Home - Convergência Digital

Em TI, apenas 7% dos profissionais envolvidos com Inovação têm pós-graduação

Convergência Digital* - 29/07/2020

O Ramo de Serviços em TI é um dos que mais recebem investimentos em Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) de fontes próprias, com uma taxa de 95%, fica atrás somente de Eletricidade & Gás, que segue na liderança com 100%. Quando o comparativo é feito entre ramos mais dinâmicos, de atividades industriais, TI lidera com 95%, seguido por Equipamentos de Informática (93%), Produtos Químicos (93%) e Produtos Farmoquímicos e Farmacêuticos, com 76%.

O dado está relacionado no Insights Report de junho desenvolvido pela Associação das Empresas Brasileiras de Tecnologia da Informação do Paraná (Assespro-PR) em parceria com o Departamento de Economia da Universidade Federal do Paraná (UFPR). O estudo baseado nos números do IBGE (2011-13, 2012-14 e 2015-17) indica como o ramo de TI destacou-se nos quesitos: investimentos internos de P&D com participação das fontes de financiamento, número de profissionais envolvidos em atividades internas de P&D, além da qualificação deste pessoal.

Quando se trata de financiamentos por fontes externas para P&D ao setor de TI, em 70% dos casos estes provêm de fontes públicas. O restante envolve parcerias com empresas estatais, instituições de pesquisa, universidades ou ainda de fontes estrangeiras.

O estudo apontou também que houve um crescimento no número de pessoas ocupadas em P&D nos Serviços de TI entre os anos de 2011 e 2017: de 3,3% para 4,1%. Este ramo ficou atrás somente do Ramo de Equipamentos em Informática, que em 2011 possuía ocupação de 5%, mas que em 2017 caiu para 4,4%. Mas, mesmo com a crescente ocupação, um ponto que merece atenção especial é a especialização destes profissionais de P&D: 81% possui ensino superior completo (81%) e apenas 7% do total conta com pós-graduação.

“A pós-graduação é um dos elementos importantes e que interferem diretamente na qualidade da inovação tecnológica, para que seja menos incremental e mais disruptiva ”, explica Victor Pelaez, doutor em Ciências Econômicas e um dos responsáveis pelo Insights Report.

Para Adriano Krzyuy, presidente da Assespro-PR, os números demonstram um pouco sobre quais são os principais desafios para que o setor continue em destaque. “O ramo de TI está acima da média nacional em investimentos P&D, porém ainda não satisfaz quanto a especialização dos profissionais. Por isso, devemos nos basear na pesquisa para a captação de recursos externos mais significativos para que exista de fato a possibilidade de inovações mais disruptivas e assim aumentar a produtividade neste ramo de serviço”, conclui.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

18/01/2021
Lei de Informática: governo faz ajustes que facilitam incentivos à pesquisa

13/01/2021
Bolsonaro sanciona com vetos Lei que proíbe contingenciamento de recursos para ciência

12/01/2021
Wayra, Liga Ventures e Artemísia lideram aceleradora do programa BNDES Garagem para startups

17/12/2020
Softex cria fundo de R$ 50 milhões para startups

15/12/2020
Câmara aprova marco legal das startups

26/11/2020
Governo lança portal com informações sobre programas de incentivo às startups

23/11/2020
Dona da Vivo cria hub de inovação para startups focadas em trabalho remoto

12/11/2020
Pós-Covid: aberta a 1ª etapa de certificação de mentor internacional

10/11/2020
Assespro e Bossa Nova Investimentos vão investir até R$ 5 milhões em 10 startups

29/10/2020
Casa Civil assume o comando das políticas de inovação

Veja mais artigos
Veja mais artigos

A confiança é ganha com mil atos e perdida com apenas um

Por Luis Banhara*

À medida que o conceito de trabalho se descola dos escritórios, mesmo que parcialmente, surgem novos desafios de segurança. A superfície de ataque foi ampliada.

Destaques
Destaques

Na liderança, curiosidade insana e coragem impactam mais que a competência

Vice-presidente para setor público na AWS, Teresa Carlson, e Indra Nooyi, membro do board da Amazon e ex-CEO e chairman da PepsiCo, admitiram que a Covid-19 tem provocado crises existenciais em muitas pessoas e que, há, sim, um forte e um injusto desequilíbrio para as mulheres.

Média salarial de profissional de TI no Brasil ficou em R$ 4.849,00

Pesquisa nacional, realizada pela Assespro-Paraná e pela UFPR, mostra a desigualdade econômica do país. No Nordeste, em Sergipe, a média salarial é de apenas R$ 1.943.00. Em São Paulo, essa média sobe para R$ 6.061,00. Outro ponto preocupante: a diferença salarial entre homens e mulheres segue acima de dois dígitos.

Certificação é critério de seleção para encarregado de dados

Ainda que a LGPD não exija qualificação específica, o mercado busca profissionais com conhecimento na área. Formação pode custar até R$ 6 mil, observou Mariana Blanes, advogada e sócia do Martinelli Advogados, ao participar do CD em Pauta.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site