INOVAÇÃO

Banco digital vai às compras para reforçar atuação no Brasil

Convergência Digital ... 25/09/2020 ... Convergência Digital

O Social Bank, banco digital e focado em sustentabilidade financeira, foi às compras e anunciou a aquisição do Banco Capital, sediado em Salvador (BA), em um passo decisivo para acelerar o plano de crescimento, ampliando o portfólio de produtos para empresas e pessoas físicas. A operação ainda aguarda a aprovação do Banco Central.

Ao receber a licença bancária, o Social Bank irá atuar como banco completo, podendo oferecer crédito estruturado e produtos de investimentos, além de possibilitar que seu cliente conte com a cobertura do Fundo Garantidor de Crédito (FGC). O Social Bank contabiliza hoje mais de 5.000 contas de empresas e 1,5 milhão de contas digitais de pessoas físicas.

A estratégia para clientes pessoa física conta é voltada à inclusão financeira, digital e social, comprovando o êxito de usabilidade do ecossistema Social Bank. Na carteira, há mais de 100 mil contas salários, entre elas 50 mil lavradores e 30 mil pessoas vulneráveis, sendo o banco parceiro da Organização das Nações Unidas (ONU) para ajudas humanitárias, reforçando o conceito de inclusão.

“As fintechs estão competindo para levar serviços a quem já está bem atendido. Queremos levar muito para quem tem pouco ou nada”, diz o CEO do Social Bank, Rodrigo Borges, empreendedor mineiro que fundou o Social Bank em 2017, em Uberlândia (MG). “Atendemos jovens, lavradores, vulneráveis, indígenas, idosos, investidores, o que só comprova a força da nossa experiência do usuário”.

Graças aos serviços a empresas de todos os portes, o Social Bank conta com um custo de aquisição de clientes médio de R$ 6, quatro vezes inferior em relação a outros bancos digitais. Esse é um dos motivos pelos quais o banco caminha para triplicar de tamanho em 2021. A perspectiva é atingir a marca de R$ 2 bilhões em recursos depositados, ante os R$ 700 milhões previstos para este ano.

“Nós não escolhemos público, incluímos todos, do jovem antenado ao lavrador, da pequena à grande empresa. O banco é social porque somos sustentáveis, trabalhamos com um equilíbrio entre inclusão e resultado”, afirma Borges. Nesta jornada de fintech para banco, o Social Bank deve receber, em breve, uma primeira rodada de investimentos. Há conversas neste momento com fundos e varejistas digitais.

O dinheiro será usado na expansão da base de clientes e no projeto Social Cities: o Social Bank quer atuar fisicamente em 30 municípios, nos quais teria vantagens em relação aos bancos tradicionais e fintechs, devido à proposta de valor, produtos e serviços. Trata-se de um novo conceito, com custo reduzido e mais focado na experiência. O plano é ter um relacionamento presencial em um ambiente para negócios, coworking e educação financeira.

"Estamos presentes em cidades do interior do Nordeste, com usinas com 8 mil lavradores, sem caixa eletrônico, sem banco, sem ninguém interessado em bancarizar, e vamos incluir, educar, contribuir para o desenvolvimento local, e com isso auferir receitas, em vez de despesas", diz o CEO do Social Bank.

As Social Cities foram mapeadas pelo departamento de inteligência de mercado a partir da renda da população, número de agências bancárias, potencial empreendedor e setores presentes, como, por exemplo, agronegócio e construção civil. O Social Café, em Uberlândia, é um laboratório bem-sucedido da experiência.

Lançado em outubro de 2017, o Social Bank é um banco verdadeiramente digital, pioneiro em sustentabilidade financeira. Foi idealizado por Rodrigo Borges, empreendedor mineiro de Uberlândia, fundador da Vale Presente (em 2011, primeira fintech do Brasil) e da Hub Fintech (em 2015, líder no mercado de meios de pagamento da América Latina), com experiência de mais de 10 anos no varejo digital em empresas como Magazine Luiza e B2W Digital.

 


Cloud Computing
AWS: Nuvem responde às exigências da LGPD

“A LPGD foi criada até pela expansão do uso dos dados, porque temos que nos preocupar muito quem acessa, como ele está armazenado, como está criptografado”, afirma Jorge Ruas, da AWS. 


Fiemg lab e Fiat Chrysler automóveis (FCA) buscam startups de Supply Chain e Manufatura

Competição está com inscrições abertas até o dia 28 de outubro. Oito projetos serão selecionados e terão testes industriais em 2021.

Waze: força das comunidades e dos 50 mil voluntários fazem a diferença

A colaboração é o segredo do sucesso do Waze e estabelecer canal ativo com os clientes é missão, contou a Global Group Manager, Hila Roth.

Inovar é deixar de olhar para o próprio umbigo

Marcelo Salim, da IBM, Percival Jatobá, da Visa e Ana Leão, da Isobar, assumem que o consumidor é quem está selando o destino das marcas e com voz mais ativa.

TOTVS Techfin: Na crise, sobrevivem os mais adaptáveis às mudanças

O momento exige resiliência e perseverança, mas a crise acelerou uma jornada e colocou, de vez, o consumidor como o centro dos negócios, afirmou Eduardo Neubern, diretor-executivo da Totvs Techfin.

Empresas estão comprando tecnologia, mas não fazem a transformação digital

Sem entender o consumidor, a transformação digital simplesmente não vai acontecer, atestaram Sílvio Meira, cientista-chefe na The Digital Strategy Company; Luiz Sergio Vieira, CEO da EY Brasil, e Agenor Leão, vice-presidente de plataformas de negócios da Natura para América Latina.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G