Home - Convergência Digital

Regulamentação de IoT passa por tratar a coleta e a proteção dos dados

Convergência Digital* - 10/06/2020

Um estudo realizado pela KPMG apontou os oito principais quesitos para as normas de utilização da internet das coisas. Segundo o levantamento "Após a chuva dos regulamentos de IoT" (do original em inglês, After the rainfall of IoT regulations), entre os principais tópicos para a regulação da ferramenta estão: avaliação de riscos, governança, gestão da configuração e gestão da cadeia de suprimentos.

Para o sócio líder do setor de tecnologia, mídia e telecomunicações da KPMG no Brasil, Dustin Pozzetti, o desenvolvimento de produtos mais seguros, além de necessário, traz a vantagem de aumentar a competitividade das empresas, aprimorando a produção e conquistando a confiança dos consumidores. "As soluções em internet das coisas estão mais presentes no dia a dia das pessoas, com dispositivos cada vez mais conectados à rede. Como efeito desse cenário, as coletas de informações e dados pessoais aumentam significativamente, ocasionando riscos potenciais à segurança dos dados e os legisladores vêm trabalhando de uma forma geral para regulamentar o segmento, de modo que as empresas se responsabilizem pela proteção das informações de seus clientes", analisa.

Diante desse cenário, a KPMG apontou as oito áreas-chaves para as normas de internet das coisas:

· Governança: uma governança eficaz norteia o programa, promove a padronização e a consistência e monitora os riscos regulatórios de forma contínua;
· Avaliação de riscos: necessidade de entender os riscos que os dispositivos conectados apresentam às operações, aos ativos e aos stakeholders, incluindo os consumidores, para a criação de produtos seguros;
· Gestão da cadeia de suprimentos: as fabricantes são responsáveis pela postura de segurança dos terceiros envolvidos nas operações.
· Ciclo de vida do desenvolvimento seguro: incorporação de técnicas de ciclo de vida de desenvolvimento seguro ao desenho e à produção dos dispositivos conectados.
· Gestão da configuração: garantia de que a configuração-padrão segura seja predefinida em dispositivos de IoT e por controlar quem pode fazer modificações nas configurações e qual tipo de modificação pode ser feita.
· Identificação da gestão, da autenticação e do controle de acesso: incorporação das melhores práticas de segurança de software para garantir que o uso de dispositivos conectados seja restrito a pessoas, processos e dispositivos autorizados.
· Gestão e privacidade de dados: implementação de métodos razoáveis para proteger os dados gerados por dispositivos conectados, armazenados neles e transmitidos a eles.
· Monitoramento e gerenciamento de vulnerabilidades: as fabricantes devem monitorar, identificar e corrigir de forma ativa e contínua os problemas nos dispositivos de internet das coisas, incluindo aqueles problemas relacionados à produção e à operação.

Para o sócio-diretor líder em regulação no setor de tecnologia, mídia e telecomunicações da KPMG no Brasil, Marcelo Ribeiro, as áreas apresentadas no estudo ajudam a definir e a direcionar os elementos de base para o futuro dos programas de segurança de internet das coisas, que não somente atendam aos requisitos regulatórios, mas também protejam os consumidores, conquistem a confiança e aprimorem o valor dos produtos de IoT no longo prazo.

"Esse é um mercado em plena transformação, com muita inovação embarcada e que a segurança relacionada aos dados coletados seja endereçada de acordo com os requisitos necessários gerando transparência e confiança a todos os entes envolvidos nessa jornada", conclui Ribeiro.



Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

25/09/2020
Relator no Senado propõe desoneração de IoT e VSats sem mudar texto da Câmara

09/09/2020
Anatel: Teles precisam ser claras do que querem para Internet das Coisas

02/09/2020
TIM quer parceria com startups em uso de 4G ou IoT em soluções para o campo

31/08/2020
Governo prevê isenção de taxas para Internet das Coisas e VSATs em 2021

28/08/2020
Economia promete zerar FISTEL para IoT no orçamento de 2021

24/08/2020
Sem Fistel, internet das coisas pode criar 7 milhões de empregos em cinco anos

21/08/2020
TICs,Indústria e agro pedem urgência ao Senado em votar mudanças no Fust e Fistel

18/08/2020
Covid-19 provoca um estrago no mercado de IoT no Brasil

18/08/2020
Ataques DDoS recrutam sensores IoT como drones

28/07/2020
A10 e CLM lançam laboratório de capacitação em IoT/5G

Destaques
Destaques

Vitor Menezes, Minicom: Vamos brigar por um leilão 5G não arrecadatório

O Ministério das Comunicações sinalizou às operadoras que trabalha para convencer os colegas de Esplanada a concentrar os valores envolvidos no leilão do 5G em compromissos de cobertura, minimizando o preço a ser pago ao Estado, afirmou o secretário de Telecomunicações, Vitor Menezes, ao participar do Painel Telebrasil 2020.

Claro: Sem antenas, São Paulo fica fora do 5G

CEO da Claro, Paulo Cesar Teixeira, criticou a miopia de executivos que ainda insistem em colocar restrições à implantação de antenas, como acontece na cidade de São Paulo. "5G é a grande plataforma para permitir um salto econômico mais vigoroso", advertiu.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Internet 5G traz disrupção para Telecomunicações até no modelo de negócio

Por Eduardo Grizendi*

Na RNP, estabelecemos um objetivo estratégico ambicioso – o de prover uma ciberinfraestrutura, segura, de alto desempenho e disponibilidade e, ao mesmo tempo, ubíqua, onipresente, em qualquer lugar e a qualquer hora, para nossas comunidades de educação, pesquisa e inovação.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site