Home - Convergência Digital

Teles querem filtros nas parabólicas e 100 MHz adicionais no leilão 5G

Luís Osvaldo Grossmann - 11/12/2019

Na véspera da votação, pela Anatel, da proposta que vai à consulta pública sobre o leilão do 5G, as operadoras de telecom Algar, Claro, Oi, TIM, Sercomtel e Vivo, associadas aos fabricantes Cisco, Ericsson, Huawei, Nokia e Qualcomm divulgaram nesta quarta-feira, 11/12, um posicionamento público em favor de mais espectro na principal faixa dessa licitação, 3,5 GHz, e a opção pela solução mais econômica para a mitigação de interferência na recepção das antenas parabólicas. 

“Feita a análise dos potenciais impactos decorrentes de uso dos cenários identificados, avaliamos que a melhor alternativa, sob os aspectos técnico, social e econômico, a ser considerada nas políticas públicas que orientarão o edital para uso da faixa de 3,5 GHz, é a mitigação de interferências, permitindo a convivência entre os sistemas do 5G com a TVRO na Banda C na faixa de 3,7 a 4,2 GHz. Para isso serão utilizados filtros (LNBF) de nova geração, conferindo maior segurança técnica para os proponentes e menor impacto para a sociedade”, diz o posicionamento.

Essa solução concentra a televisão na Banda C  (3,8-6,2 GHz) e se opõe ao que defendem as emissoras de televisão, que preferem a migração para a banda Ku (10-18 GHz). O uso de filtros, alega a indústria de telecom, “terá um custo aproximado de R$ 456 milhões, enquanto a migração de 100% dos usuários, somente na recepção, para a banda Ku implicará em um custo de R$ 7,8 bilhões”.

A solução das teles significa manter a TVRO para além dos 3,8 GHz, liberando a chamada ‘Banda C estendida’, entre 3,6 e 3,7 GHz, para uso pelas aplicações móveis. Ou seja, o leilão poderia oferecer os 400 MHz de banda entre 3,4 a 3,7 GHz, cenário para quatro compradores de blocos de 100 MHz, e ainda seria estabelecida uma banda de guarda de 100 MHz até os 3,8 GHz, desenho que associado aos filtros LBNF nas antenas evitaria as interferências. 

“A opção pela mitigação salvaguarda importantes recursos que poderão não só serem empregados na melhoria da cobertura e da qualidade das redes de telecomunicações, mas, principalmente, no desenvolvimento do 5G no país, com impacto direto sobre os usuários dos serviços, e a operacionalização desta opção já deveria estar explícita na proposta de edital a ser submetida a consulta pública pela Anatel, proporcionando maior segurança jurídica ao processo licitatório”, concluem.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

11/08/2020
Edital do 5G vai ao mercado com ou sem venda da Oi Móvel

11/08/2020
Anatel prepara dois editais do 5G à espera de filtros para antenas parabólicas

10/08/2020
EUA vão vender 100 MHz para impulsionar 5G

10/08/2020
Huawei dá o troco e Qualcomm alerta para o risco dos EUA perder muito dinheiro

06/08/2020
Huawei não pode ser usada para atrasar ainda mais o leilão 5G

06/08/2020
Se Anatel quiser, redes privadas não precisam esperar o leilão 5G

06/08/2020
Huawei usa robôs em centro de distribuição no Brasil com uso do 5G industrial

04/08/2020
Reino Unido contraria teles e confirma leilão 5G para janeiro de 2021

29/07/2020
Investimentos em 5G vão dobrar em 2020 e serão maiores que 4G até 2022

29/07/2020
Estados Unidos fazem ameaça velada ao Brasil por 5G

Destaques
Destaques

Venda de smartphones piratas dispara 135% no 1ºtri no Brasil

Tombo no primeiro trimestre foi de 8,7% - e chegou a 22,4% entre os aparelhos mais simples. Alta do dólar e a falta de componentes impactaram a venda dos dispositivos no país.

Tempo é um luxo que o Brasil não tem para fazer o 5G

Pesquisa da Omdia, ex-Ovum, em parceria com a Nokia, mostra que, nos próximos 15 anos, o 5G vai gerar R$ 5,5 trilhões para o País, sendo o governo beneficiado com o adicional de quase R$ 1 bilhão em receita com os serviços 5G.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Uma escolha de Sofia no leilão de 5G

Por Juarez Quadros do Nascimento*

Em um país democrático, como o Brasil, sem análise estratégica, não daria para arriscar em dispor, comercial e tecnologicamente, de “uma cortina de ferro ou uma grande muralha” para restringir fornecedores no mercado de telecomunicações.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site