GOVERNO » Compras Governamentais

Governo federal prepara novas métricas para remunerar serviços de TIC

Luís Osvaldo Grossmann* ... 12/08/2020 ... Convergência Digital

A Secretaria de Governo Digital do Ministério da Economia abriu nesta quarta, 12/8, uma consulta pública para discutir uma nova métrica de remuneração sobre serviços de tecnologia da informação e comunicações. A iniciativa responde às críticas do Tribunal de Contas da União ao modelo que se disseminou como ‘Unidade de Serviços Técnicos’, ou UST. E o primeiro alvo são serviços relacionados à operação de infraestrutura de TIC. 

“Estamos observando experiências recentes que possam ter gerado economia em relação a contratos anteriores e preparando outros modelos de contratação, com diferentes serviços e áreas de aplicação, para abranger as compras governamentais de TI. O que se pretende é um aumento da padronização desde o planejamento das licitações de TI ao modelo de remuneração e de prestação do serviço, incentivo às boas práticas nas contratações e uma maior previsibilidade nas compras”, explica o diretor de Operações Compartilhadas da SGD, Merched de Oliveira.

A consulta já começa com dois Acórdãos recentes do TCU que apontam problemas na ‘UST’. Em diferentes tratativas sobre esse tema, a Corte de Contas concluiu que “a utilização da UST ampliaria o risco de contratações antieconômicas com o subjacente dano ao erário”. Em um dos citados Acórdãos, o TCU avaliou contratos de TI de 2014 a 2018 e indicou que “mais de 60% do que foi pago correspondeu a serviços inúteis, superfaturados ou não realizados”. 

A consulta aberta nesta quarta é para serviços de infraestrutura: gerenciamento de serviços de TIC, sustentação de aplicações, armazenamento e backup, sustentação de banco de dados, administração e governança de dados, conectividade e comunicação, segurança e monitoramento. O desenho cria uma nova metodologia que considera a contratação por categoria de serviço vinculado aos profissionais que realizarão as atividades, com níveis de serviço por categoria. 

“O modelo proposto compreende ações de compreensão do ambiente e estimativa dos perfis e quantidades de profissionais, com modelo de remuneração por valor mensal do serviço, definido com base no principal item de custo para a empresa prestadora dos serviços (salário dos profissionais), com pagamento conforme atingimento de metas e indicadores.”

Esta é uma primeira consulta. A SGD também está desenvolvendo novas métricas para outros aspectos dos serviços de TI, inclusive para contratações que envolvam o desenvolvimento de softwares, mas uma proposta efetiva sobre isso só deve ganhar a rua em 2021. 

Por enquanto, as contribuições sobre a métrica para infraestrutura podem ser encaminhadas até 26 de agosto. Neste link, o texto da proposta da SGD permite a inserção de comentários em cada um dos itens. 

* Com informações do Ministério da Economia


Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

Adiamento de tributos do Simples termina em setembro

A partir de outubro voltam os prazos de recolhimento adiados como medida durante a pandemia de Covid-19.

STJ nega envio de 'Caixa de Pandora' para Justiça Eleitoral

Quarta Turma do Supertior Tribunal de Justiça autorizou, no entanto, nova perícia nos vídeos que flagraram, em 2009, empresários de tecnologia da informação pagando propina a integrantes do governo do Distrito Federal. 

MCTI e MCom vão compartilhar orçamento até 2021

Portaria interministerial foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União. Até junho de 2021, os recursos serão compartilhados e será criado um Centro de Custos para a divisão dos gastos entre os dois ministérios, até a definição do orçamento de 2021.

TICs ganham fôlego com retirada do pedido de urgência da reforma tributária

Decisão agrada as empresas de software e serviços e ao mercado de telecomunicações. Isso porque a proposta de unificação do PIS e da Cofins, com elevação da alíquota para 12%, seria prejudicial para o setor, que pagaria ainda mais imposto.

Governo restringe o que ministros e secretários podem falar sobre estatais

Decreto altera o Código de Conduta da Alta Administração Federal para vedar divulgação de “informação que possa causar impacto” nas ações ou relações com consumidores, mercado e fornecedores. 



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G