BID defende mercado secundário de espectro no 5G em estudo entregue à Anatel

Convergência Digital ... 24/08/2020 ... Convergência Digital

O Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) apresentou à Anatel um estudo sobre modelos de melhoria da eficiência espectral via mercado secundário e renovações de radiofrequências no Brasil. O modelo já é possível no Brasil a partir da Lei 13.879/19, e, com apontou o presidente da Anatel, Leonardo de Morais, está em fase de adaptação normativa. 

"O Regulamento de Uso de Espectro, agora em revisão, contém elementos fundamentais para o bom funcionamento do setor, em linha com as expectativas da sociedade brasileira e em acordo com a modernização legal inaugurada pela aprovação da Lei 13.879/2019, que traz entre suas inovações uma nova diretriz de prorrogação da autorização de uso de radiofrequências e a criação de um mercado secundário de espectro no Brasil. Essas diretrizes refletem sua natureza transformadora para o setor ao desafiar paradigmas associados à detenção exclusiva do espectro e dos limites para otimização do uso eficiente das radiofrequências”.

Da reunião realizada na sexta, 21/8, para discutir o mercado secundário participaram servidores da agência e especialistas do BID e parceiros, a consultoria econômica NERA, da Mundie e Advogados e do EFTS Group. Hector Lopez, da NERA, falou sobre a importância do equilíbrio entre oportunidades e riscos nos diferentes mecanismos de alocação de radiofrequências. Expectativas sobre o aumento da eficiência alocativa de espectro e a entrada de  novos prestadores de serviços estão associadas às oportunidades, enquanto a ausência ou insuficiência de incentivos podem ser uma ameaça à adesão dos prestadores aos mercados secundários.

Segundo Lopez, o método e o preço usados ​​para conceder acesso contínuo ao espectro após a licença expirar influencia as decisões de investimento, alocação do espectro e a concorrência na indústria. O especialista sugeriu como instrumentos  para desenvolvimento desse novo mercado a implementação de revisões do arcabouço regulamentar para permitir leilões ascendentes simultâneos, licenças regionais, licenças de aluguel, confirmação de licença com base em licitação e leilões duplos, entre outros.

Ana Claudia Beppu, da Mundie, sugeriu um modelo de mercado secundário para as licenças de 5G no qual o leilão típico, com outorgas de 15 a 20 anos, poderia ser adaptado em questões de fixação de preço e pagamento. Nesse modelo, licenciados do mercado secundário teriam as precondições para comprar licenças de titulares primários. Também haveria licenças de aluguel (regionais) com duração de poucos anos. Segundo ela, esse modelo estaria de acordo com as leis brasileiras, sem a necessidade de alteração.


Internet Móvel 3G 4G
Proteja os seus dispositivos IoT. A LGPD chegou e pode pesar no bolso

As corporações estão obrigadas a repensar a proteção de dados. Atualizações constantes, trocas de senhas, autenticação em dois fatores são exemplos de medidas básicas que precisam ser massificadas. 

Oi entra na disputa do mercado de marketplaces para consolidar marca de consumo

Plataforma OiPlace chega ao mercado com mais de 3 mil produtos. Tele também incluiu canal ao vivo no Oi Play, a partir da mudança da regra de conteúdo na Internet pela Anatel.

Em três meses, Anatel e PF apreendem mais equipamentos irregulares que em todo 2019

Somente entre julho e setembro deste 2020 foram 243,7 mil equipamentos sem certificação, entre baterias, carregadores, TV boxes, smartwatches e conversores digitais com Wi-Fi.

5G: Teles insistem em filtro nas parabólicas e rejeitam migração da TV

Estudo contratado pelas operadoras diz que mitigação da inferências do 5G nas antenas custaria R$ 224 milhões, enquanto transferir a recepção para a Banda Ku, acima de 10 GHz, seria R$ 1,8 bilhão. 

Para vender Correios, Minicom transforma Anatel em Agência Nacional de Comunicações

O ministro das Comunicações, Fábio Faria, à Presidência da República o projeto de lei (PL) que cria as condições para a privatização dos Correios. Texto vai para o Congresso. Expectativa é fazer a privatização em 2022.

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G