INOVAÇÃO

Banco Central: Inovação exige equilíbrio nada trivial entre pessoas, segurança e risco

Luis Osvaldo Grossmann e Pedro Costa ... 23/04/2019 ... Convergência Digital

Com 54 anos de estrada em tecnologia da informação, o regulador brasileiro do sistema financeiro defende a busca pela maior proteção possível que dê espaço à modernização do mercado. Para o Banco Central, que entre outras ações tem um programa de incentivo para as fintechs, o difícil equilíbrio entre segurança e risco é uma ferramenta para a inovação.

“O mercado financeiro está aí para ganhar dinheiro. E para diminuir seus riscos. E cabe a nós, que fazemos a supervisão, saber qual o equilíbrio entre o que a sociedade quer correr do ponto de vista financeiro e o que tem que ser feito para que os negócios possam ser modernizados e as coisas possam funcionar. Não é trivial. Assim, temos a função importante de dizer ao mercado qual é o apetite de risco para o Brasil. Dentro desse limite, corra”, afirma Marcelo Yared, veterano diretor de TI do BC, e que agora assume a chefia do escritório de segurança cibernética e inovação tecnológica, que participou de mesa redonda promovida pelo Convergência Digital, em parceria com a Unisys e a Dell EMC, em Brasília.

Como destaca Yared, o BC nasceu em 1965 com TI na veia. E aprendeu que, apesar das evoluções tecnológicas, a peça fundamental continua sendo gente. “Os problemas de segurança da informação hoje são mais complexos, dão mais trabalho. Mas uma coisa que a gente aprendeu em 54 anos é que o elemento fundamental é o mesmo: a pessoa que usa o sistema, seja o cliente, usuário. E o que vai resolver é a educação.”

É diante da inexistência do sistema perfeito, completamente seguro, que Yared encaixa o mencionado equilíbrio. “Trabalhamos com o que chamamos de apetite de risco. Dada uma situação, um sistema, uma necessidade, qual o apetite de risco que a instituição tem ou quer ter. E aí vamos trabalhar. Tentamos nos organizar e vender para a alta administração e para a sociedade aquilo que podemos entregar do ponto de visita de segurança. Vai ter problema, vai. Vai ter falhas, vai. Temos que ter medidas adequadas para evitar grandes prejuízos e as pessoas devem saber os riscos que estão correndo.” Assistam a participação do chefe do escritório de segurança cibernética e inovação tecnológica do BC, Marcelo Yared.



Laura, a IA nacional que já salvou 12 mil vidas, entra no combate ao Coronavírus

Tecnologia será disseminada em todo o Brasil, depois de um acordo com o governo federal. Em setembro do ano passado, no Rio Info 2019, o Convergência Digital entrevistou um dos idealizadores da Laura.

Governo seleciona entidades para compor GT de propriedade intelectual

Grupo Interministerial de Propriedade Intelectual, originalmente parte da Camex e agora sob tutela do Ministério da Economia, terá 10 representantes da sociedade civil. 

BC cria grupo de trabalho para implantar open banking até novembro

GT será formado por representantes do próprio BC, por associações de Internet como Abranet e Câmara-e.net, Febraban (grandes bancos); Abecs e Abipag (empresas de pagamentos); ABBC (bancos médios); OCB (cooperativas), ABCD e ABFintech (fintechs).

Aceleradora busca start-ups e projetos no setor de Cannabis no Brasil

The Green Hub realiza o Cannabis Thinking, para fomentar o desenvolvimento de projetos criativos. Em março, acontecerá o Demo Day.

BC contrata Dinamo Networks e faz acontecer o pagamento instantâneo

Autoridade Monetária selecionou a fornecedora brasileira para comprar 22 HSMs, voltados à segurança das transações por R$ 1,350 milhão. Todo o software usado é desenvolvido no Brasil. Nova infraestrutura pode ser a pá de cal nos cartões de débito, TEDs e DOCs.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G