Clicky

Home - Convergência Digital

Anatel autoriza compartilhamento de frequências entre Claro e Nextel

Ana Paula Lobo* - 09/03/2020

Por meio de circuito deliberativo, a Anatel aprovou o compartilhamento de redes - ran sharing-   entre a Claro e a Nextel na forma da regulamentação, no intuito de viabilizar a gradual e necessária integração técnica dessas redes de telecomunicações, muito embora, para todos os fins de direito, cada Parte permaneça integralmente responsável pela operação de sua respectiva rede móvel, até que ocorra a efetiva eliminação da sobreposição de Termos do SMP.

O prazo de vigência do Contrato de RAN Sharing foi firmado em 18 (dezoito) meses, em conformidade com o prazo fixado pela ANATEL para eliminação da sobreposição no SMP. Alegam as requerentes que, na hipótese de antes do transcurso do prazo de 18 (dezoito) meses seja efetivada a eliminação da sobreposição de outorgas do SMP. A aprovação foi publicada nesta segunda-feira, 09/03, no Diário Oficial da União. O conselho diretor da Anatel indeferiu o pedido da Telefónica de acompanhar o ran sharing, uma vez que tem contrato assinado com a Nextel.

O compartilhamento abrange todas as faixas - 2.100 Mh e 1800 Mhz para a Nextel e o outorgado à Claro - 450MHz, 700MHz, 850MHz, 900 MHz, 1.800MHz, 2.100MHz, 2.600MHz. O arranjo técnico proposto para implementação do RAN Sharing é o Gateway Core Network (GWCN), que prevê o compartilhamento de elementos de acesso na rede de rádio, inclusive de radiofrequência, além do compartilhamento de elementos do núcleo de rede das prestadoras, o Mobile Switching Centre (MSC) e o Serving GPRS Support Node (SGSN).

Ficou acertado ainda que será dado caratér sigiloso ao ran sharing, conforme pedido das operadoras - Claro e Nextel - com a justificativa de "conter informações estratégicas com características técnicas e operacionais das prestadoras".

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

14/01/2021
Governo solta atas de registro de preços para órgãos públicos contratarem TIM e Claro

06/01/2021
TIM e Claro levam pregão de telefonia móvel e fixa do governo federal

16/12/2020
Claro se propõe a conectar 15 milhões de hectares de campo em 2021 em parceria com a John Deere

14/12/2020
Claro paga R$ 3,7 bilhões; fica sem frequência, mas soma 4,7 mil sites da Oi Móvel

04/12/2020
Justiça manda Claro garantir velocidade de internet contratada

04/11/2020
Com Nokia, Huawei e Ericsson, Claro amplia 5G DSS para mais 12 cidades

27/10/2020
Claro: 5G DSS não é marketing. É real e faz muito sentido no Brasil

16/10/2020
Claro deve indenizar em R$ 5 mil cliente que perdeu tempo por mau atendimento

15/09/2020
Claro tenta resgatar TV paga com planos alternativos a não clientes

15/09/2020
Claro: Três é bom, quatro é demais na telefonia móvel do Brasil

Destaques
Destaques

Uso da faixa de 700 MHz deixa 4G disponível 80% do tempo no Brasil

Segundo a mais recente análise da OpenSignal, TIM tem a rede de quarta geração com maior disponibilidade, 88,2%, à frente da Claro (79%) e Vivo (79,5%), Oi (70,2%). 

Um em cada quatro acessos móveis na América Latina será 5G até 2026

Nova edição do Relatório de Mobilidade da Ericsson aponta que até o final de 2020, mais de 1 bilhão de pessoas ao redor do mundo já estará usando 5G. 

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Previsões para 5G Core (5GC) e redes móveis em 2021

Por Ivan Marzariolli*

A maioria das teles com 5G escolheu o que é chamado de implementação “não autônoma”.  É um híbrido de 4G e 5G que permite oferecer muitos recursos 5G aos assinantes, enquanto ainda aproveita o investimento existente em seu core de pacote 4G. Operadoras estão ansiosas para aproveitar as vantagens do 5GC (SA ou autônomo) - maior agilidade de serviço e custos mais baixos.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site