Clicky

Convergência Digital - Home

Edge Computing: caminho sem volta para ter 5G e IoT

Convergência Digital
Convergência Digital* - 14/07/2020

O edge computing vai gerar novas oportunidades de receita para as operadoras no 5G, em Internet das Coisas e em tecnologias inovadoras, aponta estudo da Omdia, patrocinado pela Vertiv. O relatório aponta que o crescimento do edge vai abrir novas áreas de concorrência, com 36% dos pesquisados acreditando que as operadoras de rede serão de extrema importância na criação de novos serviços geradores de receita do edge. Os desenvolvedores de aplicações (30%) e os fornecedores de cloud público (25%) são também vistos como importantes players do edge.

“Os provedores de serviços de comunicação (CSPs) enxergam uma clara oportunidade no emergente mercado de edge computing. Outros potenciais players, incluindo fornecedores de cloud público e players na área de conteúdo over the top (OTT), são igualmente atraídos pela perspectiva de entrega do edge”, disse Julian Bright, analista sênior de telecom da Omdia e autor da pesquisa. “A fatia do mercado para edge computing que os provedores de serviços podem capturar dependerá de diversos fatores. Entre eles, o sucesso que terão na evolução de suas redes para dar suporte aos paradigmas do edge computing e sua capacidade de evitar tornarem-se simples fornecedores de conectividade”, adiciona o executivo.

O relatório da Omdia aborda especificamente qual papel os data centers modulares pré-fabricados (PFM) provavelmente terão em ajudar as operadoras de telecom a entregar as futuras infraestruturas de edge. Há uma projeção de crescimento do mercado de PFM de 1,2 bilhão de dólares em 2018 para 4,3 bilhões de dólares em 2023. Esse crescimento projetado é impulsionado pelas empresas de telecomunicações e pelo crescimento do edge computing, além do crescimento geral dos fornecedores de serviços de cloud, destaca o relatório.

A eficiência energética é também uma das principais preocupações das operadoras de rede. Em uma atualização de uma pesquisa de 2019 encomendada pela Vertiv, a empresa de análise de mercado 451 Research identificou que os custos de energia associados com o edge e a conectividade 5G continuam sendo uma séria preocupação para as operadoras. “O consumo de energia é uma das principais preocupações para os proprietários de redes 5G, uma vez que representam entre 20 e 40% do OPEX da rede”, disse Brian Partridge, vice-presidente da 451 Research.

Análises feitas pela Vertiv estimam que o 5G provavelmente aumentará o consumo total de energia pela rede entre 150 e 170% até 2026. A indústria precisa desesperadamente de soluções energeticamente eficientes para o 5G – especialmente para tecnologias ávidas por energia como as antenas MIMO –, além de medidas específicas para data centers. O estudo completo pode ser acessado aqui.
 


Ministério da Justiça escolheu nuvem da Oracle para atender ao consumidor

"A nuvem nos abre um novo catálogo de possibilidades para serviços", afirma o coordenador geral de infraestrutura e serviços do Ministério da Justiça, Leonardo Greco. Serviço consumidor.gov.br migrou para a Oracle no final de maio.

Icatu Seguros: mudar atendimento ao cliente para a nuvem foi decisão irreversível

Seguradora contratou a CXone, da NICE, para migrar, em tempo recorde, os seus funcionários para o trabalho remoto. "Tínhamos de não perder a qualidade e a eficiência e adaptar o serviço ao dia a dia das casas dos colaboradores", conta o diretor de Marketing e canais, Rafael Caetano.

Diversidade e Ciência de Dados: um desafio ao Brasil

Mais mulheres precisam ocupar carreiras em Ciências, Tecnologia, Engenharia e Matemática pelo bem do País, incentiva a embaixadora da Women in Data Science da USP (WiDS @USP), Renata Sousa.

Destaques
Destaques

Palo Alto: É um erro enorme repetir o passado e não tornar a nuvem aberta de verdade

"A nuvem tem de ser aberta, multicloud e não ter complexidade para os sistemas se falarem. Fizemos isso lá trás e foi um prejuízo. Não podemos errar porque nuvem é crucial no 5G", adverte Marcos Oliveira, diretor geral da Palo Alto Networks no Brasil. A empresa aposta suas fichas no 5G e num novo desenho para o mercado de segurança de redes.

Nuvem exige plano A, plano B e erra quem não faz recuperação de desastre

A nuvem não é proteção por si só e exige muito planejamento das empresas, afirmam especialistas de segurança da informação. Para o CISO da RNP, Emilio Nakamura, contingência e resiliência são obrigações. "Ser rápido num incidente é o relevante porque não existem sistemas 100% seguros".



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Como controlar os gastos em nuvem pública?

Por Srinivasa Raghavan*

Se as empresas obtiverem melhor visibilidade do custo de cada serviço em nuvem que utilizam, poderão encontrar o equilíbrio certo entre eles, reduzir as despesas operacionais e obter o melhor valor possível da nuvem.

O caminho da cibersegurança passa pela nuvem

Por Felipe Canale*

Com organizações cada vez mais distribuídas, manter dispositivos em todos os locais ou usar produtos diferentes para trabalhadores remotos cria inúmeras brechas de segurança, além de custar muito e sobrecarregar os recursos de TI.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site