Clicky

OPINIÃO

LGPD exige mais do que atualizar sistemas

Por Emilio Nakamura*
08/10/2020 ... Convergência Digital

Uma coisa é certa, a LGPD chegou para ficar! Desde o dia 18 de setembro, a Lei nº 13.709 entrou em vigor, e tem um objetivo mais do que claro: tornar as relações entre instituições e cidadãos mais transparentes, oferecendo ainda um controle maior sobre os dados pessoais coletados. Com isso, muitas organizações estão correndo contra o tempo para ajustar seus processos e sistemas, a fim de não sofrer penalidades futuras, que passarão a valer a partir de agosto de 2021.

Desde que a legislação europeia passou a valer, o Brasil vem desenhando o melhor formato para a lei por aqui. É inegável que a LGPD trará inúmeros benefícios a médio e longo prazo. Um deles é a otimização de processos, uma vez que as instituições saberão exatamente quais dados pessoais precisam de fato para as suas operações. Outro benefício é melhoria da segurança da informação, já que precisarão de um conjunto de controles para proteger os dados pessoais em tratamento, evitando assim qualquer vazamento.

O que muda para melhor, na prática, é o avanço da cultura da privacidade, uma vez que essa legislação não será momentânea, mas sim algo que transformará para sempre a dinâmica da sociedade, de modo geral. É possível comparar esse novo momento com algo que aconteceu nos anos 90 com a chegada do Código de Defesa do Consumidor (CDC), que causou estranheza e dúvidas sobre sua eficácia na época, mas que hoje já faz parte do nosso dia a dia.

Embora muitas empresas tenham deixado para a última hora, a adequação à LGPD é algo contínuo, que acompanha a evolução das próprias organizações e os seus relacionamentos com as pessoas. O cidadão terá uma série de direitos, já que é o dono de seu próprio dado pessoal. Um dos destaques da Lei é a questão do uso e compartilhamento de dados coletados, que precisará ser claro e explícito, aumentando assim a transparência. Todos saberão o que de fato será coletado, armazenado, compartilhado e, principalmente, a finalidade da coleta. Além disso, as relações com parceiros e fornecedores também precisam estar claras, com a definição clara dos papeis de controlador e operador.

Por isso, mais do que nunca, é necessário realizar a atualização dos sistemas, seguindo o conceito de minimização de dados, ou seja, captar o mínimo de dados necessários para o desenvolvimento de suas atividades. Uma vez coletados, esses dados são de total responsabilidade da organização, ficando ela sujeita a sanções e multas caso algo seja divulgado sem autorização prévia.

Uma das sanções previstas na LGPD é a publicização. Em casos de falta de transparência no tratamento dos dados, ou em caso de vazamentos, a organização deverá se comunicar com a sociedade sobre o ocorrido e reportar todos os trâmites das investigações. Ou seja, o impacto será muito negativo para a imagem dessa marca, o que muitas vezes poderá ser pior do que o pagamento de uma multa. Por isso, todo cuidado é pouco!

Na outra ponta, agora o consumidor poderá exigir saber quais dados as empresas estão guardando, e como. Caso achem que seus dados não estão seguros ou que não estão cumprindo os termos definidos para a coleta, poderão solicitar a sua remoção. Além disso, terá à disposição a Autoridade Nacional de Proteção de Dados Pessoais (ANPD), órgão público que ficará responsável pela fiscalização do cumprimento da legislação. Ou seja, a população agora tem o poder sobre o que poderá ser ou não coletado e por quem, algo que até então ficava a cargo das organizações.

É importante ressaltar que atualmente existem algumas empresas que estão se preocupando em ajudar o mercado para as mudanças necessárias. É o caso da RNP, que está desenvolvendo um método para ajudar instituições públicas e privadas de ensino e pesquisa a se prepararem para esse novo momento. Há ainda serviços consultivos especializados em LGPD e segurança da informação. Além disso, a RPN também está auxiliando na capacitação dos profissionais interessados em aprender mais sobre o assunto com treinamentos através da Escola Superior de Redes (ESR).

Essa jornada de transformações na sociedade apenas começou, e ainda vamos ver muitas mudanças e novidades por aí. Por isso, é fundamental que todos se adequem o quanto antes à LGPD para evitar dores de cabeça no futuro e, principalmente, sentir os benefícios. Bem-vindos à nova era de dados!

*Emilio Nakamura é diretor-adjunto de Segurança Cibernética da RNP


Carreira
Brasileiros admitem vazar dados em troca de benefícios pessoais

Pesquisa feita pelo Instituto de Pesquisa do Risco Comportamental (IPRC), em 24 empresas privadas do país, mostra que apenas 1/3 dos profissionais ouvidos têm  consciência de que o dado é um bem da organização. O restante admite não guardar sigilo das informações.



  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G