INCLUSÃO DIGITAL

Pressão do TCU dobra ganhos da Telebras no contrato com Viasat

Luís Osvaldo Grossmann ... 22/05/2019 ... Convergência Digital

Terminou nesta quarta, 22/5, a longa batalha da Telebras pelo acordo negociado com a americana Viasat para a venda de acesso à internet suportada pelas conexões via satélite do artefato nacional lançado ainda em 2017, mas que só agora começará a valer para a fatia ‘privada’ do negócio – a outra, para atendimento ao programa de inclusão digital Gesac, foi liberada no início do mês.

Como antecipado pela Convergência Digital, as tratativas mais que dobraram a fatia que a estatal estimava de ganhos com o acordo, incialmente de R$ 202,9 milhões. Segundo estudos realizados pela unidade técnica a partir de informações prestadas pela Telebras, as melhorias implementadas no acordo em análise resultaram no acréscimo de R$ 222 milhões no VPL da Telebras”, destacou o relator do processo, ministro Benjamin Zymler.

E como acrescentou no voto, o ganho pode ser ainda maior com outros ajustes. “Além disso, quando foram computados os impactos financeiros das demais alterações promovidas na versão original do contrato de parceria, como a inclusão de garantia para a antecipação de R$ 50 milhões efetivada pela estatal e a fixação de uma receita mínima para a Telebras, a SeinfraCom estimou que o benefício total para essa empresa decorrente da renegociação atingiu R$ 342 milhões.”

O presidente da estatal, Waldemar Gonçalves, festejou: “A importância da decisão de hoje do TCU é que ela permitirá ao Brasil alavancar os benefícios dos investimentos feitos em sua infraestrutura de comunicações via satélite e levar a conectividade de banda larga a pontos-chave”, afirmou. “Reconhecemos que nosso relacionamento com a Telebras é um modelo de negócio complexo e novo e apreciamos a profunda análise realizada pelo TCU. Esperamos conectar milhares de pontos de conexão adicionais nos próximos meses”, emendou a vice-presidente da Viasat e gerente geral da empresa no Brasil, Lisa Scalpone.

O TCU já havia chancelado, em decisão de 2/5, o acordo da Telebras com o Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações para uso do satélite nas conexões internet do programa federal de inclusão digital, voltado especialmente para escolas públicas rurais. A nova aprovação do Tribunal trata da fatia privada do acordo – a venda de capacidade em banda Ka do satélite nacional no que a Viasat promete serem acessos com preços a partir de R$ 2, em um modelo próximo a uma Lan House via satélite.

Conforme apresentado ao TCU, o novo cronograma desse acordo prevê a instalação de 18 mil VSats em 2019, 12 mil em 2020, e 10 mil em cada um dos anos de 2021 e 2022 – portanto concluindo a instalação das esperadas 50 mil antenas um ano depois do prazo inicialmente previsto. Entre outros detalhes do contrato, a versão inicial previa que, em 15 anos, a Telebras repassaria R$ 754 milhões à Viasat relativos ao alugue das antenas VSats instaladas pela empresa americana, enquanto receberia R$ 397,5 milhões pelo compartilhamento das receitas com a venda dos acessos à internet. Com a renegociação, o aluguel no período – caso sejam instaladas as 50 mil antenas previstas – caiu para R$ 628 milhões, ao mesmo tempo em que a partilha da receita subiu para R$ 610 milhões.

“A diferença entre os valores dos repasses entre as empresas foi reduzida de 89% para cerca de 3%. Além disso, a diferença entre as taxas internas de retorno  que era de 7% em favor da Viasat passou a ser, no cenário pós-negociações, de 2% em favor da Telebras”, apontou o relator. A taxa de retorno esperada para a estatal passou de 9% para 11,2%, enquanto para a Viasat, de 16,1% para 9,3%.

Ao aprovar a renegociação, o TCU ainda incluiu novas exigências. Em especial, quer ajuste na margem de lucro da Viasat. “Acolho a proposta formulada pela SeinfraCom no sentido de recomendar à Telebras que avalie, junto à Viasat, a viabilidade de excluir dos cálculos a margem de lucro adicional conferida à empresa estrangeira, no valor de 9,3% incidentes sobre o fornecimento e a instalação de equipamentos pela Viasat, considerando que os custos e as remunerações já estariam abarcados em outras rubricas do plano de negócios”, concluiu Zymler.


Brasil soma 424 milhões de dispositivos digitais em uso. Smartphone é o rei

São 234 milhões de smartphones em uso no País e 190 milhões de computadores, revela pesquisa da FGVcia/SP. Em 2019, foram 12 milhões de PCs vendidos. Em 2020, a Covid-19 exigiu a troca de dispositivos e deverá incrementar o mercado, diz o professor Fernando Meirelles.

Aloo Telecom cede rede de fibra ótica para viabilizar UTI virtual

A Aloo Telecom é responsável por toda a tecnologia por trás do projeto UTI Virtual, em pareria firmada com o Hospital do Coração (HCOR) e a Fundação Cardiovascular de Alagoas (Cordial). Aliança permitirá atendimento em tempo rela para 100 leitos nos hospitais do SUS de Alagoas.

No Brasil, 58% dos usuários usam apenas o celular para acessar à Internet

Nas classes D e E, o celular é o meio de acesso à rede de 85% e na área rural, ele responde pelo acesso de 70%. PCs perdem vez e as TVs avançam.

Menos de 1% dos sites no Brasil passou nos testes de acessibilidade

Brasil tem cerca de 14 milhões de sites ativos, segundo dados pesquisados pelo movimento Web para Todos.

França vai obrigar remoção de conteúdo de redes sociais em 1 hora

Lei impõe a rápida exclusão de conteúdos que envolvam pedofilia e terrorismo e dá até 24 horas para remoção do que for considerado “manifestamente ilícito”. 

eGov digital: atendimento em tempo real fica abaixo de 10% no Brasil

Pesquisa TIC Governo Eletrônico 2019 mostra que o uso dos chatbots ficou em 8% nos órgãos federais. Nos estaduais, o percentual cai para 5%.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G