NEGÓCIOS

Covid-19: brasileiros têm medo de sair de casa e 41% temem pela economia no 2ºsemestre

Convergência Digital* ... 15/07/2020 ... Convergência Digital

Apesar da flexibilização das medidas de isolamento social, 50% dos brasileiros ainda têm medo de sair de casa. É o que revela a Pesquisa Comportamental Pós-Covid-19, recém-lançada pela Go2Mob, empresa que oferece soluções integradas para o setor mobile com foco em mídia, dados, consultoria e pesquisa. O estudo, que analisa a expectativa e o comportamento dos brasileiros com a flexibilização das políticas de confinamento, entrevistou pelo celular via SMS mais de 52,5 mil pessoas de todo os Estados do País e mostrou que a maioria tem esperança em conquistar um emprego ainda este ano, mas é menos otimista com a retomada da economia.

De acordo com o levantamento, 47% afirmaram ter perdido o emprego por causa da pandemia. Destas, 61% acreditam que devem voltar a exercer suas atividades ainda este ano. Para 27%, a economia deve melhorar. Já 32% acreditam que as coisas permanecerão iguais e 41% acham que vai piorar. 18% dos entrevistados disseram ter pedido empréstimo a bancos ou instituições financeiros e 46% destes não conseguiram obter crédito. Sobre os cuidados para evitar a contaminação, metade dos brasileiros pretende continuar usando máscaras mesmo quando não for mais obrigatório.

"Este estudo foi elaborado com o objetivo de oferecer uma visão ampla do que pensam os brasileiros sobre o fim do isolamento social. Embora ainda exista grande preocupação com a saúde, muitos estão na expectativa de voltar a fazer o que sempre fizeram antes da pandemia. Apesar das dificuldades, não são poucos aqueles que se sentem motivados a recuperar o tempo perdido. A maioria quer voltar a trabalhar o mais rápido possível, mas está descrente com a economia e ainda mostra receio em sair de casa", avalia Alexandre Ribeiro, CEO da Go2Mob.     

38% já criaram ou pensam em ter negócio próprio

Outro aspecto investigado pela pesquisa é a maneira como as pessoas que mantiveram seus empregos na quarentena devem trabalhar daqui para frente.  Segundo o levantamento, 27% continuarão somente em home office, ao passo em que 14% devem revezar entre dias de trabalho em casa e na empresa. Pessoas que ficaram ausentes de suas atividades e devem retornar agora somam 22%. Já 37% trabalharam normalmente durante todo o período de isolamento social.

O período pós-quarentena também deve vir acompanhado de uma onda de empreendedorismo. Segundo o estudo, 38% dos entrevistados afirmam já ter montado ou estar pensando em criar o seu próprio negócio.  Em relação aos hábitos de consumo, a pesquisa detectou novos comportamentos. Entre os entrevistados, 47% afirmam ter aumentado o volume de compras online durante a pandemia. Destes, 78% devem continuar comprando pela Internet mesmo quando o comércio reabrir. Porém, isso não deve afetar o desempenho de estabelecimentos físicos. Com o fim da quarentena, os locais que os brasileiros mais desejam visitar são praias e parques (38%), shopping centers (36%), bares e restaurantes (27%), cinemas e teatros (22%) e casas noturnas (22%).

Além de trazer dados nacionais, a pesquisa da Go2Mob também apresenta recortes regionais inseridos em quatro subdivisões. A primeira delas ganhou o nome de Mapa do Otimismo Pessoal e teve como proposta investigar como estão distribuídos os brasileiros desempregados pela pandemia, mas que têm expectativa de conseguir um novo trabalho ainda este ano. Os estados do Acre, Amazonas, Roraima, Pará, Amapá, Tocantins, Goiás, Distrito Federal e Santa Catarina são os locais onde as pessoas estão mais esperançosas. O Mapa do Medo revela quais são os estados em que as pessoas continuam com medo de sair de casa, mesmo após a flexibilização das medidas de distanciamento. Amapá, Piauí, Ceará e Pernambuco são os locais onde a população está mais temerosa.


Cloud Computing
Ministério da Justiça escolheu nuvem da Oracle para atender ao consumidor

“A nuvem nos abre um novo catálogo de possibilidades para serviços”, afirma o coordenador geral de infraestrutura e serviços do Ministério da Justiça, Leonardo Greco.  Serviço consumidor.gov.br migrou para a Oracle no final de maio.

ARTIGO . Por Melissa Torgbi

Cientista de dados: seja curioso, se envolva e tenha muita disposição para resolver problemas

Há muita empolgação acerca do termo “ciência de dados” atualmente. Para nós que queremos ser cientistas de dados, há alguns requisitos. Um deles: ter muita, mas muita vontade de aprender o tempo todo.

Unicórnio brasileiro avança operações de pagamento para décimo país

Ebanx anunciou que também vai processar pagamentos no Uruguai. "Unicórnio" com mais de US$ 1 bi, empresa está também no México, Colômbia, Argentina, Chile, Peru, Bolívia, Equador e Uruguai, além do Brasil.

Finplace amplia em mais de 200% a oferta de crédito para PMEs

Criada no final do ano passado, a plataforma já movimentou mais de R$ 50 milhões e contabiliza 108 financiadores e uma carteira com mais de 500 clientes.

Se a bitcoin fracassar, o blockchain morre abraçado

FastBlock, empresa brasileira especializada em mineração por serviço, compra data center nos EUA para acelerar a mineração das criptomoedas. Ao Convergência Digital, o CEO Bernardo Schucman, adverte: Brasil não abre espaço à inovação. Sobre a credibilidade da bitcoin, o executivo diz que o estigma é concorrencial. "O velho mundo rejeita o novo. Golpes existem desde sempre. O que é a gangue do boleto?".

No Brasil, 65% das empresas estão bem longe das regras da LGPD

Índice LGPD ABES mostra ainda que 40% das companhias brasileiras sofreram incidentes de violação nos últimos dois anos e 80% assumem que fazem, sim, coleta de dados sigilosos. "Não há mais tempo a perder", adverte o consultor da EY, Marcos Sêmola.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G