Home - Convergência Digital

Julia, R e Scala: as linguagens de programação para ciência de dados

Da redação - 21/09/2020

Com o impulso dado pela pandemia de Covid-19, as ações de transformação digital exigem profissionais capacitados a lidar com um número cada vez maior de dados. Empresas e profissionais de TI precisam escolher conscientemente as linguagens de programação que usarão nesse processo. e o especialista, Jesus Vigo, em artigo no site TechRepublic, enumera as principais para tratar com dados: R, Java e Julia. Mas também fala da relevância de saber Python e Scala.

“As linguagens de programação estão preparadas para ser eficientes no manuseio de grandes conjuntos de dados e robustas em sua união de múltiplas fontes de dados para extrair efetivamente as informações necessárias para fornecer insight e compreensão dos fenômenos que existem nos fluxos de dados para mineração e machine learning, entre outros”, reportou Vigo. Saiba o que faz cada uma dessas linguagens.

Python

Elogiado por desenvolvedores de software e cientistas de dados, Python tem se mostrado a linguagem de programação preferida por sua facilidade de uso e sua natureza dinâmica. É madura e estável, sem falar que é compatível com algoritmos de alto desempenho, permitindo a interface com tecnologias avançadas, como machine learning, análise preditiva e inteligência artificial (IA) por meio de bibliotecas ricas e suportadas em seu extenso ecossistema.

R

R foi desenvolvido e se apoia fortemente em modelos estatísticos e computação. A exploração de dados oferece uma série de operações que podem ser realizadas para classificar e gerar dados, modificar, mesclar e distribuir conjuntos de dados com precisão para deixá-los prontos para sua formatação representativa final. Por último, a visualização de dados é outro ponto em que R se especializa, com uma série de pacotes que auxiliam na representação gráfica dos resultados com gráficos e plotagens, incluindo plotagem complexa de análise numérica.


Java

Java existe há cerca de um quarto de século e, durante este tempo, a linguagem orientada a objetos baseada em classes aderiu ao credo "escreva uma vez, execute em qualquer lugar (WORA)", estabelecendo-o como exigindo o mínimo de dependências possível - independentemente de onde seu código será executado. É a plataforma de escolha para algumas das ferramentas mais amplamente usadas em big data analytics, como Apache Hadoop e Scala. Suas bibliotecas de machine learning maduras, estruturas de big data e escalabilidade nativa permitem acessar quantidades quase ilimitadas de armazenamento enquanto gerencia muitas tarefas de processamento de dados em sistemas em cluster.

Julia

Comparada com as outras linguagens de programação desta lista, Julia é a linguagem mais recente com menos de 10 anos de mercado. Mas é uma linguagem que ganha popularidade  entre os cientistas de dados que exigem uma linguagem dinâmica capaz de realizar análises numéricas em um ambiente de computação de alto desempenho. Com execucão mais rápida,  Julia permite um desenvolvimento mais rápido como também produz aplicativos que rodam de forma semelhante aos criados em linguagens de baixo nível, como C por exemplo.

Scala

Scala foi projetada para aproveitar muitos dos mesmos benefícios que o Java aborda algumas de suas deficiências. O Scala foi projetado para ser altamente escalonável e, como tal, perfeitamente adequado para lidar com as complexidades do big data. Isso inclui compatibilidade com estruturas de ciência de dados de alto desempenho baseadas em Java, como Hadoop, por exemplo.
Fonte:  https://www.techrepublic.com/

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

14/01/2021
SENAC e empresas de TI se unem e formulam curso de programação Full-Stack

05/01/2021
Accenture e Gama Academy abrem 60 vagas para capacitação de programadores

24/11/2020
paySmart-Elo promovem maratona de desenvolvimento

04/11/2020
Fusão de startups nacionais cria maior comunidade de Devs da América Latina

02/10/2020
edTech nacional cria escola para formar programadores Web

21/09/2020
Julia, R e Scala: as linguagens de programação para ciência de dados

17/09/2020
Stefanini promove Maratona de Desenvolvimento 2020

11/09/2020
Procura por programador chegou a crescer 157% no Brasil por conta da Covid-19

25/08/2020
São Paulo tem 25 mil bolsas para formar programadores de games

24/08/2020
Escola de programação promove maratona de programação exclusiva para mulheres

Veja mais artigos
Veja mais artigos

A confiança é ganha com mil atos e perdida com apenas um

Por Luis Banhara*

À medida que o conceito de trabalho se descola dos escritórios, mesmo que parcialmente, surgem novos desafios de segurança. A superfície de ataque foi ampliada.

Destaques
Destaques

Na liderança, curiosidade insana e coragem impactam mais que a competência

Vice-presidente para setor público na AWS, Teresa Carlson, e Indra Nooyi, membro do board da Amazon e ex-CEO e chairman da PepsiCo, admitiram que a Covid-19 tem provocado crises existenciais em muitas pessoas e que, há, sim, um forte e um injusto desequilíbrio para as mulheres.

Média salarial de profissional de TI no Brasil ficou em R$ 4.849,00

Pesquisa nacional, realizada pela Assespro-Paraná e pela UFPR, mostra a desigualdade econômica do país. No Nordeste, em Sergipe, a média salarial é de apenas R$ 1.943.00. Em São Paulo, essa média sobe para R$ 6.061,00. Outro ponto preocupante: a diferença salarial entre homens e mulheres segue acima de dois dígitos.

Certificação é critério de seleção para encarregado de dados

Ainda que a LGPD não exija qualificação específica, o mercado busca profissionais com conhecimento na área. Formação pode custar até R$ 6 mil, observou Mariana Blanes, advogada e sócia do Martinelli Advogados, ao participar do CD em Pauta.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site