Clicky

NEGÓCIOS

Se a bitcoin fracassar, o blockchain morre abraçado

Ana Paula Lobo ... 20/07/2020 ... Convergência Digital

Se o bitcoin fracassar, o blockchain como desenhado como plataforma aberta, morre abraçado, adverte o CEO da FastBlock, Bernardo Schucman, que há oito anos trabalha com blockchain e bitcoins, e que, hoje, mora nos Estados Unidos. O mais recente ato da sua empresa- especializada em mineração como serviço - foi a compra de um data center, em Atlanta, nos Estados Unidos. O espaço possui mais de 25.000 metros quadrados e é suficiente para dar conta da nova base, que opera 20 Megawatt de carga.

Por que Atlanta, nos EUA, e não um data center no Brasil? Bernardo Schucman é objetivo: Nos Estados Unidos, há regulamentação para bitcoins, o imposto é regulamentado; o setor industrial é regulamentado e a energia é muito mais barata. No Brasil, não há regulamentação e pior: há um estigma de que o bitcoin é 'coisa de bandido'. 

Até o fim do ano, a expansão do data center em Atlanta deve permitir chegar a uma potência de mais 30 megawatt, totalizando 50 megawatt de potência atribuída. Essa evolução será possível graças aos 4500 equipamentos instalados e aos 20 funcionários, entre eles engenheiros, que estão trabalhando na operação do data center. Desde o início do ano, a FastBlock já minerou cerca de 400 bitcoins.

No Brasil, salienta o CEO da FastBlock, o operador de mineração é classificado, na maior parte das vezes como um golpista financeiro. "E infelizmente, o velho negócio financeiro não tem nenhum interesse em quebrar esse estigma", relata Bernardo Schucman. Segundo ele, o Brasil poderia criar um polo de mineração perto de Itaipu, um antigo desejo pessoal. "Mas não avançou. Nos EUA, a Georgia construiu duas usinas atômicas para, entre outras ações, atrair a inovação da ciência de computação. Na verdade, Atlanta, hoje, pode ser considerada a Serra Pelada do minerador de bitcoin", adiciona.

Ao ser questionado do porquê de as bitcoins estarem ligadas ao cibercrime, o CEO da FastBlock lembra que o dólar é a moeda mais usada para pagamento de ações ilegais; as pirâmides financeiras estão ligadas às instituições bancárias e as empresas mais golpistas do mercado operam no mercado aberto. "O golpe do boleto acontece há anos e se perpetua. Por que? porque interessa ser assim. As bitcoins são usadas como qualquer outro meio para o ilegal, mas ficaram estigmatizadas. Repito: se a bitcoin fracassar, o blockchain afunda junto, abraçado", adverte Schucman.

No caso da FastBlock, por exemplo, uma das formas encontradas para 'quebrar' o estigma do bitcoin foi o de investir em auditoria, feita pela BDO. Hoje, são mais de 50 mil bitcoins mineradas e auditadas para investidores. "O Blockchain foi a primeira criação da ciência da computação intangível. É algo completamente diferente do que temos. Como meio de pagamento, precisa de tempo para se consolidar", sinaliza. Sobre a volatilidade da bitcoin, Schucman orienta: os interessados em investir em bitcoin precisam antes entender o que é a bitcoin para depois apostar nela.


Cloud Computing
Banco Central elege Open Source e nuvem como bases da infraestrutura do PIX

A Red Hat, uma empresa da IBM, foi a vencedora da licitação feita pela Autoridade Monetária para a construção da arquitetura de TI do novo meio de pagamentos brasileiro. As novas funcionalidades do PIX, como transações de comércio eletrônico, também estão sendo desenvolvidas na plataforma Open Source.

No melhor momento em 30 anos, indústria de semicondutores quer Padis até 2029

Fábricas no Brasil tocam a transição para os modelos SSD e respondem ao aumento na demanda das memórias, mas temem o fim dos incentivos em 2022. 

Open Banking: Fase inicial não prevê compartilhamento de dados de correntistas

A partir desta segunda-feira, 01/02, entra em funcionamento no Brasil a primeira fase do Open Banking , cuja regulação será implementada de forma gradual, faseada e evolutiva, até 15 de dezembro de 2021.

Emissão de certificado digital pela internet vai usar bases de dados da CNH e do TSE

Videoconferência, já permitida para as renovações, também poderá ser usada na primeira emissão de certificados digitais. ITI - Instituto Nacional de Tecnologia da Informação, responsável pela ICP-Brasil, vai definir bases públicas para confirmação da biometria. 

Multinacional de software reforça a atuação em Brasília

A Liferay comemora 10 anos na América Latina ampliando sua atuação no Centro-Oeste. Para tocar os negócios na capital brasileira, a empresa contratou Bruno Bergamaschi, ex-IBM e Gartner.



  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G