Clicky

INOVAÇÃO

Banco digital vai às compras para reforçar atuação no Brasil

Convergência Digital ... 25/09/2020 ... Convergência Digital

O Social Bank, banco digital e focado em sustentabilidade financeira, foi às compras e anunciou a aquisição do Banco Capital, sediado em Salvador (BA), em um passo decisivo para acelerar o plano de crescimento, ampliando o portfólio de produtos para empresas e pessoas físicas. A operação ainda aguarda a aprovação do Banco Central.

Ao receber a licença bancária, o Social Bank irá atuar como banco completo, podendo oferecer crédito estruturado e produtos de investimentos, além de possibilitar que seu cliente conte com a cobertura do Fundo Garantidor de Crédito (FGC). O Social Bank contabiliza hoje mais de 5.000 contas de empresas e 1,5 milhão de contas digitais de pessoas físicas.

A estratégia para clientes pessoa física conta é voltada à inclusão financeira, digital e social, comprovando o êxito de usabilidade do ecossistema Social Bank. Na carteira, há mais de 100 mil contas salários, entre elas 50 mil lavradores e 30 mil pessoas vulneráveis, sendo o banco parceiro da Organização das Nações Unidas (ONU) para ajudas humanitárias, reforçando o conceito de inclusão.

“As fintechs estão competindo para levar serviços a quem já está bem atendido. Queremos levar muito para quem tem pouco ou nada”, diz o CEO do Social Bank, Rodrigo Borges, empreendedor mineiro que fundou o Social Bank em 2017, em Uberlândia (MG). “Atendemos jovens, lavradores, vulneráveis, indígenas, idosos, investidores, o que só comprova a força da nossa experiência do usuário”.

Graças aos serviços a empresas de todos os portes, o Social Bank conta com um custo de aquisição de clientes médio de R$ 6, quatro vezes inferior em relação a outros bancos digitais. Esse é um dos motivos pelos quais o banco caminha para triplicar de tamanho em 2021. A perspectiva é atingir a marca de R$ 2 bilhões em recursos depositados, ante os R$ 700 milhões previstos para este ano.

“Nós não escolhemos público, incluímos todos, do jovem antenado ao lavrador, da pequena à grande empresa. O banco é social porque somos sustentáveis, trabalhamos com um equilíbrio entre inclusão e resultado”, afirma Borges. Nesta jornada de fintech para banco, o Social Bank deve receber, em breve, uma primeira rodada de investimentos. Há conversas neste momento com fundos e varejistas digitais.

O dinheiro será usado na expansão da base de clientes e no projeto Social Cities: o Social Bank quer atuar fisicamente em 30 municípios, nos quais teria vantagens em relação aos bancos tradicionais e fintechs, devido à proposta de valor, produtos e serviços. Trata-se de um novo conceito, com custo reduzido e mais focado na experiência. O plano é ter um relacionamento presencial em um ambiente para negócios, coworking e educação financeira.

"Estamos presentes em cidades do interior do Nordeste, com usinas com 8 mil lavradores, sem caixa eletrônico, sem banco, sem ninguém interessado em bancarizar, e vamos incluir, educar, contribuir para o desenvolvimento local, e com isso auferir receitas, em vez de despesas", diz o CEO do Social Bank.

As Social Cities foram mapeadas pelo departamento de inteligência de mercado a partir da renda da população, número de agências bancárias, potencial empreendedor e setores presentes, como, por exemplo, agronegócio e construção civil. O Social Café, em Uberlândia, é um laboratório bem-sucedido da experiência.

Lançado em outubro de 2017, o Social Bank é um banco verdadeiramente digital, pioneiro em sustentabilidade financeira. Foi idealizado por Rodrigo Borges, empreendedor mineiro de Uberlândia, fundador da Vale Presente (em 2011, primeira fintech do Brasil) e da Hub Fintech (em 2015, líder no mercado de meios de pagamento da América Latina), com experiência de mais de 10 anos no varejo digital em empresas como Magazine Luiza e B2W Digital.

 


Cloud Computing
Aplicativo brasileiro é certificado e passa a ser vendido na SAP Store

Aplicativo SAN Mobile, desenvolvido por empresa 100% nacional, otimiza o trabalho dos profissionais de manutenção internos e de campo, que podem realizar suas atividades preditivas de manutenção e inspeção de maneira fácil e remota, mesmo sem conexão de Internet para acesso ao SAP.

No Brasil, 75% confiam mais em robôs que em humanos em questões financeiras

Estudo  indica que os brasileiros confiam mais na inteligência artificial do que neles mesmos para cuidar de dinheiro. 

Lei de Informática: governo faz ajustes que facilitam incentivos à pesquisa

Decreto recupera contabilização de dispêndios até março do ano seguinte e permite regime distinto, trimestral ou anual, por diferentes unidades do mesmo grupo. 

Câmara aprova marco legal das startups

Entre as inovações, empresas iniciantes poderão ser beneficiadas por regras diferenciadas de agências regulatórias como a Anatel. Texto vai ao Senado.

Ericsson processa Samsung por patentes em briga de até R$ 900 milhões

Impacto faz parte da projeção da fabricante sueca no lucro com royaltes que pode deixar de receber no trimestre.  Essa não é a primeira batalha entre as empresas. Em 2012, a Samsung pagou US$ 650 milhões à Ericsson.

Huawei: setor elétrico tem de priorizar cibersegurança para evitar apagões

Flávio Hott, gerente de produto para Energia da fabricante, disse ainda que smart grids em 4G, e depois no 5G, são investimentos efetivos para melhorar o desempenho operacional das redes.



  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G