Clicky

INOVAÇÃO

TOTVS Techfin: Na crise, sobrevivem os mais adaptáveis às mudanças

Por Roberta Prescott* ... 30/09/2020 ... Convergência Digital

A disrupção ocasionada pelas fintechs começou com a revolução digital, foi capitalizada durante as crises e ganhou forças com uma agenda regulatória favorável a beneficiar o cliente e com o acesso mais barato à tecnologia, permitindo que toda empresa se torne uma fintech. Assim resumiu Eduardo Neubern, diretor-executivo da Totvs Techfin, a jornada digital na Abes Software Conference 2020, nesta quarta-feira 30/09.

Segundo ele, a revolução das fintechs foi acelerada pela crise recente. "Recapitulando, nos últimos 20 anos, tivemos a crise do ano 2000, que culminou na descontinuidade de vários modelo de negócios, mas também serviu para impulsionar o nascimento ou crescimento de empresas que hoje são dominantes, como Google; a crise de 2008 da depressão mundial, mas que a reboque vimos surgimento e crescimento de empresas que hoje dominam o dia a dia como Uber, uma crise que se mostrou dura e que foi uma grande oportunidade para surgimentos de tecnologia e novos modelos e maneira de se relacionar com clientes. A crise atual não é diferente. Vimos, até agora, o fenômeno do Zoom, que já teve em momento de pandemia aumento de 30 vezes na base de usuário. O Zoom é um exemplo e daqui uns anos vamos falar de outras empresas que surgiram durante a crise", explicou.

No atual momento, a exemplo do que ocorreu em crises anteriores, haverá o desaparecimento de algumas empresas e a tendência é ter empresas mais sólidas sendo mais resilientes e crescerem. É a sobrevivência dos mais adaptáveis, como colocou Neubern. Para o mundo das fintechs, o momento atual tem dois fatores cruciais: uma agenda regulatória pró-abertura, pró-inovação e pró-competição.

"A redução inteligente dos custos para o usuário final é a ambição. Mais recentemente com o PIX e com o Open Banking encontramos o denominador comum: a ideia de que o dono do dado é o usuário, o consumidor, o cliente; e que a informação tem de estar disponível para o mercado", apontou. Ao ambiente regulatório favorável e busca pela democratização, se aliam as reduções nos custos de tecnologia e do armazenamento de dados.

"Os  dados são fator preponderante para que uma série de coisas aconteçam, como a personalização da oferta (baseado nos dados do ERP), uma oferta de valor mais inteligente para quem usa e quem oferta, uma maior aprovação de crédito, taxas menores, inadimplência menor ao mesmo tempo preservando spread, a margem de quem faz, de quem oferece o serviços", ressaltou.


Cloud Computing
TIM vai migrar big data para nuvem do Google

Operadora acertou com outro fornecedor de cloud, ainda não revelado e planeja ser 100% cloud até 2023. Contratos foram fechados em reais para evitar a dolarização dos serviços da nuvem, adiantou o CEO da tele, Pietro Labriola. Em dois anos, a TIM quer ter 70 datacenters de borda para reduzir a latência na oferta dos serviços.

Lei de Informática: governo faz ajustes que facilitam incentivos à pesquisa

Decreto recupera contabilização de dispêndios até março do ano seguinte e permite regime distinto, trimestral ou anual, por diferentes unidades do mesmo grupo. 

Câmara aprova marco legal das startups

Entre as inovações, empresas iniciantes poderão ser beneficiadas por regras diferenciadas de agências regulatórias como a Anatel. Texto vai ao Senado.

Ericsson processa Samsung por patentes em briga de até R$ 900 milhões

Impacto faz parte da projeção da fabricante sueca no lucro com royaltes que pode deixar de receber no trimestre.  Essa não é a primeira batalha entre as empresas. Em 2012, a Samsung pagou US$ 650 milhões à Ericsson.

Huawei: setor elétrico tem de priorizar cibersegurança para evitar apagões

Flávio Hott, gerente de produto para Energia da fabricante, disse ainda que smart grids em 4G, e depois no 5G, são investimentos efetivos para melhorar o desempenho operacional das redes.

Copel vai investir R$ 3,5 bi em redes inteligentes

Presidente da estatal, Daniel Slaviero, prevê também a chegada da compra direta de energia pelo consumidor até por celular, como ocorre na Europa. A partir de 02 de janeiro, começa a instalação dos medidores inteligentes em 450 mil unidades.



  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G