TELECOM

GSI: Anatel deve ajustar norma de cibersegurança aos casos específicos do 5G

Luís Osvaldo Grossmann ... 27/03/2020 ... Convergência Digital

As regras de segurança cibernética das redes 5G, previstas na instrução normativa 4/20, publicada nesta sexta, 27/3, pelo Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República, devem ser vistas como orientação geral pelos órgãos mais próximos ao tema, o Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações e especialmente a Anatel na hora de prepararem normativos específicos. 

Segundo explicou o Departamento de Segurança da Informação do GSI ao Convergência Digital, ainda que alguns pontos da IN 4 possam parecer contraditórios, o espírito deve ser analisado em conjunto. Nesse sentido, ao mesmo tempo em que a norma parece determinar que as empresas precisam conhecer quais as redes estão sendo instaladas por seus competidores a fim de evitar replicar o fornecedor numa mesma região, também é necessário garantir outro princípio que consta da IN 4, de interoperabilidade. 

“A norma traz o ponto de vista exclusivo da segurança cibernética, mas quem vai regulamentar o assunto serão o MCTIC e a Anatel. Foram traçados requisitos, mas o que é importante marcar é que haja o máximo de diversidade dentro do que couber à regulamentação especificar. Não nos preocupamos com o aspecto econômico ou da concorrência, isso é com os órgãos finalísticos. A intenção é que haja diversidade de fornecedores, diversidade de componentes. Definimos ‘o que’, mas não ‘como’”, ressaltou um representante do DSI diretamente envolvido com a elaboração da nova norma. 

Por esse entendimento, embora a IN 4 determine que “as prestadoras de serviço deverão subcontratar fornecedores distintos, de forma que uma mesma área geográfica possua, pelo menos, duas prestadoras utilizando equipamentos de fornecedores distintos”, o espírito é garantir o maior número possível de fornecedores. Ao mesmo tempo, que os equipamentos sejam interoperáveis e, portanto, evitem protocolos próprios ou que não sejam capazes de ‘conversar’ com equipamentos de outras empresas. 

Seguindo essa lógica, a orientação é que sejam incorporadas as boas práticas de segurança cibernética nas resoluções da agência e eventualmente em regras a serem expedidas pelo MCTIC sobre o 5G. Mas para o mercado significa que não haverá grandes mudanças e que, do ponto de vista do GSI/DSI, sequer se falou em evitar essa ou aquela empresa, apesar das pressões do grande irmão do norte. 


Internet Móvel 3G 4G
Coronavírus SUS vai rastrear contatos de infectados com covid-19

Tecnologia só será ativada se o usuário habilitar a função 'notificação de exposição' nas configurações do aplicativo. O sistema não identifica o doente, apenas avisa da proximidade de alguém que, voluntariamente, informou estar com diagnóstico positivo para a doença nos últimos 14 dias.

Oi quer corte de dívida com Anatel por desequilíbrio na concessão

“Tem que fazer um PGMU mais leve para que a gente possa respirar”, defende a diretora regulatória, Adriana Costa. Anatel esclarece que concessão não é sinônimo de lucro garantido. 

Huawei defende reserva de 500 MHz da faixa de 6GHz para as teles

Para o diretor da Huawei Brasil, Carlos Lauria, a reserva técnica é a melhor garantia para aguardar a evolução da tecnologia. "Se der tudo agora, não tem como voltar atrás depois", observa o executivo.

Qualcomm defende faixa de 6GHz para não licenciados atenta ao 5G

Diretor da Qualcomm, Francisco Soares, espera que a Anatel se defina por dar os 1,2GHz para os serviços licenciados. "O 6GHz não licenciado será o complemento ideal para os serviços licenciados 5G", sustenta.

Anatel define se faixa de 6GHz será 100% não licenciada ou terá 500 MHz para as teles

"A área técnica recomendou o uso para não-licenciado", contou o superintendente da Anatel, Vinicius Caram, ao participar do eForum Wi-Fi 6, realizado pelo Convergência Digital e pela Network Eventos.

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G