Clicky

Home - Convergência Digital

Para TIM, migração para banda Ku vai atrasar ainda mais 5G

Luís Osvaldo Grossmann - 29/09/2020

No coro das operadoras móveis que atuam no Brasil, o presidente da TIM, Pietro Labriola, disparou nesta terça, 29/9, que o leilão do 5G deve optar pela mitigação de interferências que o uso da faixa de 3,5 GHz provoca em antenas parabólicas. Para ele, a alternativa de migrar essa recepção para a Banda Ku, acima de 10 GHz, implica em demora na implantação da nova onda tecnológica porque a faixa ficará sem uso até que essa operação seja concluída. 

“Ouvimos falar em Banda C, Banca Ku, mitigação ou migração. Temos grandes profissionais na Anatel e nas empresas que estão debatendo esse assunto e acho que vão encontrar uma solução. Minha abordagem é mais pragmática. Não podemos leiloar uma frequência que ficará ociosa. Temos que recuperar o atraso no 5G. Então a solução melhor pode ser a mitigação, porque permite ter mais rapidamente possível a disponibilidade da frequência para começarmos a construir esse novo serviço”, afirmou Labriola ao participar do Painel Telebrasil 2020. 

Ele também aproveitou para reforçar os apelos por um leilão não arrecadatório. “Esse é o primeiro desafio. Não digo nada diferente do que temos falado nas ultimas semanas. E o que me deixa com grande satisfação é que os representantes do Ministério e da Anatel estão com o mesmo pensamento.

Para o executivo, o leilão “não deve ser arrecadatório porque é difícil hoje projetar qual será a receita com 5G, diferentemente do que aconteceu no 3G e no 4G. Temos dificuldade de projetar o fluxo de caixa nos próximos anos porque o 5G vai ser uma plataforma que vai habilitar um novo modelo de negocio, o B2B2C.” 

“Hoje o modelo é mais B2C, no qual nós vendemos para cliente final com o 5G, vai ser B2B2C, em que o segundo B são setores muito importantes, como saúde, segurança, transporte. Um leilão não arrecadatório vai garantir investimento em infraestrutura para habilitar serviços a toda essas indústrias”, completou. 

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

22/01/2021
TIM faz parcerias de olho no mercado das PMEs

20/01/2021
Operadoras abraçam Open RAN aberto, mas cobram financiamento da União Europeia

19/01/2021
EUA querem dar a faixa de 12 GHz para o 5G

15/01/2021
TIM entra na disputa pela gestão da iluminação pública com rede de IoT

15/01/2021
Teles querem deixar migração das parabólicas para depois do leilão 5G

14/01/2021
Governo solta atas de registro de preços para órgãos públicos contratarem TIM e Claro

11/01/2021
Consumidor abre mão de acesso 5G por bateria com mais duração

06/01/2021
TIM e Claro levam pregão de telefonia móvel e fixa do governo federal

05/01/2021
Brasileiro será CEO global da Qualcomm a partir de junho

18/12/2020
Abinee: Diferença de custo entre migração e mitigação no 5G é menor do que apontam teles

Destaques
Destaques

Uso da faixa de 700 MHz deixa 4G disponível 80% do tempo no Brasil

Segundo a mais recente análise da OpenSignal, TIM tem a rede de quarta geração com maior disponibilidade, 88,2%, à frente da Claro (79%) e Vivo (79,5%), Oi (70,2%). 

Um em cada quatro acessos móveis na América Latina será 5G até 2026

Nova edição do Relatório de Mobilidade da Ericsson aponta que até o final de 2020, mais de 1 bilhão de pessoas ao redor do mundo já estará usando 5G. 

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Previsões para 5G Core (5GC) e redes móveis em 2021

Por Ivan Marzariolli*

A maioria das teles com 5G escolheu o que é chamado de implementação “não autônoma”.  É um híbrido de 4G e 5G que permite oferecer muitos recursos 5G aos assinantes, enquanto ainda aproveita o investimento existente em seu core de pacote 4G. Operadoras estão ansiosas para aproveitar as vantagens do 5GC (SA ou autônomo) - maior agilidade de serviço e custos mais baixos.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site