Home - Convergência Digital

Fake News sobre 5G gera clima tenso nos Estados Unidos

Convergência Digital* - 05/06/2020

A Ericsson suspendeu, por dois dias, o trabalho nas antenas norte-americanas para proteger a sua equipe, diante da ameaça de ataques por conta da massificação de fake news sobre o 5G provocar a Covid-19. Outros fornecedores também estão em alerta e houve avisos que manifestações poderiam  acontecer neste final de semana em várias localidades dos Estados Unidos. Notícias falsas sobre o 5G, saúde e Covid-19 também foram disseminadas no Reino Unido, na Austrália, Canadá e Nova Zelândia.

Não é a primeira vez que surgem boatos sobre o impacto do 5G na saúde. No ano passado, a onda de desinformação sobre os efeitos das frequências eletromagnéticas usadas pelos celulares e pelas antenas que viabilizam o sinal móvel mobilizou a área da Saúde no Reino Unido. Em artigo publicado no tradicional jornal inglês The Guardian, em julho do ano passado, David Robert Grimes, médico, pesquisador sobre câncer e jornalista científico com atuação na Universidade Queens, em Belfast, na Irlanda e na Universidade de Oxford, na Inglaterra, lamentou o fato de as histórias de terror fazerem mais sucesso do que as evidências científicas.

“Muitos estudos foram realizados nas duas últimas décadas para avaliar se telefones celulares representam potencial risco à saúde. Até hoje, nenhum efeito adverso foi estabelecido como tendo sido causado pelo uso de celulares”, reforçou o médico. No Brasil, a Anatel sustenta que as operadoras de telecomunicações cumprem além do determinado pelas legislações internacionais de proteção à radiação.

Especialistas na área no País também rechaçam qualquer perigo à saúde humana. O diretor do Instituto Nacional de Telecomunicações, Carlos Nazareth Motta Marins, sustenta que não há nenhuma evidência científica de que as antenas celulares e de que os smartphones façam mal à saúde humana, uma vez que a radiação eletromagnética deles é muito baixa, com emissão de níveis na ordem de milionésimos e bilionésimos de watts. Segundo ainda o especialista, 'a radiação eletromagnética de uma antena e de um smartphone é bilhões de vezes menor que a de um micro-ondas, largamente usado nas residências no mundo”.

O biomédico e cientista Renato Sabbatini lembra que já foram feitos diferentes estudos e nenhum teve a comprovação que antenas e smartphones façam mal à saúde. "Com o 5G que está chegando não será diferente. A emissão de radiação com o 5G, aliás, fica ainda mais reduzida. A potência das antenas celulares é muito baixa para aumentar a temperatura corpórea de pessoas ou animais”, reforçou o especialista, em entrevista à Agência Telebrasil.

*Com informações do Mobile World Live

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

14/07/2020
Nokia lança software de atualização à distância de redes 4G para 5G

14/07/2020
Edge Computing: caminho sem volta para ter 5G e IoT

14/07/2020
Reino Unido politiza 5G; tem custo de até R$ 10 bilhões e deflagra embate global

14/07/2020
Reino Unido se alia aos EUA e bane a Huawei do 5G

13/07/2020
Reino Unido define futuro da Huawei no 5G

08/07/2020
5G da Claro será na faixa de 2,6 GHz

08/07/2020
Faria: 5G depende de posição do presidente Jair Bolsonaro

07/07/2020
Nokia usa RAN aberto para provocar Ericsson no 5G

02/07/2020
Faixa de 1,5 GHz também pode ser destinada ao 5G para uso privado

02/07/2020
Claro traz 5G com compartilhamento de frequência para o Brasil

Destaques
Destaques

Tempo é um luxo que o Brasil não tem para fazer o 5G

Pesquisa da Omdia, ex-Ovum, em parceria com a Nokia, mostra que, nos próximos 15 anos, o 5G vai gerar R$ 5,5 trilhões para o País, sendo o governo beneficiado com o adicional de quase R$ 1 bilhão em receita com os serviços 5G.

Covid-19 fez smartphone virar agência bancária com 41% das transações financeiras

As transações bancárias feitas por pessoas físicas pelos canais digitais foram responsáveis por 74% do total de operações analisadas em abril, revela a Febraban.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Uma escolha de Sofia no leilão de 5G

Por Juarez Quadros do Nascimento*

Em um país democrático, como o Brasil, sem análise estratégica, não daria para arriscar em dispor, comercial e tecnologicamente, de “uma cortina de ferro ou uma grande muralha” para restringir fornecedores no mercado de telecomunicações.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site