Clicky

SEGURANÇA

Com GSI e PF, Judiciário reage aos hackers e agiliza estratégia contra cibercrime

Convergência Digital* ... 19/11/2020 ... Convergência Digital

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) realizou na quarta, 18/11, a primeira reunião do Comitê de Segurança Cibernética do Poder Judiciário, criado na esteira dos ataques ao Superior Tribunal de Justiça e que tem a missão de reforçar a segurança do ecossistema digital dos tribunais e demais órgãos judiciais. 

Entre as primeiras decisões, o comitê deverá apresentar até 4 de dezembro o protocolo de prevenção e gerenciamento de crise para o enfrentamento de ilícitos cibernéticos no âmbito do Poder Judiciário, cuja relatoria ficou a cargo de membros do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) da Presidência da República e do Conselho Federal de Justiça (CJF). Já o protocolo de investigação para ilícitos cibernéticos que possam afetar o Poder Judiciário deve ser entregue no dia 15 de dezembro, cuja relatoria está a cargo de membros da Polícia Federal.

“Precisamos nos aprimorar em aspectos tecnológicos, principalmente porque estamos lançando, pelo CNJ, o Juízo 100% Digital, que precisa de um aprimoramento máximo e uma otimização de todos os meios para que possamos entregar ao cidadão e ao jurisdicionado um trabalho novo”, afirmou o presidente do CNJ, e do Supremo Tribunal Federal, Luiz Fux. 

Segundo apontou, é imprescindível garantir a segurança cibernética do Poder Judiciário, estabelecendo processos de trabalho orientados para a boa gestão da segurança da informação. E que esse trabalho abrange o estabelecimento de protocolos de prevenção, de atuação em eventuais momentos de crise, de constante atualização e acompanhamento das regras de compliance, além de assegurar o cumprimento da Lei de Acesso à Informação, do Marco Civil da Internet e da Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD). 

“Esse comitê é de uma importância ímpar. Estamos procurando nos aperfeiçoar e garantir a segurança cibernética do sistema digital do Poder Judiciário, estabelecendo estratégias, métodos para uma justiça digital imune a qualquer tipo de incidente”, afirmou Fux. 

Coordenada pelo juiz auxiliar da Presidência do CNJ, Alexandre Libonati, a primeira reunião do comitê formado por especialistas da área de segurança cibernética oriundos de diferentes órgãos definiu metodologias para conduzir os trabalhos, bem como os prazos de entrega dos protocolos para prevenção e para investigação de ilícitos cibernéticos que afetem a Justiça.  “Cuidávamos da segurança dos nossos processos colocando barras de ferro na frente dos tribunais, mas essas barras de ferro, agora, são insuficientes para evitar os incidentes, que felizmente ainda são poucos, de ataque aos nossos sistemas de informação.”

Para o desenvolvimento da Estratégia da Segurança Cibernética e da Informação do Poder Judiciário, cujo o prazo de entrega é de 120 dias, há uma divisão de 13 temas que deverão ser analisados por grupos dentro do Comitê e debatidos em reunião na segunda quinzena de dezembro. A Estratégia da Segurança Cibernética e da Informação do Poder Judiciário prevê o funcionamento do Centro de Tratamento de Incidentes de Segurança Cibernética (CTISC), composto por membros de cada tribunal do país, e funcionará como canal oficial para orquestração e divulgação de ações preventivas e corretivas, em caso de ameaças ou de ataques cibernéticos. O Centro também deverá propor revisões e atualizações das normas de segurança cibernética aprovadas pelo CNJ, bem como acompanhar a sua implementação em todos os tribunais brasileiros.

O Comitê de Segurança Cibernética ainda realizará reuniões ordinárias trimestrais para avaliação e monitoramento de ações de segurança nos órgãos do Judiciário.

* Com informações do CNJ


ANPD divulga tira-dúvidas sobre Conselho e cria canal de comunicação

Órgão esclarece ser ampla a definição das organizações que compõem o colégio eleitoral de seu braço multissetorial e divulga email para questões sobre o Conselho Nacional de Proteção de Dados Pessoais e da Privacidade. 

Procon/SP quer inquérito judicial contra fuivazado.com.br

O site fuivazado.com.br alega ter acesso a mais de 223 milhões de CPFs e 40 milhões de CNPJs registrados em listas ilegais de Internet.

Idec cobra Banco Central envolvido na investigação do megavazemento de dados

Para organização, é urgente uma ação interinstitucional entre ANPD, Senacon, Polícia Federal, Ministério Públicoc Federal e Congresso Nacional para a investigação e mitigação dos danos aos consumidores. Inclusão do Banco Central está ligada à suspeita da participação de empresas de risco de crédito. Foram vazados dados de mais de 220 milhões de brasileiros.

Com LGPD, Oi Soluções lança antivírus com inteligência artificial e machine learning

Endpoint Security detection and response bloqueia ameaças em tempo real e permite a rastreabilidade dos acessos à rede.



  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G