SEGURANÇA

Crimes cibernéticos: Brasil é passível de represália por não assinar Convenção de Budapeste

Ana Paula Lobo e Pedro Costa, do Rio de Janeiro ... 20/09/2019 ... Convergência Digital

O Brasil erra, e muito, ao não ser signatário da Convenção de Budapeste, que trata globalmente dos crimes cibernéticos, observa o consultor de Segurança Cibernética e professor da pós-graduação de Segurança Cibernétia da UniCarioca, Guilherme Neves. À CDTV, do portal Convergência Digital, durante o Rio Info 2019, realizado nos dias 16 e 17 de setembro, no Rio de Janeiro, o especialista foi taxativo: o Brasil sofre sério risco de represálias e pode ser punido mais à frente por países mais avançados no tema.

"Um tratado global é essencial para a proteção cibernética. O Brasil precisa assinar o quanto antes", observa Guilherme Neves. O especialista fala ainda das simulações que estão sendo feitas no Laboratório Nacional de Defesa Cibernética, localizado no Instituto Militar de Engenharia, no Rio de Janeiro, como simulação de ataques às barragens e as medidas de prevenção.

Quanto às empresas, Guilherme Neves diz que a maior parte ainda esconde os ataques sofridos, mas essa realidade vai mudar com a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais. "Doer no bolso é uma medida necessária. Só assim muitos vão entender a necessidade da transparência nessa área", diz. Assistam a entrevista com Guilherme Neves.


Administradora de shopping centers revela ataque cibernético

Ao mercado a Aliansce Sonae informou que a invasão aconteceu em maio e a companhia admite que, algumas informações possam ter sido acessadas, mas que elas não eram estratégicas.

PF caça quadrilha que teria vazado dados do presidente Bolsonaro e de mais de 200 mil servidores

Ação policial acontece nos Estados do Rio Grande do  Sul e Ceará. Organização teria invadido sistemas de universidades, prefeituras e câmaras de veradores.

Para Idec, ação comprova que Metrô de SP não garante segurança de reconhecimento facial

Segundo entidade, que move processo contra o Metrô, empresa falhou em não realizar estudo para implantar a tecnologia. 

Bancos querem prisão por até 18 anos para cibercriminosos

Instituições financeiras pedem a aprovação urgente do PL 2638, apresentado na Câmara, pelo deputado Marcelo Ramos, PR/AM, que impõe punição rigorosa às fraudes cibernéticas. "A impunidade é um incentivo", diz Adriano Volpini, do Itaú-Unibanco.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G