Clicky

Ganho de US$ 163 bilhões no Brasil enfraquece lobby das teles para reduzir Wi-Fi 6 em 6GHz

Luís Osvaldo Grossmann ... 27/10/2020 ... Convergência Digital

Enquanto operadoras móveis e fabricantes de equipamentos de rede seguem firme no lobby para reduzir a fatia disponível de espectro para o W-iFi 6 na faixa de 6GHz - há o interesse de ficar com uma 'reserva' de 500 MHz para uso futuro no 5G - estudos apresentados nesta terça, 27/10, em debate promovido pela Anatel reforçam que a ideia carece de fundamento econômico, sem falar no uso prático. 

“Se o Brasil mantiver a posição que está sendo considerada pela Anatel e alocar [como não licenciada] toda a faixa de 6 GHz, todos os 1200 MHz, isso cria um valor econômico total capaz de gerar US$ 163,36 bilhões entre 2020 a 2030”, afirmou o economista e consultor, presidente da Telecom Advisory Services, Raul Katz. 

O valor equivale a R$ 925 bilhões, sendo a maior parte dele, US$ 112,14 bilhões (R$ 635 bilhões) em potencial aumento do PIB no período, como consequência da ampliação da cobertura, preços mais acessíveis, maiores velocidades, desenvolvimento mais acelerado da internet das coisas, e no suporte aos mercados de realidade aumentada e realidade virtual.

Além disso, outros US$ 30,3 bilhões (R$ 170 bilhões) poderão ser gerados em economia no custo do tráfego para empreendimentos, além de US$ 21,19 bilhões (R$ 120 bilhões) na propensão dos consumidores a pagarem mais por velocidades ainda maiores. 

Sem surpresas, nada disso reduziu o ímpeto com que a operadora móvel presente ao debate, a TIM, insistiu em que o Wi-Fi 6 deve ficar somente com 500 MHz da faixa de 6 GHz, com o restante reservado para um futuro que, quem sabe, mostrará que esse naco tem grande utilidade para as próprias operadoras móveis. 

“A banda de 6 GHz tem 1200 MHz. Defendemos uma posição de alocar uma parte para WiFi 6, 500 MHz na parte baixa dos 1200 MHz como não licenciada. E o restante fica para ser destinado após a conferência mundial WRC de 2023, em prol de uma alocação global de espectro. Se a WRC vier a decidir que parte dessa banda é para 5G, quem sabe até 6G, a decis!ao do Brasil agora poderá ser irreversível”, defendeu o diretor de desenvolvimento de redes da TIM,  Marco Di Constanzo. A Huawei, que não estava no debate mas mandou contribuição, foi na mesma linha de que “uma vez que se a banda ficar toda destinada a uso não-licenciado o Brasil poderá ficar fora do novo core para 5G e até 6G no futuro”. 

Mas o peso dos argumentos pendeu para a destinação dos 1200 MHz em 6GHz para o Wi-Fi. E não apenas por conta dos mensurados efeitos econômicos, mas especialmente porque se trata de um uso que pode ser imediato – e que atende uma necessidade já existente.  “Temos necessidade enorme de mais espectro para WiFi do que tem hoje, as faixas de 2,4 e 5Gh já se encontram congestionadas, e isso não apenas nos grandes centros. E se percebe que os roteadores WiFi já encontram limitações para transmitir banda larga hoje. Se põe 150 Mbps tem limitações nessa entrega”, destacou o presidente da Associação Neo, Alex Jucius. 

Como emendou a diretora de Políticas de Conectividade e Acesso do Facebook, Ana Luiza Valadares, “o WiFi 6 pode ser usufruído imediatamente, já existe em outros mercados, está nos smartphones e, enfim, permite que no mesmo local sejam conectados um número enorme de dispositivos. O mundo caminha para isso, até porque os leilões de 5G estão acontecendo com muito sucesso. Já o WiFi está parado há muito tempo no que concerne a novas disponibilidades de espectro”. 

A demanda imediata versus um futuro ainda potencial foi ressaltado pelo também economista e pesquisador do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), William Lehr. “A proposta de investimento em cobertura universal para o 5G móvel não é forte no momento. Porque no momento o que se sabe é do uso para entretenimento, filmes em smartphones, etc. Se não chegar ao ‘Smart-tal’, ou seja, rodovias inteligentes, sistemas de energia inteligentes, fábricas inteligentes, todas essas coisas, vamos acabar nos perguntando para que fazer. Porque o ‘case’ de negócios, as aplicações matadoras, que realmente requerem isso [5G] ainda não são coisas provadas. Sou otimista, mas se fosse para colocar meu dinheiro, eu não iria atrás de colocar 5G em toda parte. Melhor esse sistema que é muito mais flexível.”


Internet Móvel 3G 4G
Governo e teles negociam um piloto 5G standalone

O anúncio foi feito pelo ministro das Comunicações, Fábio Faria. Segundo ele, seriam 20 pontos em todo o Brasil e outros ministérios participariam como o da Agricultura e o de Infraestrutura. "Queremos testar antes mesmo do leilão como funciona o 5G standalone. As negociações estão em andamento", disse.

Wi-Fi 6E Brasil 2021 - Cobertura especial - Editora ConvergenciaDigital

Ganho global com Wi-Fi e Wi-Fi 6E chega a R$ 26 trilhões até 2025

Estudo destaca que o uso total da faixa de 6 GHz, com 1200 MHz para sistemas não licenciadas servirá como condutor de crescimento a taxas anuais de 150%. Também será essencial para o impulso da Internet das Coisas.

Veja mais matérias deste especial    •    Inscrição gratuita - Clique aqui

CVM cobra Telebras que anuncia renovação por 10 anos de contrato com Eletrobras

Acordo vale para o uso de fibras óticas e infraestrutura de telecomunicações com a Companhia Hidroelétrica do São Francisco (Chesf), Centrais Elétricas do Norte do Brasil S/A (Eletronorte) e Furnas Centrais Elétricas S/A (Furnas). Estatal teve movimentação atípica de ações.

Minicom: “Queremos o 5G standalone, que é o 5G de verdade, não um 4G plus”

Ao concluir viagem à Europa e Ásia para falar com fabricantes de equipamentos, o ministro das Comunicações, Fabio Faria, avisou que o governo também defende a exigência do release 16 do 3GPP no leilão da quinta geração. 

Claro e Vivo se isolam contra a exigência do 5G pleno

TIM, provedores regionais, pequenos prestadores e operadoras competitivas reforçaram aos parlamentares que 5G pleno não custa mais nem atrasa implementação no Brasil.

Anatel publica regras para fim das concessões de telefonia

Regulamento de Adaptação do STFC traz prazos e procedimentos para Oi, Telefônica, Claro, Algar e Sercomtel decidirem sobre a migração do regime público para privado. 




  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G