SEGURANÇA

Brasileiros têm pé atrás e classificam criptomoedas como 'moda que vai passar'

Convergência Digital ... 02/07/2019 ... Convergência Digital

Um estudo global feito pela Kaspersky revela que a maioria dos consumidores ainda conhece pouco a respeito do funcionamento das criptomoedas. Dos brasileiros, 73% revelaram nunca ter adquirido criptomoedas – mostrando o quão distantes ainda estamos em aceitar as criptomoedas como uma forma de pagamento comum. Ainda no Brasil, 36% dos entrevistados disseram ter algum conhecimento sobre criptomoedas, mas apenas 13% compreendem como é que elas funcionam.

O levantamento destaca que existe uma grande vontade entre muitos dos consumidores para utilizarem criptomoedas, mas esta falta de conhecimento tem dificultado todo o processo de adesão. Ainda assim, muitas das pessoas que pensavam que sabiam com o que estavam lidando, mais tarde decidiram se afastar das criptomoedas. Aliás, 22% dos brasileiros parou de utilizá-las por considerar que eram "tecnicamente complicadas".

A falta de conhecimento, pontua o relatório, pode gerar uma série de desconfiança quanto às criptomoedas e afetar a capacidade dos consumidores em manter o seu dinheiro longe de perigo. Por exemplo, 37% dos brasileiros revelaram que, por acreditarem que as criptomoedas são voláteis, preferem esperar que se tornem mais estáveis para utilizá-las. Há, também, a percepção frequente entre os consumidores de que as criptomoedas não vão durar para sempre. Inclusive, 13% dos brasileiros acreditam que estas moedas estão apenas "na moda" e que não vale a pena considerá-las.

Enquanto o interesse em criptomoedas pode parecer ter atingido o seu pico, há uma procura. Cerca de 31% dos brasileiros afirmaram que, apesar de não estarem utilizando criptomoedas atualmente, gostariam de usá-las no futuro. No entanto, a dúvida ainda permanece entre os consumidores, sendo muitas vezes guiados pelo medo de colocarem em risco as suas finanças. Tanto que 3% dos brasileiros afirmaram já terem sido vítimas de fraude de criptomoedas.

"Se os consumidores querem trocar ou negociar os seus bens de criptomoedas, devem estar atentos à segurança das credenciais da sua conta. Se tiverem em mente investimentos a longo prazo ou utilizarem as criptomoedas para pagamentos, devem guardá-las num ambiente seguro e utilizarem várias carteiras digitais, ou ainda, distribuí-las entre o software e o hardware. Aconselhamos também às empresas de criptomoedas a se organizarem de forma eficiente para conseguirem mostrar aos seus clientes que são capazes de proteger os seus investimentos", afirma Vitaly Mzokov, Head of Verification na Kaspersky.


Administradora de shopping centers revela ataque cibernético

Ao mercado a Aliansce Sonae informou que a invasão aconteceu em maio e a companhia admite que, algumas informações possam ter sido acessadas, mas que elas não eram estratégicas.

PF caça quadrilha que teria vazado dados do presidente Bolsonaro e de mais de 200 mil servidores

Ação policial acontece nos Estados do Rio Grande do  Sul e Ceará. Organização teria invadido sistemas de universidades, prefeituras e câmaras de veradores.

Para Idec, ação comprova que Metrô de SP não garante segurança de reconhecimento facial

Segundo entidade, que move processo contra o Metrô, empresa falhou em não realizar estudo para implantar a tecnologia. 

Bancos querem prisão por até 18 anos para cibercriminosos

Instituições financeiras pedem a aprovação urgente do PL 2638, apresentado na Câmara, pelo deputado Marcelo Ramos, PR/AM, que impõe punição rigorosa às fraudes cibernéticas. "A impunidade é um incentivo", diz Adriano Volpini, do Itaú-Unibanco.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G