ativos na telefonia móvel, sendo que 9,627 milhões no pós-pago, o que só acirra a briga entre o consórcio Vivo/TIM e a Claro pela operação, caso a Oi venha de fato vender a sua unidade. A coordenação da venda está nas mãos do Bank of America - que recebeu as sinalizações feitas pela Vivo/TIM e pela Claro.

Na teleconferência de resultados do quarto trimestre, realizada nesta quinta-feira, 26/03, Rodrigo Abreu preferiu não tecer detalhes sobre a venda da Oi Móvel. O CEO disse apenas que está num momento de organizar as informações, fazendo análises para tomar os próximos passos. Abreu negou que as propostas apresentadas tenham tido valores postos à mesa.

O CEO admitiu que confirmado o interesse em vender a Oi Móvel será preciso traçar as diretrizes do processo, uma vez que a Oi teve a recuperação judicial prorrogada e todo e qualquer venda de bens tem de passar pelo Juízo da 7ª Vara Empresarial do Rio de Janeiro, responsável pela RJ.

A Oi reportou que está fazendo caixa com a venda de ativos e que 80% do que era previsto para 2020 já foram alcançados. As contas da Oi passam pelo recebimento da primeira parcela da venda da Unitel, de Angola, feito em janeiro de US$ 840 milhões; duas parcelas de US$ 40 milhões em fevereiro e há outras quatro parcelas desse valor a serem recebidas.

A tele também começou a receber as parcelas dos créditos de PIS/Cofins no valor de R$ 3,1 bilhões- são 19 parcelas de R$ 100 milhões - e obteve R$ 120 milhões com venda de imóveis, e espera mais cerca de R$ 280 milhões "nos próximos meses". Além da venda de ativos como torres e data centers, onde quer arrecadar R$ 1,5 bilhão.


Internet Móvel 3G 4G
Coronavírus SUS vai rastrear contatos de infectados com covid-19

Tecnologia só será ativada se o usuário habilitar a função 'notificação de exposição' nas configurações do aplicativo. O sistema não identifica o doente, apenas avisa da proximidade de alguém que, voluntariamente, informou estar com diagnóstico positivo para a doença nos últimos 14 dias.

Oi quer corte de dívida com Anatel por desequilíbrio na concessão

“Tem que fazer um PGMU mais leve para que a gente possa respirar”, defende a diretora regulatória, Adriana Costa. Anatel esclarece que concessão não é sinônimo de lucro garantido. 

Huawei defende reserva de 500 MHz da faixa de 6GHz para as teles

Para o diretor da Huawei Brasil, Carlos Lauria, a reserva técnica é a melhor garantia para aguardar a evolução da tecnologia. "Se der tudo agora, não tem como voltar atrás depois", observa o executivo.

Qualcomm defende faixa de 6GHz para não licenciados atenta ao 5G

Diretor da Qualcomm, Francisco Soares, espera que a Anatel se defina por dar os 1,2GHz para os serviços licenciados. "O 6GHz não licenciado será o complemento ideal para os serviços licenciados 5G", sustenta.

Anatel define se faixa de 6GHz será 100% não licenciada ou terá 500 MHz para as teles

"A área técnica recomendou o uso para não-licenciado", contou o superintendente da Anatel, Vinicius Caram, ao participar do eForum Wi-Fi 6, realizado pelo Convergência Digital e pela Network Eventos.

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G