Clicky

INTERNET

Elétricas: é irracional o uso dos postes pelas empresas de Telecom

Da redação do 5x5 TecSummit ... 10/12/2020 ... Convergência Digital

As distribuidoras de energia elétrica, donas da maioria dos postes usados por operadoras e provedores de banda larga para passagem de cabos, cobram mais racionalidade por parte do setor de telecomunicações. Isso porque na falta de um regulamento específico mais coeso, sobra para as distribuidoras o dever de fiscalizar a regularidade da ocupação desses ativos, arcar com os custos de limpeza em caso de irregularidades e com reclamações de consumidores.

“É um grande problema que temos hoje, precisamos de um regramento mais forte. Temos dificuldade grande de fiscalizar, de manter o uso adequado. Sempre cuidamos tão bem dos postes, e agora temos que conviver, não conseguimos regras adequadas, é muita gente, é muito cabo clandestino”, observou Maximiliano Andres Orfali, diretor geral da Copel Distribuição. Ele participou nesta quarta-feira, 9/12, do evento 5×5 TEC Summit.

Para o executivo, a Aneel precisa desenvolver formas de incentivar as distribuidoras a criar estruturas para gerir o compartilhamento dos postes com as operadoras de telecomunicações e a fiscalizar a passagem dos cabos de rede de forma correta.

Monopólio em infraestrutura 5G

Caius Vinicius Malagoli, diretor de Engenharia de Manutenção e Padrões do grupo CPFL Energia, considera irracional o que está havendo hoje no setor de telecomunicações. “A concorrência aberta em telecomunicação incentivou a irracionalidade da ocupação dos postes e a forma como essa infraestrutura é montada. A gente vê os postes com fio para tudo que é lado, e às vezes cabe à distribuidora fiscalizar e organizar. O que pra mim, não é parte do nosso negócio”, reclamou.

Segundo Malagoli, a questão é urgente também por conta da 5G, que deve levar as operadoras a pedir espaço nos postes para a instalação de pequenas antenas celulares. “Talvez fosse o caso de haver uma licitação para escolher quem vai explorar essa infraestrutura em caráter de monopólio. Porque o resto seria prestação de serviço, são dados que fluem. E acabaria com essa festa que coloca em risco inclusive o poste, que tem limite de altura. Passa um caminhão e leva tudo, e quem é acionado? A distribuidora de energia elétrica. Esse modelo precisa ser repensado urgentemente, senão vamos chegar a um ponto em que será insolúvel”, vaticinou.

Preços podem ser negociados

Muitos clandestinos do setor de telecomunicações reclamam que passam os cabos à revelia das distribuidoras porque estas ou demoram muito para aprovar os projetos técnicos, ou cobram preços muito altos que inviabilizariam seus negócios. O superintendente de Smart Grids na Neoenergia, Heron Fontana, discorda. “Tem mecanismos e formas de ajustar os preços justos para uso dos postes. Se o 5G vai entrar, se vai usar os postes, então que os operadores que se beneficiam daquela infraestrutura que suportem esse custo, e não os consumidores da energia elétrica. O custo deve ser compartilhado e passado e transferido realmente para os usuários daquele serviço”, avaliou.

O evento 5×5 TEC Summit é organizado pelos portais Convergência Digital, Tele.Síntese, Mobile Time, Teletime e TI Inside, com a proposta de debater a modernização de cinco setores essenciais para a economia brasileira. As palestras vão até esta sexta-feira, 11/12. Inscreva-se gratuitamente. As apresentações passadas, sobre os setores de governo, saúde, energia e finanças já estão disponíveis.


Revista Abranet 33 . jan-mar 2021
Veja a Revista Abranet nº 33
A Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais impõe a contratação de um DPO (Data Protection Officer), profissional que tende a ficar cada vez mais requisitado e valorizado... Veja a revista completa.
Clique aqui para ver outras edições

Oi oferta 1 Giga atenta a demanda dos clientes no FTTH

Operadora terá duas modalidades de oferta: banda larga + VoIP e banda larga+ IPTV. Objetivo é atrair novos consumidores para a base de clientes, revela Bernardo Winik, VP de clientes da Oi.

Fapesp abre chamada estratégica para Internet de R$ 30 milhões

Podem ser apresentadas propostas em temas como software livre, dados abertos e padrões abertos, entre outras.

Idec cobra ANPD, Senacon e Cade por medidas contra mudanças no WhatsApp

Entidade de defesa do consumidor alega que por não permitir consentimento, nova política de privacidade e termos de uso violam LGPD. Novo modelo da OTT está previsto para vigorar a partir do dia 15 de maio.

Internet das Coisas desafia a privacidade e a governança da Internet

A afirmação é da professora da Escola de Comunicação da American University, Laura DeNardis, que participou da Seminário Internacional de Governança da Internet. Especialistas afirmam que confundir governo com governança é um erro grave e ameaça o ecossistema.

Agora é lei. Perseguição na Internet pode levar a até dois anos de prisão

O presidente Jair Bolsonaro sancionou a Lei que inclui no Código Penal a modalidade do crime de 'stalking1, prática de perseguição de pessoas na Internet. Penalidade pode ser acrescida em 50% se o crime for direcionado a mulhres e as crianças.



  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G