Clicky

SEGURANÇA

RealNetworks abre mão de licitações ao não categorizar pessoas no reconhecimento facial

Ana Paula Lobo* ... 20/07/2020 ... Convergência Digital

A RealNetworks, que surpreendeu o mundo no começo da Internet com o Real Player, agora, quer estar no ranking das principais empresas de segurança da informação, a partir do uso da Inteligência Artificial de forma consciente. Ao Convergência Digital, o VP da RealNetworks para América Latina e EMEA, José Larrucea, diz que a companhia já deixou de participar de licitações relevantes por exigirem a categorização de pessoas por meio da IA.

"Nós não vamos fazer isso mesmo que signifique não estarmos na disputa de contratos importantes. Não é correto nem democrático. Nós temos uma responsabilidade no uso da tecnologia", diz Larrucea. No Brasil, diante da pandemia, a RealNetworks está lançando uma autenticação de alto desempenho na plataforma SAFR que permitirá a identificação de pessoas com roupas de proteção à Covid-19.

Com tecnologia de alta precisão (99,87% de acurácia) e desempenho de reconhecimento <50 milisegundos segundo o NIST, o SAFR é capaz de realizar o reconhecimento facial mesmo com o uso de óculos de sol, chapéus, máscaras e uso de maquiagem, por exemplo. Adicionalmente, a plataforma dispõe da habilitação para autenticação individual por meio de um marcador de Realidade Aumentada (AR), o AprilTag (badge), desenvolvido pelo projeto Sistema Visual Fiducial AprilTags da Universidade de Michigan (EUA).

A nova funcionalidade não será cobrada e para uso por parte de hospitais e centros de saúde, com médicos, enfermeiros e outras categorias de profissionais da saúde, basta anexar a tecnologia AprilTag na superfície da roupa de proteção ou em uma parte da máscara. A tag é vinculada antecipadamente a informações do profissional na plataforma e, desta maneira, smartphones, tablets e câmeras IP podem ser utilizados para realizar a autenticação sem a necessidade de remover a máscara, os óculos ou as roupas de proteção. Hoje, países como o Japão e a Hungria já utilizam a tecnologia.

"Ter nossas soluções reconhecidas no NIST, maior serviço de certificação na segurança, é um diferencial relevante na concorrência de mercado", diz Larrucea. A tecnologia, adianta, não funciona por si só nem resolve todos os problemas se não estiver associada aos processos.  Em termos de estratégia da RealNetworks para o Brasil, o executivo enumera monitoramento, LGPD e 5G.

O mercado de vigilância é um alvo e, desde 2019, a companhia tem um acordo com a Digifort, que tem um contrato com a prefeitura de Praia Grande, em São Paulo, para o uso de reconhecimento facial. Mas a RealNetworks assegura que não é concorrente de projetos conduzidos, por exemplo, pela Oi/Huawei, como no Rio de Janeiro e em Salvador. "Há espaço para todos que queiram usar o reconhecimento facial de forma correta. Máquinas precisam ser treinadas e não há perfeição, mas podemos minimizar o efeito do viés", reforça.

Outros mercados relevantes serão a LGPD e o 5G. "Segurança da informação terá papel central nas aplicações de 5G para cidades e empresas privadas", diz o executivo, que fala do uso da tecnologia da Real Networks pela japonesa NTT DoCoMo. "Vamos negociar com todas as operadoras interessadas na região o uso do SAFR 5G, nossa plataforma de segurança com monitoração analítica da informação", diz Larrucea. O momento, adianta, é o das provas de conceito da tecnologia.

Sobre a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais, que tem vigência prevista para agosto, mas que pode ser prorrogada para maio de 2021, O VP da RealNetworks diz que a preocupação com segurança da informação será essencial no mercado corporativo. "Expor informações vai custar caro à marca e ao bolso. Então investir em segurança será ainda mais necessário", completa José Larrucea.


Contra invasões, Microsoft orienta uma série de correções de vulnerabilidades

Primeiro patch tuesday de 2021 corrigiu 83 vulnerabilidades no sistema operacional Windows, Edge, Office, Visual Studio, .Net Core Engine e SQL Server, entre outros. Atenção total ao CVE-2021-1648, um bug no serviço splwow64 do Windows que pode permitir que um invasor eleve seu nível de privilégio.

Embraer nega à CVM o pagamento de resgate aos hackers

Questionada pela CVM, a companhia admitiu que houve, sim, vazamento de dados, mas preferiu não confirmar quais foram. Também admitiu que recebeu pedido de resgate dos hackers. Embraer disse ainda que os sistemas de TI já estão reestabelecidos.

Serpro renova contrato de R$ 2,3 milhões com IBM para recuperação de desastres

Firmado inicialmente em 2018, contrato por inexigibilidade de licitação envolve suporte e assinatura do sistema de continuidade GDPS. 

Ministério da Saúde tem nova falha e vaza dados de mais de 200 milhões de brasileiros

Depois de admitir que houve o vazamento de informações de 16 milhões de brasileiros na semana passada, uma nova falha foi denunciada pelo jornal O Estado de São Paulo. Dados teriam ficado exposto por pelo menos seis meses.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • O Portal Convergência Digital é um produto da editora APM LOBO COMUNICAÇÃO EDITORIAL LTDA - CNPJ: 07372418/0001-79
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G