Clicky

NEGÓCIOS

Mercado celular despenca 30,7% no 2º trimestre

Convergência Digital* ... 08/09/2020 ... Convergência Digital

Dificuldades no abastecimento e o fechamento do comércio devido à pandemia de covid-19 afetaram o consumo de celulares no segundo trimestre de 2020 e resultaram em uma das piores quedas de vendas da categoria, revela estudo da IDC Brasil. O levantamento mostra que, de abril a junho foram vendidos 9.631.424 aparelhos, queda de 30,7% em relação ao mesmo período de 2019.

"No início do ano tínhamos um cenário favorável, mas a pandemia afetou praticamente todos os setores e não foi diferente com o mercado de celulares, que sofreu com a falta de componentes provenientes da China e com o aumento de preços devido às flutuações cambiais", diz Renato Meireles, analista de pesquisa e consultoria em Consumer Devices da IDC Brasil. Segundo ele, o impacto só não foi pior graças aos canais de venda on-line, que expressaram movimento acima da expectativa, mas não o suficiente para minimizar a queda no segundo trimestre. "As preocupações com a saúde e com o desemprego levaram as pessoas a ficar em casa e a diminuir o interesse pela compra de um celular", afirma Meireles.

Do total de aparelhos vendidos nos meses de abril, maio e junho, 8.745,054 foram pelos canais oficiais, sendo 8.353,195 smartphones e 391.858 feature phones, quedas de 31,1% e 54%, respectivamente, em relação ao segundo trimestre de 2019. No mercado cinza, foram vendidos 790.431 smartphones, alta de 8,3% em relação ao 2º trimestre de 2019, e 95.939 feature phones, queda de 51,1% também ano a ano. No grey market a surpresa foi o resultado de vendas de smartphones, único setor que apresentou crescimento. Já a retração nas vendas de features phones também já era prevista. "Esta categoria ainda tem fôlego, embora com participação bem menos relevante, com 5% do mercado. Em regiões mais remotas ou para consumidores que não são adeptos ou precisam da tecnologia dos smartphones, o custo benefício do feature phone é um atrativo", pondera Meireles.

Segundo o estudo da IDC Brasil, a categoria mais vendida no segundo trimestre de 2020 - também considerando as vendas no mercado oficial e no cinza - foi a de smartphones intermediários (High end), com 3.363.076 unidades e preço entre R$ 1.100 e R$ 1.999. Na sequência, com 3.247.741 de unidades vendidas, ficaram os Mid end, modelos com preços de entrada entre R$ 700 e R$ 1.099.

Em termos de preços, os índices do 2º trimestre de 2020 são todos de alta. No período, o preço médio de um smartphone foi de R$ 1.539 no mercado oficial e de R$ 1.727 no grey market, altas de 22,9% e 36,2%, respectivamente, em relação ao 2º trimestre de 2019. O ticket médio dos features phones também ficou 39,5% mais alto no mercado oficial, e 24,6% no grey market. Já quando se comparam os preços do 2º trimestre com os do 1º trimestre de 2020, a alta não é tão acentuada. De janeiro a março, o ticket médio do smartphone, por exemplo, foi de R$ 1.476 e do feature phone foi de R$ 143 (média de preços considerando o mercado oficial e o paralelo).

Ainda segundo o IDC Brazil Mobile Phone Tracker 2Q2020, a receita total do mercado de celular no 2º trimestre de 2020 foi de R$ 14,846 bilhões, 8,5% a menos do que o mesmo período de 2019. Desse montante, smartphones respondem por R$ 14,30 bilhões (R$ 1,365 bilhão no cinza e R$ 12,85 bilhões no mercado oficial), e feature phones por R$ 82,64 milhões (R$ 10,31 milhões no cinza e R$ 72,32 milhões no oficial).

Para o terceiro trimestre de 2020, a IDC Brasil prevê uma retomada gradual das vendas. "O momento ainda é de cuidados com a saúde e de muita cautela fora de casa, mas a reabertura das lojas físicas é muito importante para a retomada das vendas de celular e a tendência é de diminuição dos índices de queda nas vendas. A categoria deve acompanhar os indicadores macroeconômicos que projetam melhorias do PIB e também ser favorecida pelo auxílio emergencial estendido até dezembro", conclui o analista da IDC Brasil.


Cloud Computing
Supercomputação definida por software chega ao mercado em 2023

Centro Nacional Suiço de Supercomputação (CSCS),  a Hewlett Packard Enterprise (HPE) e a NVIDIA Enterprise estão construindo o que definiram como o supercomputador com IA mais poderoso do mundo, com arquitetura de software nativa em cloud.

Intelsat contrata e abre centro de suporte a clientes no Brasil

Para o centro brasileiro, localizado no Rio de Janeiro, a empresa de satélite contratou 10 funcionários, que serão responsáveis pelo atendimento a clientes no país e em toda a América Latina.

Competitividade: o mantra do Brasil no jogo da economia digital

Em entrevista à CDTV, o executivo falou sobre os três objetivos estratégicos para 2021: reforma tributária digna para desonerar o emprego; formação de talento e medidas para garantir o uso intensivo de dados.

Produção setorial de TIC foi de R$ 506,5 bilhões em 2020

Apesar da crise econômica agravada pela Covid-19, o setor de TI e Comunicação cresceu 2.4% no ano passado, de acordo com dados da Brasscom. O segmento de software e serviços gerou R$ 216,1 bilhões, com crescimento de 5,1% e o de telecom, R$ 240,5 bilhões, mas com uma queda de 0,4%. Setor respondeu por 6,8% do PIB nacional.

Software brasileiro tem futuro ameaçado por falta de pessoas qualificadas

"O Brasil não tem de ser um celeiro de mão de obra, um BPO. Temos de fazer tecnologia. Mas falta política pública. Em 20 anos, nada aconteceu", lamenta o CEO da Plusoft, Solemar Andrade.



  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G